Crise mostra estrago que capitalismo causa na relação entre a cidade e o campo

A- A A+
Pin It

Até alguns meses a China capitalista vinha sendo festejada como "a fábrica do mundo", o grande e principal cliente da indústria de base dos quatro continentes, a irrefreável força motriz do crescimento econômico global. Agora, o país não apenas sucumbiu à crise generalizada do modo capitalista de produção; a relação de interdependência entre as fábricas chinesas e o mercado financeiro ianque vem agravando a cada dia o estado da indústria e do mundo do trabalho, e pode ser o fator determinante que colocará todos os países no caminho de uma grande e terrível depressão.

Este entrelaçamento venenoso do mercado interno e do déficit externo controlados a partir de Washington com a política econômica e as reservas internacionais manejadas desde Pequim resultou em uma queda brusca da demanda por produtos Made in China, resultando no fechamento em massa das fábricas de sapatos, relógios, roupas e demais bens de consumo, desaceleração repentina da economia do país e cancelamento de novos projetos industriais e de infra-estrutura.

Segundo dados do Departamento Geral de Alfândega da China, o volume de exportações do país teve queda de 17,5% em janeiro de 2009, em comparação com janeiro de 2008. É o maior declínio das exportações chinesas em mais de dez anos. O declínio das importações na comparação entre os dois períodos foi ainda maior, 43,1%, e reflete a ociosidade dos bens de capital da China, tendo em vista que a maioria do que deixou de ser importado é de matérias-primas. Na China, como em muitos outros países, este é o pior cenário econômico desde a Segunda Guerra Mundial.

Este cenário se desdobra, por exemplo, no Brasil, onde a siderúrgica Vale, ex-Vale do Rio Doce, está vendendo muito menos aço para a China, uma vez que naquelas terras distantes o ritmo de construção de novas fábricas praticamente estagnou, a produção das que existe despencaram do alto de todo seu vigor, e a construção de pontes, estradas e ferrovias já não é feita com a rapidez que exigiria uma economia ainda em franca expansão. É certo que a política do patronato daqui ou dacolá é não deixar os prejuízos passarem do chão da fábrica e chegar às taxas de lucro dos acionistas, mas o fato é que, hoje, fechar portões em Xangai significa trabalhadores indo para a rua em Minas Gerais.

O que não se pode esquecer, no entanto, é que os irmãos operários chineses são os primeiros a sofrer com toda esta situação. Eles, em especial, merecem a solidariedade dos trabalhadores de todo o mundo, porque sua realidade tem elementos agravantes muito difíceis de serem superados no curto prazo. Por anos os capitalistas de todos os cantos, chineses ou não, mascararam a situação de extrema precariedade na qual vive o povo chinês, alardeando seu entusiasmo pelo esplendor dos sucessivos PIBs de dois dígitos. Escondem a exploração e a opressão que empresas e o governo de Pequim impõe às classes populares da China desde a restauração capitalista naquele país, na década de 70, porque os grandes monopólios internacionais de alguma forma passaram a depender em grande parte do suor do proletariado chinês.

Agora, quando as demissões nos distritos industriais da China vêm alcançando números recordes, um atrás do outro, e agravando ainda mais a situação das massas, as classes populares de países como o Brasil podem observar como são imensos os desafios a serem enfrentados por lá. Por outro lado, a crise vem levando a pressão sobre os trabalhadores chineses até o limite do insuportável, e é neste mesmo momento que se pode observar também um belo exemplo de ressurreição de espírito revolucionário histórico de um povo que não foge à luta, mesmo ela tendo que ser travada contra uma burguesia internacional sanguessuga e contra um regime eminentemente assassino.

A crise atual vem deixando à mostra como é da natureza dos capitalistas tentarem manejar as massas ao seu bel prazer, aprofundando as contradições entre as cidades e o campo, em vez de buscar a superação da diferença entre a classe operária e o campesinato a fim de alcançar a cooperação mútua, como visa o comunismo.

Uma recente pesquisa revelou que, na China, 15,3% dos 130 milhões de migrantes do campo que foram trabalhar nas cidades já foram mandados embora das fábricas que não têm mais para quem vender, e até o final deste ano 25 milhões de ex-camponeses devem perder os empregos nos distritos industriais, para o qual foram empurrados por um governo alegadamente "comunista", mas cuja incumbência real é chancelar o grande capital industrial, sempre sedento de mão-de-obra barata.

Para piorar a situação desta massa de trabalhadores migrantes, o norte agrário da China está enfrentando a pior seca dos últimos 50 anos, comprometendo as colheitas e o trabalho no campo no exato instante em que milhões de chineses descartados pelo capital industrial retornam para suas aldeias natais. E para quem pensa que a falta de água nas províncias de Heban e Shanxi é uma fatalidade incontornável, um castigo a mais reservado pela mãe natureza para os trabalhadores chineses ora em dificuldades extremas, é preciso mostrar que mesmo a falta de irrigação das lavouras é mais uma consequência das políticas capitalistas.

Foi em Honan que na época da Grande Revolução Cultural Proletária o povo chinês construiu o canal da Bandeira Vermelha, com seus 1.500 quilômetros navegáveis e 462 lagos e reservatórios. Pois este grande exemplo de solidariedade socialista vem sendo desperdiçado por décadas de políticas burguesas, que, apesar da máscara comunista, favorecem o patronato urbano quando a seca impõe a racionalização da distribuição de água.

Além de fazer a política da grande burguesia, o governo de Pequim tem ainda a função não menos importante para a burguesia de tentar botar rédeas curtas em um povo com uma longa tradição combativa. O Partido Comunista da China, há tempos aparelhado por fascistas, chegou mesmo a tentar subornar trabalhadores, oferecendo 60% do salário que era pago pelos patrões de determinadas fábricas em troca do fim dos protestos. A proposta indecente foi devidamente rechaçada pelos proletários dispostos a não fugir da luta contra a opressão e a precarização generalizada que a restauração capitalista impôs ao povo chinês.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja