Sangue carioca, lucro ianque

A- A A+
Pin It

A violência policial no Rio de Janeiro converte enorme quantidade de sangue carioca em dinheiro nos cofres de empresas ianques. A dor das mães faveladas movimenta o lucro dos capitalistas estrangeiros e seus prepostos, Sérgio Cabral (PMDB) à frente.

http://www.anovademocracia.com.br/49/8a.jpg

A violência policial segue galopante no Rio de Janeiro. Os mais atingidos são, de maneira geral, trabalhadores e estudantes negros, pobres e jovens. A última vítima da brutalidade cometida pelos agentes do governador Sérgio Cabral foi o menino Matheus Rodrigues, de apenas 8 anos de idade, assassinado por volta das 8h da quinta-feira, dia 4 de dezembro, no Morro do Timbau, uma das favelas da Maré.

De acordo com nota divulgada pela Rede de Movimentos e Comunidades Contra a Violência, Matheus foi executado por um policial com um tiro de fuzil na nuca quando saía de casa para ir à padaria. Seu tio Ulisses havia lhe dado uma moeda de um real para que comprasse pão. Entretanto, o projétil disparado por uma arma de guerra interrompeu seu caminho: entrou pela nuca, explodiu-lhe a cabeça e saiu pela boca roubando-lhe a vida ainda na mais tenra infância. A família prestou depoimento na 21a DP, enquanto moradores revoltados fizeram vigília ao redor do corpo e impediram a remoção do mesmo para evitar que a PM encobrisse as evidências.

O monopólio da imprensa, como sempre, comprou a versão da polícia e divulgou que uma "troca de tiros" teria ceifado a vida do menino.

O caso de Matheus lembra o assassinato de Renan Ribeiro, na mesma favela da Maré, em outubro de 2006. De acordo com testemunhas, o menino de apenas 3 anos foi morto por policiais. Em ambos os casos a polícia nega, afirma que os meninos morreram durante troca de tiro com bandidos, como se isso eximisse a instituição de responsabilidade.

A atual gerência estadual no Rio de Janeiro é responsável por um aumento vertiginoso do número de "autos de resistência" (civis mortos pela polícia). Em 2007 foram computados 1.330 registros, segundo o Instituto de Segurança Pública, órgão vinculado à Secretaria de Segurança da gerência estadual. Nos primeiros três meses de 2008 foram registradas 358 mortes, o que representa um aumento de 12% em relação ao mesmo período de 2007. Dados do encerramento do primeiro semestre desse ano apontam 849 mortes, que numa projeção anual levariam os autos de resistência a um patamar recorde: 1.698 mortes em supostos confrontos com a polícia.

Outros casos recentes ilustram a brutalidade desmedida da polícia fluminense, cada vez mais firme em seu propósito de seguir a política de extermínio de sucessivas gerências. Além dos assassinatos existem diversas outras formas de violência cometidas contra a classe trabalhadora, como invasões de domicílio, destruição de patrimônio e roubo. Todas essas violações foram denunciadas durante a Chacina do Alemão, em junho de 2007, mas de lá pra cá não pararam de acontecer.

No dia 29 de novembro, por exemplo, uma denúncia da Rede de Movimentos e Comunidades Contra a Violência expôs a atuação ilegal da polícia no morro da Providência, no centro do Rio de Janeiro. Segundo a nota divulgada pela entidade, "uma grande quantidade de policiais chegou atirando e apavorando todos quando iria se iniciar uma atividade cultural e debate com mulheres na quadra da Praça Américo Brum. Uma jovem de 27 anos foi baleada e está em estado grave. Os tiros continuam e a situação é de terror. Mais vítimas podem acontecer a qualquer momento".

A Rede divulgou também uma cronologia de abusos cometidos nesta favela pelo Grupamento de Policiamento em Áreas Especiais, o GPAE, desde que seu comando foi assumido pelo capitão Zuma:

— O GPAE da comunidade, responsável por inúmeros abusos e violações de direitos desde que seu comando foi assumido pelo capitão Zuma, já havia impedido a realização da festa de 112 anos da comunidade no dia 15/11. No dia anterior, outro tiroteio provocado pela PM colocou em sério risco crianças que brincavam num parque na chamada Vila Portuária. No dia 09/11, duas militantes da Rede que se encontravam na favela foram ameaçadas (verbalmente e com tiros em sua direção) por policiais do 2°BPM que lá chegaram em um caveirão e várias viaturas. O fato foi denunciado e registrado na 4ª DP. A Rede tem denunciado todas essas ações da polícia na comunidade, mas até agora nada foi feito. A comunidade há muito tempo exige a retirada de Zuma do GPAE e a apuração de tantas violências.

O lucro é dos ianques

Baseada na lógica da guerra, essa forma de segurança enriquece aqueles que vendem e compram armas e munições, exatamente como ocorre com as guerras inventadas pelo imperialismo ianque. Entre os itens que mais movimentam dinheiro está o novo caveirão, projetado para suportar disparos de armas calibre ponto 30, motor de seis cilindros com 180 cavalos, câmbio manual de seis marchas e ré, torre de ação prolongada com seteiras para vários tipos de armamentos e pestana para proteção dos vidros dianteiros do motorista. Com capacidade para transportar 20 homens, cada uma das nove unidades custou aos cofres públicos R$ 403 mil. Um investimento de R$ 3.627.000 pagos com dinheiro dos impostos do contribuinte à empresa ianque Ford Motors.

Outro fetiche da gerência Cabral é o chamado "caveirão do ar", adquirido em setembro de 2008 pela bagatela de R$ 8 milhões. Trata-se de um helicóptero militar Huye 2, totalmente blindado (inclusive nas hélices), com capacidade para seis atiradores e um total de 15 tripulantes. Assim como a fabricante do caveirão, a empresa que desenvolveu o "caveirão do ar", a Bell Helicopter, é do USA. Sediada em Forth Worth, Texas, já vendeu mais de 35 mil aeronaves em todo o mundo e mantém negócios com as Forças Armadas dos Estados Unidos, segundo informa sua página na internet. Só este ano a empresa fechou contrato de R$ 525 milhões com a Marinha ianque.

Resistência

Enquanto não se tem um movimento organizado de resistência que possa combater a tropa do gerente Sérgio Cabral, as melhores iniciativas têm sido as ações diretas de comunicação de massa. Prova disso foi o telefonema do governador para o desembargador Siro Darlan, pedindo que o outdoor publicado em junho de 2008 com a ilustração de Carlos Latuff fosse retirado das ruas porque era "uma ofensa" à polícia.

Sérgio Cabral sabe que a verdade não pode ser dita em público por diversos motivos, entre os quais estão à pressão internacional que poderá recair sobre sua gerência e a tomada de consciência do povo, que organizado e ciente da política de extermínio pode tomar as ruas para derrubá-lo.

Como o monopólio da imprensa é conivente com a matança da classe trabalhadora, resta a ação direta dos movimentos sociais organizados. Esses têm a obrigação de jogar a imagem de Cabral e Luiz Inácio, chefes das polícias e do Exército, nas ruas em cartazes, outdoors, panfletos e tudo o mais que possa denunciar sua política assassina.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja