Santa Catarina: crônica de uma incompetência anunciada

O episódio das intensas chuvas que caíram em Santa Catarina entre os dias 22 e 24 de novembro, com cerca de 80 mil vítimas humanas (entre mortos, desaparecidos, desalojados e desabrigados) e mais de R$ 1 bilhão de prejuízos materiais só em infra-estrutura, foi qualificado de o maior desastre ambiental já ocorrido no país. Porém apenas lamentar o "azar" do estado de ter recebido, em poucas horas, as águas previstas para alguns meses, como fizeram as autoridades e o monopólio da imprensa, é escamotear a realidade.

http://www.anovademocracia.com.br/49/11a1.jpgAs consequências das enchentes já eram sabidas e resabidas pelos gerentes municipais, estaduais e federal desde os terríveis alagamentos dos anos 1983 e 1984. Ou melhor, desde as chuvas do século 19, quando já se registravam eventos desse tipo. O que aconteceu agora foi a crônica de uma incompetência e de um desrespeito anunciados.

Além de não terem realizado obras suficientes contra as cheias, as gerências também devem ser responsabilizadas pela ocupação de áreas de risco, como os muitos morros que vieram abaixo, soterrando pessoas e casas.

Foi o que disse o professor Júlio César Wasserman, do Departamento de Análise Geoambiental da Universidade Federal Fluminense, em entrevista à Rádio Nacional, no dia 27 de novembro: "Acho que existe uma grande responsabilidade do Estado em ter legalizado esse terreno. Mesmo nas situações de invasão. Acho uma irresponsabilidade o fato do Estado não ter controlado a ocupação nessas áreas de risco".

Wasserman disse que, além de perder as casas, muitas famílias catarinenses deverão perder também os terrenos onde as moradias estavam construídas, já que as áreas desapareceram na enxurrada.

Tratados como criminosos

http://www.anovademocracia.com.br/49/11a2.jpgEnquanto o povo catarinense se debatia em meio ao barro, o sistema esfregava as mãos, já saboreando ganhos futuros. Pois, como se sabe, uma das características do capital é propiciar as destruições para depois lucrar com elas.

Claro que contratos milionários serão feitos com urgência para reconstruir alguma coisa da infra-estrutura danificada ou destruída pelas enchentes, e as empreiteiras sairão no lucro. Aliás, é bem ilustrativo que, em meio a uma das mais profundas crises do capitalismo, a gerência semicolonial seja tão célere em socorrer com bilhões os bancos em quebradeira, enquanto as vítimas da enchente em Santa Catarina tenham que depender da boa vontade e caridade alheias. E a alimentação de toda população atingida vem sendo garantida por doações do Brasil todo, principalmente dos mais pobres, que, como sempre, se solidarizaram mais com a tragédia de seus irmãos de classe.

A iniciativa do Estado foi anunciar, por exemplo, recursos de R$ 1,5 bilhão da Caixa Econômica Federal (CEF) para Santa Catarina. O que ele não contou é que os flagelados terão que pagar juros de 2% ao mês, como informou um dos telejornais da Rede Bandeirantes, no dia 28 de novembro (24% ao ano, uma carga pesada até para quem não se molhou no aguaceiro, imagine-se então para os que perderam casas, mobílias, galinheiros, micros e pequenas empresas, quitandas, etc).

Mas enquanto a ajuda não chegava, os desabrigados famintos que se lançaram sobre a única fonte de alimentos disponível foram tratados como ladrões, porque simplesmente se serviram do estoque alagado de alguns supermercados, mercadorias que se estragariam em poucas horas pela ação da água.

Aquelas pessoas foram chamadas de saqueadores pelo simples fato de terem lutado pela sobrevivência. Logo as forças repressoras estavam a postos também para defender a sacrossanta propriedade privada, independente de haver gente morrendo de fome em volta.

Tal comportamento das classes dominantes, mesmo em meio a desastres, lembra a passagem do Furacão Katrina, em Nova Orleans, em 2007, quando a grande população desabrigada foi confinada num ginásio onde proliferavam as violências, enquanto as forças da ordem protegiam as propriedades dos que tinham conseguido escapar da tragédia.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro