A dita Folha e as "branduras" não ditas

A- A A+

Para o monopólio da imprensa, o regime de exceção que vigorou durante a gerência militar no Brasil foi brando. Mas o que a direita e a falsa esquerda omitem é que o objetivo central do golpe de 64 foi a total conquista do Estado brasileiro pelo imperialismo ianque e a segurança de que seus desígnios seriam cumpridos sem hesitação.

http://www.anovademocracia.com.br/51/04b.jpg

No último dia 17 de fevereiro, o reacionário jornal Folha de S. Paulo disse textualmente que a ditadura de 1964 foi branda. A classificação veio com o termo "ditabranda", que na concepção do jornal melhor caracteriza o regime de exceção brasileiro se comparado com as outras gerências militares no Cone Sul.

A atitude da Folha de S. Paulo fomentou uma onda de manifestações. Centenas de cartas foram enviadas ao jornal, milhares de pessoas subscreveram um abaixo-assinado pela internet e cerca de 400 cidadãos protestaram em frente à sede do jornal, no dia 7 de março. Entre as faixas, uma dizia "Abaixo a mídia golpista".

A Folha foi sócia da ditadura

Ao tentar amenizar a brutalidade do sistema de governo implantado no Brasil entre 1964 e 1985, a Folha não fez nada além de ser fiel a seus princípios. Como se sabe, a Folha de S. Paulo clamou pelo golpe militar de 64 para "combater o comunismo e a república sindical de Jango"; apoiou o setor "linha dura" dos generais golpistas; cedeu seus carros de reportagem para transportar os presos políticos à tortura; e foi o jornal que mais abrigou policiais dentro da redação. A empresa prosperou nas masmorras da ditadura militar.

Em entrevista ao portal de internet Viomundo, a escritora Beatriz Kushnir, autora do livro Cães de Guarda — Jornalistas e Censores, do AI-5 à Constituição de 1988, confirma a vocação reacionária do jornal da família Frias:

— A Folha nasceu para ser um jornal pra disputar o mercado com o Jornal da Tarde. (...) Após a morte de Marighela, esse jornal dá uma guinada à direita. Passa a dar informações dos órgãos de repressão como se fossem reportagens. (...) Durante anos o jornal foi completamente aparelhado pela repressão. Tanto que no livro existem várias fotos de carros da Folha queimados por militantes porque antes os militantes chegavam perto dos carros pra denunciar o que estava acontecendo, e aí saiam policiais. Por isso você tem carros da Folha sendo queimados.

O que foi a gerência militar

Entretanto, para entender o neologismo da Folha de S. Paulo é preciso compreender o que foi a gerência militar de 64. Senão, o máximo que se vai conseguir é uma onda de manifestações superficiais. O que está no bojo da derrubada do presidente João Goulart é a conquista definitiva do Estado brasileiro pelo imperialismo ianque e o domínio da economia nacional pelas suas corporações. Isto, até o momento, não foi considerado pelos que protestam de boa fé e muito menos pela falsa esquerda. Para a direita e o monopólio da imprensa, por sua vez, esta omissão é convenientemente adequada.

René Dreifuss, em seu clássico livro 1964: A Conquista do Estado — Ação Política, Poder e Golpe de Classe (Editora Vozes) demonstra claramente a intervenção estrangeira no processo democrático brasileiro.

"O capital monopolista transnacional ganhou uma posição estratégica na economia brasileira, determinando o ritmo e a direção da industrialização e estipulando a forma de expansão capitalista nacional".

O escritor revela ainda que o golpe não pertenceu apenas a grupos militares, mas contou com decisiva participação de setores civis — FIESP à frente. Outras instituições de "estudos" foram fundamentais para desenvolver uma ideologia servil aos interesses estrangeiros, como o Instituto Brasileiro de Ação Democrática (IBAD), o Conselho Nacional das Classes Produtoras (CONCLAP), a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP) e a Federation of the American Chambers of Commerce do Brasil. Com relação aos investimentos estrangeiros no IPES, o autor identifica 297 corporações dos EUA e 101 provenientes de outros países. Embora os membros do IPES negassem, o então cônsul dos USA Niles Bond disse ter certeza de que fundos estadunidenses chegavam ao IPES. Ademais, o embaixador Lincoln Gordon também atuou em favor dessas operações. Por fim, Dreifuss complementa: "Dinheiro da CIA americana também era canalizado para o IBAD" (página 223).

As empresas que lucraram

Entre os que conspiraram para o golpe que sequestrou, torturou e matou milhares de brasileiros estão: Unibanco, Esso, Souza Cruz, Mesbla, Morgan Group (que avalia o "risco-país"), Mercedes-Benz, Brascan, Texaco, Shell, IBM, O Estado de São Paulo, Organizações Globo, FIESP, TV Record, Light, Itaú, Gerdau, Votorantim, Motorola, Johnson, Nestlé, Alpargatas (que fabrica as Havaianas), Coca-Cola, Panair, Varig, Cruzeiro do Sul, Grupo Sul-América, Lojas Americanas, Kibon, Cia. Suzano de Papel, Antárctica, Brahma e Editora Saraiva.

René Dreifuss relata a criação do Grupo de Opinião Pública, que funcionava dentro do IPES e tinha como objetivo declarado manipular a opinião pública por todos os meios disponíveis. JB, Estadão e Repórter Esso são citados como colaboradores do esquema, e o general Golbery do Couto e Silva foi apelidado de Chefe Geral de Opinião Pública.

Mas nenhum outro veículo de comunicação foi tão importante para sustentar o regime de exceção quanto a TV Globo. Fundada a partir de um contrato assinado em 1962, em Nova York, entre Roberto Marinho e o Grupo Time-Life, a Globo nasce com o claro objetivo de formatar uma opinião pública que aceitasse a ditadura. É o que explica o escritor Roméro da Costa Machado, que trabalhou na Fundação Roberto Marinho por dez anos:

"O escândalo Globo/Time-Life não é meramente um caso de um sócio brasileiro (Roberto Marinho) que aceita como sócio uma empresa estrangeira (Grupo Time-Life), contra todas as leis do país. O escândalo Globo/Time-Life é mais do que isso. É antes de mais nada um suporte de mídia que visava apoiar, dar base, sustentação e consolidar a ditadura no Brasil, apoiada e supervisionada pela CIA, por exigência dos Estados Unidos, comandado por terroristas da CIA, como Vernon Walters e Joe Walach, sendo este último com emprego fixo na Globo, como "representante" do grupo Time-Life".

Não há dúvidas de que a ação do Estado, apesar de passado para mãos "civis" continua seguindo o mesmo padrão. Tanto que o modelo é o mesmo: agrário-exportador, concentrador de renda e violentamente opressor (as polícias militares estão aí para provar).

Portanto, quando a Folha de S. Paulo escreve que a ditadura brasileira foi branda, ela não faz nada mais que reiterar seu caráter de classe antipovo. Além, é claro, de reforçar a participação no golpe do monopólio da imprensa, aliado ao imperialismo, em quem não se pode confiar em absoluto.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja