Trabalhadores resistem e denunciam acordos pelego-patronais

A- A A+

http://www.anovademocracia.com.br/51/08c.jpgA cidade de Itabira, Região Metropolitana de Belo Horizonte, é o berço da Vale do Rio Doce, recentemente rebatizada como Vale. O município mineiro é carinhosamente chamado pela sua população como "cidade da poesia" por ser também a terra natal do ilustre poeta Carlos Drummond de Andrade, e é também conhecida como "cidade do ferro", reconhecida assim desde a origem do seu nome na língua tupi (ita - pedra, bira - que brilha), devido à alta concentração de minério de ferro em sua formação geológica.

E a Vale, nascida há mais de meio século no entorno de uma mina de minério de ferro de Itabira até se tornar a maior mineradora, um gigantesco monopólio privado com mais de 100 mil trabalhadores, explorações em 30 países e receita bruta de R$ 21 bilhões, iniciou uma onda massiva de demissões atingindo brutalmente o povo daquela cidade.

No fim do ano passado, a Vale anunciou a demissão de 1.300 trabalhadores, a maioria de funções administrativas. Em Itabira, 230 empregos diretos e indiretos foram cortados. Na maioria funcionários terceirizados. O comércio local paralisou as vendas e a população foi às ruas protestar.

A Vale anunciou uma proposta indecorosa, rapidamente aceita pelas centrais governistas, para que os trabalhadores recebessem metade do salário e benefícios, como assistência médica, seguro de vida, previdência complementar, cartão de alimentação, reembolso de gastos com creches, escolas e material escolar.

Dez sindicatos que representam cerca de 21.400 trabalhadores em Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, no Rio de Janeiro e no Pará assinaram prontamente o lesivo acordo.

No entanto, os trabalhadores de Itabira se recusaram em assinar a retirada dos seus direitos. A sua resistência não tardou a ser ouvida e recebeu a adesão dos seus companheiros trabalhadores da Vale em Congonhas - MG. Os dois sindicatos que representam 4.500 trabalhadores acionaram a justiça contra os termos do acordo, exigindo a manutenção dos empregos e de todos os benefícios.

"Essa discussão de crise econômica não cola, o assunto para a Vale não é dinheiro, isso ela tem de sobra", declarou o eletricista Paulo Soares de Souza, presidente do Metabase de Itabira e Região em comunicado do sindicato e acrescentou: "A questão é política: há um acordo do Roger Agnelli (presidente da Vale) com a Fiesp (Federação das Indústrias de São Paulo) para impor a flexibilização da legislação trabalhista no país. A discussão que devemos ter é política".

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Mário Lúcio de Paula
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira