Ocupação do Haiti é agressão imperialista

A- A A+

Imperialismo ianque e gerente Luís Inácio atuam juntos para transformar o Haiti numa plataforma de exportação de artigos produzidos com mão-de-obra escrava e semi-escrava. Enquanto isso, a resistência popular é massacrada com o respaldo da ONU.

http://www.anovademocracia.com.br/50/16a1.JPG

A ocupação militar no Haiti, liderada pelo governo do gerente Luiz Inácio, segue massacrando a população do país caribenho. Segundo organizações de "direitos humanos", inúmeras pessoas foram assassinadas e feridas pelos capacetes azuis da Minustah (Missão para Estabilização do Haiti da ONU, na sigla em francês), a partir de 2004. Desde então foram registrados massacres, torturas, estupros e outras agressões contra a população civil, sobretudo nas favelas.

O episódio mais violento foi registrado em 6 de julho de 2005, quando as forças da Minustah, com mais de 300 soldados, 18 tanques e pelo menos um helicóptero, realizou uma grande ofensiva em Cité Soleil. O alvo oficial era Dread Wilme, acusado de ser um líder de gangues. Evidências coletadas por diversos investigadores logo após a ação indicam que a Minustah foi protagonista de um enorme massacre. Dois dias depois, o general Augusto Heleno Ribeiro Pereira e o coronel Jacques Morneau afirmaram que desconheciam acidentes com civis e caracterizaram a operação como um sucesso. O coronel Morneau levantou a hipótese de que as mortes foram obra das gangues. No entanto, as provas coletadas contradizem esta afirmação e indicam que a Minustah, incluindo soldados situados no helicóptero, atiraram em civis desarmados, dentro de suas casas, destruindo-as. Cerca de 60 corpos foram encontrados.

A Minustah — que atualmente conta com aproximadamente 8.800 efetivos, 6.800 soldados e 2.000 policiais — foi destacada pouco depois da derrubada do ex-presidente Jean-Bertrand Aristide em uma revolta armada em fevereiro de 2004. A força é formada por tropas dos seguintes países: Argentina, Benin, Bolívia, Brasil, Canadá, Chade, Chile, Croácia, França, Jordânia, Nepal, Paraguai, Peru, Portugal, Turquia e Uruguai. Com 1.200 homens, o Brasil é o país com o maior número de militares e vem liderando a missão desde 2004. Entretanto, não se tem notícia de que a situação tenha melhorado de lá pra cá.

http://www.anovademocracia.com.br/50/16a2.JPG

O Haiti continua sendo o país mais pobre da América, onde 75% da população vive com menos de US$ 2 por dia e apenas a quarta parte das rodovias são pavimentadas. Com a guerra e os golpes de Estado, a indústria têxtil haitiana diminuiu cerca de 80%, mas ainda representa 10% do PIB e 68% das exportações do país. Falta energia elétrica todos os dias e cerca de 80% da população está desempregada. Pelas tabelas oficiais, uma costureira na capital, Porto Príncipe, deveria receber US$ 0,50 por hora, contra US$ 3,27 no Brasil e US$ 16,92 nos EUA.

Tropas colombianas no Haiti?

A novidade é que a Colômbia estuda enviar tropas para se juntar à Minustah, segundo noticiou o jornal colombiano El Espectador no final do ano passado. Como se sabe, as forças armadas colombianas, sob o comando do narco-presidente Álvaro Uribe, juntamente com os grupos paramilitares associados a grupos políticos de direita, estão envolvidas no assassinato de milhares de camponeses e ativistas.

No dia 25 de fevereiro de 2008 a Suprema Corte da Colômbia ordenou a prisão de dois senadores e dois deputados por entender que havia indícios de vínculos com grupos paramilitares. Os senadores Ciro Ramirez e Luiz Fernando Almario, do Partido Conservador Colombiano, e os deputados Dixon Tabasco e Pompillo Avedaño, do Partido Liberal Colombiano, se juntaram a outros 14 parlamentares na Penitenciária La Picota, em Bogotá, todos acusados de envolvimento com grupos paramilitares, que controlam determinadas comunidades, tiranizam a população local e negociam votos em períodos eleitorais. No total, são 63 congressistas envolvidos no escândalo da "para-política". A maioria desses políticos pertence à base de sustentação do presidente Álvaro Uribe.

http://www.anovademocracia.com.br/50/16a3.JPG

Esses grupos paramilitares foram reunidos sob o comando de Carlos Castaño num grupo conhecido como Autodefesas Unidas da Colômbia (AUC) e foram treinados e equipados durante décadas sob o pretexto de combater os traficantes de drogas que, segundo o USA e Uribe, têm como principais representantes no país sul-americano as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc-EP). Por outro lado, organizações populares e as próprias Farc-EP denunciam o presidente Álvaro Uribe e Washington como os maiores interessados no tráfico internacional de drogas e armas.

Esse é o tipo de gente que está cotada para reforçar as "forças de paz" no Haiti.

Interesses estrangeiros

Para além do discurso oficial da ONU, de que a Minustah é uma missão humanitária e blá-blá-blá, os fatos concretos apontam para uma intervenção em defesa da manutenção de interesses estrangeiros associados às classes dominantes locais. Prova disso é a declaração do comandante da Minustah, o general brasileiro Heleno Ribeiro Pereira, que diante de uma comissão parlamentar no Congresso Brasileiro afirmou sobre o USA, Canadá e França: "Estamos sob extrema pressão da comunidade internacional para usar a violência". Em 2004, em entrevista à Rádio Metrópole, o general afirmou: "Nós temos que matar os bandidos, não qualquer um, só os bandidos".

Bandidos, no caso, são aqueles que se opuseram e se opõem à ocupação de seu país por tropas estrangeiras. Do outro lado estão as classes dominantes haitianas, latifundiários e grandes burgueses, cerca de 3% da população, representada essencialmente pelos grandes empresários Reginald Boulos, Charles Henry Baker, Jean Claude Bajeux e Andre Apaid.

http://www.anovademocracia.com.br/50/16a4.JPG

Os interesses estrangeiros são representados sobretudo pelo USA, país que sempre acompanhou com atenção os acontecimentos e exigiu a adequação do Haiti ao receituário imperialista, subordinado aos organismos dos banqueiros internacionais. O objetivo era garantir o controle de um país estrategicamente situado entre Cuba e Venezuela. Além disso, é interessante para o governo estadunidense a criação de mais um pólo de indústrias maquiladoras, onde corporações como Nike e Adidas possam produzir seus artigos esportivos pagando um salário de fome aos trabalhadores.

— Pagam salários baixíssimos aos funcionários, que trabalham em verdadeiros campos de concentração, extremamente militarizados, para exportar produtos a preços irrisórios para o USA — denunciou Sandra Maria Quintela Lopes ao AND. Economista, formada na Universidade Federal de Alagoas e pós-graduada na Universidade de Bremen, na Alemanha, além de mestre pela Coppe (UFRJ), Sandra trabalha na Rede Jubileu Sul, entidade que luta para provar a ilegitimidade das dívidas externas e internas dos países do Hemisfério Sul. Em 2005, ela esteve em Porto Príncipe pela Missão Internacional de Investigação e Solidariedade ao Haiti.

O sub-imperialismo brasileiro

Além do imperialismo ianque, empresas brasileiras também estão se aproveitando da situação miserável a que vem sendo submetido o povo haitiano. A Construtora OAS, empresa envolvida no consórcio Linha Amarela, acusada de causar o famoso buraco do metrô, em São Paulo, que matou sete pessoas, obteve licitação de uma rodovia no Haiti por US$ 145 milhões.

Além da OAS, a empresa da família do vice-presidente brasileiro, José de Alencar, está prestes a se instalar no Haiti. A Companhia de Tecidos Norte de Minas (Coteminas) pretende utilizar o país como plataforma de exportação para o USA, aproveitando-se do Tratado de Livre Comércio (TLC) com tarifa zero entre Caribe e EUA para fugir da taxa média de 17% imposta às exportações têxteis brasileiras. Para tanto, deve convencer o congresso ianque a alterar o Hope ("Haiti Hemispheric Oportunity Trough Partnership Encourajement", cuja sigla em inglês ironicamente significa "esperança"). Criado quase junto à ocupação da Minustah, segundo o Hope, a cada 1m² de roupa feita com tecido estrangeiro para exportação ao USA, o Haiti deve usar 3m² de tecido local, do USA, ou de países que têm TLCs com os EUA.

Em 2007 a Coteminas já havia aprovado a instalação de um moinho têxtil na República Dominicana, com capacidade de produção estimada em 40 milhões de metros quadrados de jeans, para corte e confecção no Haiti, e estuda a instalação de outras fábricas na América Central e Caribe. Devido à ocupação do Haiti pela Minustah, a empresa defende ainda que os USA conceda ao Brasil, apenas no caso do Haiti, o mesmo tratamento dado a países com TLCs. Em entrevista ao jornal Valor Econômico, o atual presidente da Coteminas Josué Gomes da Silva, filho do vice-presidente da República, afirmou que "O Brasil é um reconhecido colaborador do processo de resgatar o Haiti. O país tem o direito de pleitear um tratamento preferencial".

Diante do monumental massacre imposto ao povo haitiano, Rachel Beauvoir Dominique, antropóloga, pesquisadora e professora da Universidade do Haiti, percorreu onze países para denunciar: "essa missão não é para a ajuda tão necessária ao Haiti, como na saúde, na educação e nos  elementos de desenvolvimento de um povo. É uma missão de dominação porque a população dos bairros populares são atacadas, mortos". A antropóloga enfatizou a influência do USA e lamentou a ingerência do gerente Luíz Inácio em seu país:

A embaixada americana tem uma presença enorme na política do Haiti. A embaixada americana e a embaixadora, pessoalmente, durante as seções legislativas, está presente. Assim também, nos vários ministérios, a presença da União Européia. É trágico, para nós, que a Minustah e a ONU, atualmente vimos isso muito claramente, até Kofi Hanan, são dirigidas por poderes econômicos. Estes mandam nas forças políticas e as forças políticas nos militares. Por isso, pensamos que é uma tragédia que o presidente Lula da Silva ofereça-se a essa farsa e permita aos poderes econômicos, capitalistas e imperialistas disfarçar-se de tropas brasileiras, matando o povo.

Por fim, cabe lembrar que no século XVIII, o Haiti se torna a mais próspera das colônias francesas graças aos povos africanos escravizados, que produziam açúcar, cacau e café. Logo o Haiti se torna o primeiro país latino-americano a se tornar independente, e o fez de modo muito especial. A partir de 1791, o povo negro e mulato escravizado promove sucessivas revoltas contra o exército francês, que garantia a permanência da exploração colonialista. Em 1804, o ex-escravo Toussaint Louverture lidera a revolução que tornará o país livre pela força do povo, diferentemente dos processos de independência vistos em outras nações, geralmente comandados pela burguesia. O massacre contra o povo haitiano tem entre seus objetivos inibir a força do exemplo, como assinala a economista Sandra Maria Quintela Lopes:

— Os haitianos são extremamente combativos, determinados. É preciso lembrar que o Haiti foi o primeiro país latino-americano a se tornar independente. E um detalhe muito importante: pelas mãos dos escravos. Não foi uma revolução crioula ou burguesa, foi uma revolução de escravos negros. Então, o imperialismo precisa acabar, destruir, apagar a memória desse povo combativo. Outro ponto que identificamos é o treinamento de soldados no Haiti para depois serem usados nas favelas brasileiras. Nós reparamos que os mesmos soldados que ocuparam os morros da Mangueira e da Providência, em março do ano passado, estiveram servindo no Haiti. As ruas são muito parecidas, são estreitas. Este ponto está de acordo com o que o USA quer para os países do Hemisfério Sul: que as Forças Armadas exerçam apenas a função de polícia...

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja