Datas memoraveis do proletariado internacional - Março

A- A A+
Pin It

A origem do 8 de março

http://www.anovademocracia.com.br/51/21b1.jpgNa II Conferência de Mulheres Socialistas, realizada em Copenhague (Dinamarca) em agosto de 1910, a destacada dirigente comunista Clara Zetkin (foto), do Partido Social Democrata (Comunista) Alemão, propôs que se determinasse uma data a ser celebrada como o dia internacional de luta das mulheres trabalhadoras em todo o mundo.

No turbulento ano de 1917, Petrogrado, capital da Rússia, era assolada pela fome e pelas dificuldades da guerra. No dia 8 de março, uma grande mobilização de mulheres se desdobra em uma grande onda de greves e protestos populares.

Assim, após a Revolução Bolchevique, em outubro de 1917, unificou-se a data de 8 de março para celebrar o Dia Internacional da Mulher Proletária.

A celebração desta data é uma das mais fortes tradições do movimento popular e revolucionário em todo mundo e é um dos mais importantes símbolos da luta de libertação do proletariado, em particular da luta das mulheres das classes trabalhadoras e populares. É um dia marcado por reuniões, atos e protestos vanguardeados por lutadoras do povo em todos os países.

138 anos da Comuna de Paris

No dia 18 de março de 1871 deflagrou-se a primeira Revolução Proletária do mundo. O troar dos canhões anunciou aos povos do mundo a primeira experiência da ditadura do proletariado. Em toda Paris ecoava: "Viva a Comuna!".

A Comuna de Paris viveu apenas setenta e dois dias. Nesse curto espaço de tempo, varreu os escombros do velho poder. A reação da burguesia se desatou sob a forma de uma vingança sangrenta. Uma luta desigual, encarniçada, terrível, travou-se nas ruas da cidade e foi aí que o heroísmo da classe operária manifestou-se em toda a sua grandeza. Marx sentia uma admiração sem limites pelo heroísmo com que os comunardos "tomavam o céu de assalto".

A Comuna exerceu uma grande influência na luta da classe operária em todo o mundo. "Ela — disse Lênin — deu impulso ao movimento socialista em toda a Europa, mostrou a força da guerra civil... A Comuna ensinou o proletariado europeu a colocar de maneira concreta as tarefas da Revolução Socialista".

A Comuna prestou, com sua experiência, uma grande contribuição à luta revolucionária do proletariado. Demonstrou a necessidade de romper a velha máquina do Estado, evidenciou na prática a necessidade da ditadura do proletariado. Também pôs de manifesto, com toda a sua força, a necessidade da aliança dos operários com os camponeses. Demonstrou que, somente sob a direção de um partido autenticamente revolucionário, o proletariado poderá triunfar sobre seus inimigos.

87 anos da fundação do P.C.B.

http://www.anovademocracia.com.br/51/21b3.jpgNos dias 25, 26 e 27 de março de 1922 o proletariado brasileiro deu o primeiro grande passo rumo à sua organização como classe: nove delegados, representando 50 membros, reuniram-se em congresso e fundaram o Partido Comunista do Brasil, então designado PC-SBIC (Partido Comunista — Seção Brasileira da Internacional Comunista).

Surgido das lutas do nascente proletariado brasileiro e sob a influência da Revolução Bolchevique, o Partido Comunista foi fundado por quadros ainda advindos das correntes do anarco-sindicalismo. Quase imediatamente admitido na Internacional Comunista, o PC passou a percorrer um longo e tortuoso caminho para se forjar como organização de vanguarda do proletariado.

Pode-se dividir esta história em três períodos: o primeiro vai da fundação até a década de 30, é a "infância" do Partido; o segundo percorre as décadas de 30 até o final dos anos 50, período marcado por ziguezagues político-ideológicos, culminando com a consolidação do revisionismo; e o terceiro, que se inicia na década de 60, é caracterizado pela luta contra o revisionismo e se acha em curso.

65 anos de Manoel Lisboa

http://www.anovademocracia.com.br/51/21b2.jpgNo dia 21 de fevereiro completaram-se 65 anos do nascimento do dirigente comunista alagoano Manoel Lisboa de Moura. Ele foi um destacado líder estudantil, organizou lutas combativas nas escolas e universidades de Alagoas. Aos 16 anos iniciou sua militância na Juventude Comunista e pouco depois ingressou no Partido Comunista do Brasil — P.C.B. Participou do processo de Reconstrução do Partido Comunista do Brasil — PCdoB — em 62 e manteve-se em posição de combate irreconciliável contra o revisionismo e o oportunismo. Em fevereiro de 1966, juntamente com Amaro Luís Carvalho (Capivara), Emanuel Bezerra e outros dirigentes, fundou o Partido Comunista Revolucionário (PCR).

Manoel Lisboa esforçou-se por compreender a fundo a Revolução Brasileira e suas contradições principais. Deixou importante contribuição teórica ao processo revolucionário, concentrada principalmente na Carta de 12 pontos aos comunistas revolucionários afirmando que "O cerne da estratégia do proletariado e de seu Partido é o desenvolvimento da guerra popular através da guerra de guerrilhas".

Manoel Lisboa foi assassinado aos 29 anos no dia 4 de setembro de 73 pelos gorilas do gerenciamento militar-fascista juntamente com dois outros dirigentes do PCR, Emanuel Bezerra e Manoel Aleixo, o "Ventania". Manoel Lisboa foi preso em uma praça no centro de Recife quando dava assistência a uma operária. Conta-se que foi brutalmente torturado pelo famigerado delegado Fleury e que nenhuma das sevícias foi capaz de dobrar a decisão revolucionária deste grande comunista.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja