O ABC da conciliação de classes: estrelando CUT e Força Sindical

A- A A+

Sob o impacto das manchetes dos jornais em todo o mundo estampando a crise colossal do sistema econômico imperialista e os pacotes bilionários anunciados pelos governos, esgotando até a última gota dos cofres públicos para tentar sanar o mal incurável do sistema capitalista, o proletariado enfrenta, na surdina, batalhas seguidas contra a exploração patronal, a imposição das políticas antioperárias pela gerência de turno e a conciliação de classes das centrais governistas que tentam a todo o custo solapar os direitos dos trabalhadores.

http://www.anovademocracia.com.br/51/08a.jpg

O que já vinha sendo tramado durante os meses de novembro e dezembro entre as cúpulas das centrais governistas e a classe patronal, vem sendo cumprido à risca. Apesar do discurso demagógico de CUT e Força Sindical, aqui e ali surgem novas notícias de acordos espúrios que resultam na redução de salários e demissões, principalmente sobre a classe operária. Em matéria veiculada pela Folha de São Paulo em 10 de janeiro último, os dirigentes da Força Sindical já haviam assumido em reunião com a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo - FIESP, que aceitariam tidas as alternativas previstas na legislação trabalhista para evitar demissões, inclusive reduções de salário e de jornada (grifo nosso). Esse foi o menu escolhido pela classe patronal e pelegos no "cardápio de alternativas" proposto por Paulo Skaf, presidente da FIESP.

Após o acordão entre Força Sindical e patrões, não se sabe se por ciúmes, a CUT se manifestou contrária, mas não tardou em fazer as pazes com a patronal, acordando a verbalmente combatida redução salarial nas metalúrgicas do ABC. Já no final do mês de janeiro, o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC (dirigido pela CUT) e as empresas Fiamm Latin America e Sogefi, autopeças de São Bernardo do Campo, selaram acordo para a redução da jornada e salarial em 15%. O mesmo se deu com o Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e Mogi das Cruzes (dirigido pela Força Sindical) e as indústrias de autopeças MWM e Valeo.

Os últimos dados divulgados em O Globo de 16/02/2009 apontam que Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e Mogi das Cruzes fechou, até aquela data, 24 acordos de redução da jornada de trabalho e dos salários. E ainda detalhou que os metalúrgicos da MTU do Brasil tiveram redução no salário de 17%; na Parker Hannifin, a redução foi de 12%; na Multek Brasil a redução foi de 10%; na Higval, os funcionários tiveram um corte de 16% nos salários; e na Metalúrgica Mauser e na Combustol Metalpó, foi reduzido em 17%.

Dez dias depois, em 26/02, O Globo voltou a publicar reportagem baseada em dados de Valor Econômico apontando que "o número de trabalhadores que teve a sua renda reduzida em função de acordos de redução de jornada e salário, licença ou suspensão temporária dos contratos praticamente triplicou em fevereiro, totalizando 90.163 pessoas, contra 31.553 em janeiro".

Os números tabulados por Valor Econômico tiveram como fonte as próprias centrais, sindicatos e indústrias e revelaram que "o total de demissões em massa (considerando os cortes de pelo menos 100 pessoas por empresa) também aumentou, totalizando 9.454 até o momento, contra 6.791 em janeiro".

A pesquisa aponta ainda que, no sul do país, mais de 20 empresas do setor metal-mecânico negociaram a redução de jornada e corte de salários, programas de demissão voluntária e suspensão de contratos de trabalho e que, desde outubro, 3,5 mil dos 200 mil metalúrgicos gaúchos perderam o emprego.

Em São Paulo, região onde se concentra o maior número de indústrias, os acordos de redução de jornada com redução de salários também se multiplicaram. Segundo os dados de Valor Econômico, até o dia 26 de fevereiro já totalizavam 20 acordos que envolveram 10,7 mil trabalhadores e, no mês de janeiro, o Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e Mogi das Cruzes fechou acordos com quatro empresas, atingindo 5,6 mil trabalhadores.

Ainda há relatos de acordos lesivos em Minas Gerais nas indústrias de Contagem e Betim e, por todo o país, onde não há demissões em massa e redução salarial, pelegos e classe patronal acertam "programas de demissão voluntária", férias coletivas com compensação de horas na volta à produção e outras modalidades mais contidas no salgado "cardápio de alternativas" anti-trabalhador.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Mário Lúcio de Paula
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira