"Temos certeza que vamos vencer"

A- A A+
Pin It

Entrevista com Ahmed Ramadan, Presidente da Conferência Cultural Árabe Brasileira

A Conferência Cultural Árabe Brasileira foi fundada em 1982. Interrompeu suas atividades durante algum tempo retomando-as diante dos últimos acontecimentos em Gaza.

http://www.anovademocracia.com.br/51/15b.JPG
O povo palestino impõe dura derrota ao invasor fascista

AND: Como você vê o Estado de Israel?
Ahmed Ramadan: Consideramos Israel um Estado artificial. Um Estado sionista e o sionismo é uma ideologia de expansionismo, rapina e morte para todo o povo árabe. É o único país sem fronteiras no mundo, vão tomando tudo em volta de forma criminosa. Bárbaros e assassinos. O que eles criticam em Hitler, o mesmo fizeram na Palestina. Os governantes não querem que o Hamas cresça, mas o povo está do lado do Hamas.

AND: Sobre os ataques recentes, muito não se mostrou na TV. O que narram os palestinos com quem o senhor tem contato?
Primeiro Israel começou a bombardear com tanques, atacaram casas e hospitais. Depois começaram a atacar com aviões M16, em seguida com helicópteros nas áreas onde se concentravam principalmente crianças. Depois veio a aviação e as bombas de fósforo branco, que explodem no ar e queimam. Ela queima terra, contamina os lençóis de água. No sul, Israel descarregou lixo atômico enterrando toneladas de lixo nuclear na Faixa de Gaza. Bombas de fragmentação foram jogadas nas escolas, cortando as pernas das crianças. Muitas crianças estão sem pernas. Já morreram 421 crianças em menos de 2 anos. Mortos e feridos totalizam 10 mil.

AND: Mas a Resistência Palestina enfrenta duros combates e impõe derrotas ao invasor...

As tropas sionistas já perderam mais de 171 soldados, mas não querem declarar. Eles perderam 47 tanques de guerra nos arredores de Gaza. Sentiram que iria haver uma dura resistência, por isso se afastaram. Eles fracassaram.

AND: Qual é o objetivo do Hamas e do povo palestino?

O objetivo do Hamas não é matar judeus. Respeitamos as religiões, todas por igual. Somos contra o movimento sionista que é representado pelo Estado político de Israel. 18% dos palestinos são católicos. Em Gaza os católicos e os muçulmanos lutam juntos e estão representados pelo Hamas. Nossa luta não é para libertar somente a Palestina, mas todo o povo árabe. O povo árabe está sofrendo de miséria, nas prisões.

AND: O senhor fala com muita propriedade sobre a Palestina e a Resistência do seu povo, poderia nos contar um pouco de sua biografia?

Eu sou de Gaza, de um campo de refugiados. Eu brincava naquelas terras, comecei a aprender o que sei hoje naquelas terras. Ahmed Yassin, fundador e liderança inconteste do Hamas, assassinado em 2004 pelo exército sionista de Israel, foi meu professor quando eu tinha apenas oito anos. Ele nos ensinava como viver com igualdade social, nos ensinava muito. Ele nos orientava sobre a causa palestina, sobre tudo. Era um homem simples, aceitava trocar idéias. Assim foi criado o Hamas.

AND: Como o senhor vê as diferentes forças políticas na Palestina? Que papel joga o Al Fatah?
O Hamas venceu as eleições porque não tem corrupção. Os outros caíram porque são corruptos. O Al Fatah caiu porque começou a se aliar ao USA e à França e por isso caiu, porque parou de defender os interesses do povo.

Em 2006 o Hamas ganhou com 50% de vantagem nas eleições. Agora representa 87% da vontade do povo palestino, e cresceu assim por causa da igualdade social que promove e porque luta. O Al Fatah caiu, e os outros caíram porque se aliaram com o primeiro mundo e querem retirar o sangue do povo, seu interesse, sua filosofia, sua liberdade.

O Hamas não está lutando sozinho em Gaza. Além do apoio de todo o povo árabe, ainda há o Movimento Popular de Liberação da Palestina, a Frente Democrática para a Libertação da Palestina, além de outros movimentos que fazem parte da Resistência. Hoje existem principalmente seis movimentos junto do Hamas.

AND: O que o governo Hamas tem proporcionado ao povo palestino?
Em Gaza o Hamas dirige as escolas, hospitais, guia o povo palestino para o caminho certo, para voltar para sua terra. Com o Hamas melhoraram as escolas, o nível da educação. Hoje os palestinos fabricam vacinas, remédios, materiais primários como panelas, copos. Isso tudo em fábricas pequenas mesmo, ainda rudimentares. Nós temos tecelagens, estamos industrializando pequenas máquinas. O povo palestino, quando foi expulso de suas casas, não tinha roça nem fábricas, muitos foram estudar. Hoje podemos dizer que a Palestina tem o povo mais instruído do mundo árabe. 20% dos médicos árabes são palestinos. Por isso estamos desenvolvendo tecnologia, nossa mesma, não importada.

AND: E a vida do povo em Gaza, como é?
O povo vive à base da caça marítima, plantações de laranjas, verduras que os próprios palestinos plantam em seus quintais e sítios. O povo está unido. Quando as pessoas não têm dinheiro para comprar, esses produtos são distribuídos gratuitamente. Israel não deixa entrar trabalhadores palestinos e 70% da população está desempregada. A maioria vive de biscates. O povo tem fraternidade mútua, não há ganância e comercialização com os mais necessitados. Combustíveis e roupas têm que vir de fora, e isso impõem certas dificuldades.

A Palestina possui muitos lençóis subterrâneos de água. Nesse período do ano chove e, quando explodem as bombas assassinas de Israel a chuva ácida infiltra e contamina a água, que não serve mais para beber nem para plantar. Assim eles contaminam nossas terras.

Eles atacam a rede de eletricidade. Isso afeta em primeiro lugar os hospitais. Várias bombas israelenses causam problemas respiratórios e as pessoas precisam de aparelhos para sobreviver. Em segundo lugar, ela afeta toda a comunicação, as escolas, etc. Gaza está no escuro, assim como as escolas, hospitais etc. e, na verdade, o número de feridos e mortos é muito maior do que é divulgado.

AND: E quais as perspectivas do povo palestino após a fracassada ofensiva de Israel?
Temos certeza que vamos vencer. Uma vez, em uma de minhas viagens ao estrangeiro, me encontrei com um comunista na Bulgária. Ele me disse que tinha certeza que Israel vai acabar. Ele deu um exemplo que nunca esqueci, disse que uma coisa é Israel, que parece mais um poste moderno. Outra coisa é a Palestina, que é como uma árvore. Se um vendaval os atinge, o poste cai. Já a árvore se mantém firme porque possui profundas raízes.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja