Família é atingida pela segunda vez

A- A A+

Depois de perder o filho Andreu (AND nº40, Agentes de "reabilitação" torturam jovem até a morte), Deize Silva de Carvalho, 36 anos, engajou-se em um sério movimento para declarar as gerências estadual e federal como verdadeiras culpadas pelo presente massacre contra o povo pobre no Rio de Janeiro e em todo Brasil.

http://www.anovademocracia.com.br/49/8b.jpg
Berenice falando em um debate na UFRJ — Praia Vermelha, Rio de Janeiro

Em uma invasão da polícia ao morro do Cantagalo, na Zona Sul do Rio de Janeiro, no dia 2 de novembro, policiais assassinaram três rapazes, despertando a fúria da população. Na ocasião, uma antiga vítima da violência do Estado, Deize Silva de Carvalho, teve seu sobrinho morto e sua filha agredida por policiais, que também fizeram sérias ameaças e atiraram spray de pimenta contra a multidão.

Tudo começou depois que a filha de Deize, já assombrada pelo trauma da morte do irmão, soube que o primo também havia sido assassinado pela polícia. No momento, muitos moradores desciam para protestar e a filha de Deize mostrava-se a mais indignada.

— Minha filha foi até lá quando soube que meu sobrinho estava nessa casa e que seria assassinado. Até então nós sabíamos que ele tinha sido baleado, só não sabíamos que já estava morto. Quando ela soube ficou muito nervosa e chamou os policias de canalhas, disse que eles foram covardes e começou a bater na viatura. Um deles falou: "Quer dizer que você é parente dele?". Pegaram ela pelo pescoço e a colocaram na casa onde estava o meu sobrinho e os outros mortos. Fizeram várias ameaças contra ela, que ficou com muito medo, tanto que eu ia abrir um processo contra o policial que a agrediu, mas ela não quis — lamenta.

Deize ainda conta que, se não fosse a mobilização da comunidade, outros abusos teriam acontecido, como a ocultação de corpos e outras provas.

— Até o momento em que meu sobrinho estava na casa e o IML não tinha ido pegar o corpo, eles queriam, de todas as formas, desaparecer com as evidências do crime. Queriam jogar os corpos dentro do carro, sorte que a comunidade não permitiu, apedrejando alguns carros e cantando palavras de ordem. Eles tiveram que esperar a perícia chegar no local e minha filha foi conduzida com eles. Eles rodaram muito com ela fazendo ameaças. Levaram ela para a 20ª DP, depois para 14° Delegacia de Turismo, onde pegaram o depoimento dela — protesta.

Apesar da dor e do sofrimento de perder um filho e presenciar todo tipo de violência contra a sua família — inclusive sua irmã, que perdeu um filho por conta do spray de pimenta usado pelos policiais naquele dia — Deize mostra-se uma grande conhecedora dos verdadeiros motivos da criminalização da pobreza e seus depoimentos em atos públicos são emocionantes relatos dos crimes do Estado, que ela não cansa de denunciar.

— Minha filha estava com o uniforme do colégio e mesmo assim sofreu abuso dos policias. Eles são a favor do blindado,  do caveirão, do helicóptero blindado que chega atirando e matando, eles invadem a comunidade no horário em que todos estão na rua. É muito triste a gente saber que para pobre não há justiça! — protesta indignada.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja