Editorial - Onde o povo luta há sempre democracia

A- A A+

Nenhum dos candidatos com chance (lembram-se?) propôs um mínimo que chegasse a R$ 1.000,00, se tanto. Ainda que fugindo do assunto, sequer um único dos presidenciáveis associados, do primeiro ou do segundo turno poderia, até por conveniência, ter aproximado seus cálculos do Dieese, por exemplo, a quem tanto esquerda e falsa esquerda recorreram no passado para contestar o arrocho. Problema: o Dieese fala de um mínimo de R$ 1.357,00 para satisfazer às necessidades normais de alimentação, habitação, vestuário, higiene e transporte, tal qual conceitos e métodos de quem o concebeu; nada menos que o Estado Novo. O Imperialismo e seus associados internos acham pouco o fascismo tradicional e criaram um mais sofisticado, em 1964, cuja doutrina impõe ao trabalhador um salário cada vez menor.

Se é necessário "algum tempo para elevar o mínimo", como explicar tempo e valorização do trabalho, sem um programa de emancipação das classes hoje oprimidas e de independência nacional?

Atrair capitais, fixar taxas de câmbio favoráveis; "necessário exportar", subsidiar exportações, agregar valor, gerar competitividade, garantir controle de qualidade, além de tanta e imaculada "ingenuidade" por parte dos que, parece, se recolhem à posição fetal quando ensaiam suas tramas contra o povo brasileiro.

Quase dez anos de entreguismo e explicações em tom professoral. O país em ruínas, enxurradas de acordos lesivos aos interesses nacionais, enquanto que as únicas medidas acauteladoras que se manifestam são as que visam preservar a impunidade dos technopolls e perpetuar a dos grande grupos estrangeiros.

Quem (o PT, claro!) no início da campanha presidencial denunciava o foro privilegiado para ex-presidentes, muda bruscamente de posição e pede agora que os aliados retirem suas assinaturas apostas ao foro. Já a lei da mordaça conseguiu passar pela Comissão de Constituição e Justiça do Senado, "de forma quase clandestina", avisa Marcelo Beraba, no Folha de São Paulo, em 6 de dezembro, em razão das mesmas providências. Assim, juízes, integrantes do Ministério Público e autoridades policiais não podem fornecer informações sobre ações em andamento. Sem problemas.

O planejamento do Brasil encontra-se nas mãos de um conglomerado estrangeiro... com Kissinger por perto, caso não baste os desastrados e entreguistas da casa. Vai ser diferente agora? Pode ser diferente?

A saúde mental parece não fazer parte do programa oficial de saúde. Tampouco a orgânica, porque no programa oficial de saúde o objeto é o lucro, não a estabilidade mental e orgânica. Mas, a mercadoria trabalhador é muito ignorante e disso não entende também. Assim, reluta em não morrer de fome. Luta no campo, na cidade. Enfrenta o opressor em batalhas campais, a exemplo dos camelôs; outros não se admitem desabrigados e descrevem essa lógica nos primeiros dias, como em Osasco, ou a apresentam inteira, completa, verdadeira, prova cabal do que é capaz o povo, como demonstrou a gente de Bandeira Vermelha, ou como tende a mostrar os de Serra Pelada, os de Pontal, os estudantes de Alcântara que não admitem os ianques na Base,

Num país dado, há sempre ditadura e democracia. Ditadura e democracia para quem — é a questão. Porém, onde o povo luta, há sempre uma democracia sendo construída.

Na década de 20, as moças da "classe média", ousadas, desobedeciam às tradições e andavam sozinhas pelo comércio, ressaltam orgulhosas as que compõe certas entidades de mulheres. Mas as operárias e as comerciarias chegavam ali mais cedo e desenvolviam atividades para que houvesse comércio.Thereza tinha dinheiro, e até avião, mas também coragem, tanto quanto a amiga que jurou defendê-la muitos anos depois.

Há um programa de rádio que fala do Brasil, outro mais, lá em São Paulo que canta o Brasil, vários ameaçam fazer o mesmo.

São inigualáveis os artistas que se preocupam de forma sincera com a vida das massas, que adotam uma atitude capaz de levar à sua gente as melhores informações e de perseguir uma política de cultura verdadeiramente brasileira. Como são grandes os nossos artistas, os que buscam popularizar as melhores informações e que também se esforçam para elevar o nível de conhecimentos do povo!!

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja