Tinoco do Brasil: 'Que beleza!'

A- A A+

http://www.anovademocracia.com.br/51/23a.JPGSímbolos da verdadeira música sertaneja, cantando por todo o país e para várias gerações em mais de cinquenta anos de carreira, Tonico e Tinoco mantiveram-se fiéis a autêntica música caipira, nunca fazendo concessões ou se 'modernizando' para ganhar mais dinheiro. Com vozes fortes que mexem no sentimento do povo, a dupla representa a essência do homem do campo, em canções que retratam o seu cotidiano, lendas, causos, o trabalho duro, os bailes da roça e amores, tudo com um arrastado sotaque caipira.

A carreira musical dos irmãos João Salvador Perez, o Tonico, e José Perez, o Tinoco, nascidos no meio rural no interior de São Paulo, iniciou-se na década de quarenta na Rádio Difusora Paulista, sendo seu primeiro disco gravado em 1944, com Em vez de agradecer,  um cateretê de Capitão Furtado, Jayme Martins e Aymoré.

— Somos filhos de um espanhol que veio na imigração e de uma mãe índia, o que deu uma raça boa para cantar. Dois meninos que nasceram no meio do mato virgem, em uma aldeia de índio, e foram criados sem 'folhinha', não sabendo o que era segunda ou terça-feira, mas gostavam de cantar, viraram violeiros por esse mundo afora, sem fazer nenhum projeto, tudo muito natural — fala Tinoco.

Com o falecimento de Tonico em 1994, Tinoco deu prosseguimento ao seu trabalho, fazendo dupla com o amigo Zé Paulo, e depois com o filho Tinoquinho, gravando discos com ambos. Mas desde 2001 segue cantando sozinho, tornando-se o 'Tinoco do Brasil'.

— O amor do povo é o mesmo, posso dizer que até aumentou, e que as crianças e os jovens aderiram as nossas músicas pelas mensagens que têm. Eles só faltam me carregar nos braços, e choram, e dizem que escutavam as músicas no colo do pai, da mãe, dos avós. O nosso público é de um a cem anos de idade (risos), é todo tipo de gente, e beijam, abraçam, tiram fotos e compram os discos — declara com alegria.

Os irmãos começaram a cantar ainda na década de trinta, em casa, na roça, onde quer que estivessem.

— Começamos a fazer modinhas no meio do mato, falando de jacaré, onça, macaco, enfim, fazíamos versinhos para todos os bichos que víamos. Depois mudamos para uma fazenda de café, e passamos a frequentar uma escolinha rural, aprendendo a ler e escrever e já dando aulas de noite na colônia. E passamos a cantar mais ainda, nos juntando com mais amigos — lembra Tonico.

— Juntávamos viola, violão, cavaquinho, sanfona e já fazíamos apresentações, cantando todo sábado e domingo, e não sabíamos nem o que era cobrar, queríamos só cantar, era o nosso prazer —continua.

— Tivemos uma criação bem rigorosa, de 'bença pai', 'bença mãe' até eles morrerem, depois 'pulamos' aqui para São Paulo, na década de quarenta. Em quarenta e dois apareceu um festival na rádio Difusora e nós ganhamos. Mas não tínhamos nem rádio para escutar o resultado, sendo um vizinho que gritou: 'vocês ganharam, vocês ganharam', o prêmio era três meses de experiência na rádio —diz.

Na época os irmãos ainda eram conhecidos como João e José Perez.

— No primeiro programa na rádio, o Capitão Furtado, que era sobrinho do Cornélio Pires, e um dos primeiros a descobrir duplas, falou: 'Por que você não chama Tonico?' Apontando com o dedo meio no nariz, 'e você Tinoco?' Eu falei: já estamos chamando, gostei do nome, então daí pra cá foi Tonico e Tinoco — conta.

— E já começamos a trabalhar, mas não tínhamos bagagem para ficar em uma rádio, porque éramos muito matutos, não sabíamos nem o que vinha a ser compositor. Fazíamos nossas modas de qualquer maneira, do que víamos aqui em São Paulo, as avenidas, os prédios, as pessoas, tudo a nossa volta. E fomos indo — continua.

E esses dois cantadores foram lutando pela sobrevivência na cidade grande, sem nunca perder o seu jeitão caipira.

— Conhecemos o trem e começamos a viajar nele de um lado para o outro, e eu tive a idéia de cantar nas estações, porque o programa era só aos domingos e precisávamos de dinheiro — explica.

— Nas segundas-feiras pegávamos o trem e onde ele parava, eu chegava pras pessoas e dizia: 'Vocês conhecem Tonico e Tinoco'? Eles diziam: 'Não. Já ouvi, gosto muito, mas não conheço', Eu dizia: 'É nós mesmo'. 'Ele é Tonico, eu sou o Tinoco, vamos cantar umas quatro/cinco modas pra vocês' então tinha aquela festa na estação, e eu corria o meu chapéu para pegar dinheiro para sobreviver —continua.

Ganhando fama sem perder a simplicidade

E quando chegou a hora de gravarem discos, pela sua ingenuidade, deram trabalho para a importante gravadora Continental, da época.

— A primeira gravação foi o Capitão Furtado quem preparou e deu tudo certo, mas quando fomos gravar a segunda, não avisaram para nós que tínhamos que nos afastar um pouco do microfone ou segurar a voz quando déssemos um agudo, então nós cantamos que nem lá na roça e estourou o microfone — lembra bem humorado.

— Foi um desastre, fomos expulsos da gravadora, com palavrão, saímos empurrados, bateram a porta e falaram: 'Não põe mais os pés aqui, vocês pararam a gravadora Continental'. Então tivemos que estudar, no Teatro Municipal, como é que se gravava, e só retornamos para gravar depois de uns cinco meses — diz.

— A partir daí gravamos mais de 1.500 modas, e não paramos mais. Foram décadas de Tonico e Tinoco, que o Brasil inteiro ama, e com essa comunicação que existe hoje, o mundo inteiro também. Tanto que recebo muitos telefonemas de vários países — declara.

Tonico e Tinoco passaram a viajar fazendo três/quatro  shows todos os dias, e a se envolverem também com o circo-teatro, mostrando seus números musicais e peças sertanejas. A dupla, que também participou de filmes, foi bem sucedida na história da arte brasileira autêntica no rádio, televisão, teatro e circo, sempre conquistando a simpatia e os aplausos do povo de toda parte.

— Eu queria conhecer o Rio de Janeiro, mas tinham me dito que os cariocas não gostavam de caipira. Então tinha uma festa junina no Rio, e nós mesmos nos contratamos e gostamos deles e eles de nós. Nunca tinham visto uma viola, e disseram: 'Vocês vão bater o arame aonde?' falei 'na festa de são João de vocês' — fala Tinoco.

— Começamos a trabalhar nas casas do Rio, e estivemos no Maracanãzinho participando de um festival, que não ganhamos porque era carta marcada, mas foi um sucesso, sendo aplaudidos de pé — diz.

Fazendo carreira solo, Tinoco já gravou dois cds e um DVD, de forma independente, vendendo após as suas apresentações, e o seu projeto aos 88 anos de idade é continuar trabalhando muito.

— Sempre estivemos trabalhando por amor, sem a ambição de só ganhar e ganhar, porque consideramos que a vida não é só isso. Porém Tonico e Tinoco foi uma das duplas que mais ganhou dinheiro na arte no Brasil, por causa do amor do povo. E o que nós fizemos foi viver com o que dava e usar o resto para ajudar quem precisava — declara Tinoco.

Em 2008 a família passou por uma situação difícil, emocional e financeira, com um câncer de pâncreas de sua esposa, companheira de mais de cinquenta anos.

— O tratamento é caríssimo e o plano de saúde não cobre, coisa lamentável em nosso país. Então, depois de correr hospitais e farmácia em busca de ajuda, pois cada aplicação do remédio custa cinco mil reais, resolvemos colocar um carro que temos em uma rifa. Depois disso, conseguimos a medicação, mas já tínhamos mais de duzentos números vendidos, e o sorteio acontecerá em maio —avisa José Carlos, filho e empresário de Tinoco.

— Trabalhar muito nós trabalhamos, mas quando nos encontramos diante de uma situação dessas, não tem dinheiro que dá, 'acaba com o bolso de qualquer brasileiro', e temos que apelar para algum jeito — continua.

Sempre otimista e recuperado da preocupação com o tratamento da esposa, que está bem, esse matuto que enfrentou uma dura pobreza na infância, e a ausência de seu companheiro Tonico, nunca deixa de falar no final de seus shows para a sua grande platéia: 'Que beleza!'.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja