Vale Jequitinhonha nos palcos de arena

Coletivos consequentes de teatro surgem pelo país, grande parte deles com uma vontade insaciável de servir ao povo com o melhor da arte, através de um teatro politizado. São trabalhos para serem exibidos nas casas de espetáculo, nos teatros de arena, nas universidades, nas escolas, nas associações de bairro e mesmo na rua. São os artistas da nossa gente se movimentando, como canoeiros pelos rios perenes do nosso Brasil.

http://www.anovademocracia.com.br/50/20b.jpg

Desenvolver um teatro transformador, transgressor e crítico. Esse foi um dos motivos que fez surgir em 2007 o Coletivo Teatro da Margem (CTM). A idéia era construir um processo colaborativo de trabalho através de uma direção e atuação coletivas.

Quando falamos em 'grupo' pensamos logo em algo fechado. Por conta disto é que nos denominamos coletivo. As pessoas podem entrar e sair sem maiores problemas. É claro que em breve tempo seremos um coletivo fixo, mas isto se dará ao longo de nossa trajetória. O que queremos é ter um projeto teatral compartilhado por todos os 'marginais' — afirma Narciso Telles, coordenador do CTM.

O termo Teatro da Margem proporciona uma série de interpretações: independente, transformador, contestador e possivelmente uma ligação com a celebre frase do dramaturgo alemão Bertolt Brecht: “Do rio que tudo arrasta se diz violento, mas não se diz violenta as margens que o oprimem”.

Atribuindo aos atores o improviso, o CTM tem como maior influência a técnica do ViewPoints*, estudada e desenvolvida pela diretora estadunidense Anne Bogart. Foi com o objetivo de avançar na compreensão dessa técnica que se conformou um grupo de estudos sob a orientação do Professor Narcisio Telles da Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Estudantes do curso de teatro da Universidade passaram a incorporar o grupo, almejando em pouco tempo colocar em prática o que estudavam.

Hoje o coletivo continua com o objetivo de colocar em prática o que estudamos; levar para o teatro questões sociais a partir do desenvolvimento de novas técnicas. O coletivo vai gradativamente alargando seu campo de atuação — afirma Narciso Telles.

O Coletivo Teatro da Margem vê o teatro como uma pedagogia de ação transformadora, quando o espectador se converte em ator e passa a dominar a discussão e feitura do seu destino ­— explica.

— O grupo se esforça para que o povo não seja apenas espectador, mas agente de transformação do que está em seu redor. Porque hoje em dia, parte da população permanece passiva para que a outra, ativa, domine — declara Nádia Yoshi.

O cotidiano do Vale em cena

O primeiro de muitos trabalhos do Coletivo foi à produção da peça Canoeiros da Alma, dirigida pelo próprio Narciso e com texto de Luiz Carlos Leite.

— O espetáculo canoeiros da Alma, foi criado a partir das sensações dos atores da visita que fizemos as municípios de Araçuai e Itinga, no vale do Jequitinhonha, aplicando os procedimentos de criação 'viewpoints'. Neste processo também tivemos uma construção coletiva com os atores de toda a estrutura dramatúrgica do espetáculo — aponta Narciso.

Foram 10 dias no Vale Jequitinhonha. Cerca de 10 pessoas foram viver com o povo do vale por alguns dias. Dormiram na casa de camponeses, foram para a beira dos rios, viram plantações, observaram concentração de riqueza por um lado e fome e miséria por outro. Dessa vivência e das sensações provocadas surgiram personagens e cenas.

Semelhante a sensação de ouvir uma contação de estórias, o espectador da peça pode observar vários aspectos da cultura do Vale, além de outras temáticas como: o problema do alcoolismo, da degradação do ser humano, o êxodo rural, a exploração do latifúndio, a resistência dos ribeirinhos, etc.

É uma peça com um figurino e cenário simples, mas que dizem muito. Além de ser inovadora e diferente dos espetáculos tradicionais.

O espetáculo — explica o grupo — pode ativar o espectador e torná-lo ator com liberdade de entrar e sair de cena em qualquer momento. Ele leva o espectador a ter opinião, e lhe dá liberdade para transformar-se em agente dentro daquilo que faz parte da sua vida. Se alguém está assistindo e resolve entrar do nosso lado, por exemplo, começamos a interagir com ele naturalmente. Se ele sair, tudo bem.

A peça foi apresentada em Belo Horizonte em um Festival Estudantil de Teatro e foi bastante aplaudida. Muitos desses espectadores, provavelmente, saíram da apresentação com o imaginário social e cultural do Vale Jequitinhonha na mente e no coração.

A difícil tarefa de fazer Teatro independente

O coletivo também pensa em questões que envolvem a política cultural em nosso país. São pessoas preocupadas com o destino das artes no Brasil, em específico no Triângulo Mineiro, principal área de atuação do CTM.

Nosso publico, ainda é basicamente de estudantes universitários. Nosso projeto é de ampliar nossas ações em bairros periféricos. De um modo geral o público do Triângulo prestigia os espetáculos. O maior problema é que a divulgação dos mesmos fica restrita a uma parcela da população. É preciso popularizar o teatro nesta região — diz Narciso.

Para o coletivo é preciso levar o teatro, a dança, as artes no geral até o povo. Contudo sabem que essa é uma tarefa difícil para os grupos independentes.

— O CTM tem o apoio da UFU (Universidade Federal de Uberlândia) e isso é fundamental. Mas diversos outros coletivos e grupos não têm, sobrevivem do próprio bolso e do amor ao teatro. É preciso construir uma nova política cultural no país, que não atenda somente aos interesses dos grandes — explica o grupo.

De volta ao vale...De volta às massas!

Difundir o espetáculo Canoeiros da Alma pelos bairros empobrecidos de Uberlândia é uma das tarefas colocadas para o grupo em 2009. A montagem de outros espetáculos também está nos planos do coletivo. E são espetáculos para serem exibidos nas ruas.

Queremos também fazer a nossa política na rua. Atualmente, o povo não tem quase mais nenhum espaço para exercer a sua cidadania, vida política, pensamento e discussão, Neste sentido, o coletivo tornou-se um local para se fazer política, e permite aos seus integrantes se manterem como seres políticos — declara Narciso.

O coletivo pretende passar mais uma temporada no Vale Jequitinhonha. Quer voltar ao convívio do povo daquela região, para assim vivenciar novas experiências e o mais importante, apresentar a peça aos ribeirinhos.


* O Viewpoints, em resumo, consiste num processo de construção atorial, reportado da dança. O trabalho funda-se na idéia do ator-criador. Por meio de um processo colaborativo com a utilização de exercícios de improvisação o intuito é alcançar uma maior percepção do espaço cênico.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro