Dezenas de presos políticos no campo

A- A A+
Pin It

O velho Estado nega, a justiça semifeudal criminaliza e condena. Bandos de pistoleiros, associados às forças oficiais de repressão, atuam livremente promovendo matanças e terror no campo e as celas das prisões nas áreas rurais vão ficando abarrotadas de camponeses perseguidos, torturados e esquecidos. Presos por lutar pela terra, presos por não encontrar meio de sobrevivência sob as mais cruéis e arcaicas relações de produção, presos por não se submeterem às "leis" do latifúndio, em condições sub-humanas, degradantes, revoltantes, sem direito à terra e à defesa. Basta percorrer as penitenciárias e cadeias públicas das regiões rurais para encontrar mãos calejadas e histórias parecidas. No Brasil existem centenas de camponeses presos políticos, a maioria de forma ilegal. É a política de criminalização da pobreza e da luta pela terra aplicada em todo o país.

Pernambuco

http://www.anovademocracia.com.br/52/11a.jpgFábio Paraíso da Luz (foto) foi preso há 8 meses no município de Lagoa dos Gatos, em Pernambuco, e condenado a 4 anos por porte ilegal de armas. Ele estava almoçando junto a outro companheiro da Liga dos Camponeses Pobres quando três policiais militares desceram da viatura com armas em punho para levantarem as mãos. PMs os revistaram e deram busca em toda a casa e nada encontraram, mas apareceram com um revólver acusando que a arma pertenceria a José Ricardo, dirigente da LCP. Para que o seu companheiro não fosse preso, Fábio, em um gesto de camaradagem e coragem, afirmou que aquela arma era sua.

Fábio é um jovem camponês, casado e com filhos. Desde muito participa da luta pela terra no estado de Pernambuco e por isso permanece preso. Os camponeses de Lagoa dos Gatos, Quipapá e de todo o nordeste, através da recém fundada Liga dos Camponeses Pobres do Nordeste, mantém-se mobilizados denunciando a prisão política de Fábio e lutando por sua libertação.

Em São Joaquim do Monte, agreste do Pernambuco, os camponeses Aluciano Ferreira dos Santos, Paulo Cursino Alves e Severino Alves da Silva, permanecem presos desde o mês de março sob a acusação de homicídio, após as famílias acampadas no latifúndio Jabuticaba serem ameaçadas por bandos de pistoleiros fortemente armados e reagirem. Os três camponeses continuam detidos mesmo após os exames comprovarem que não havia traços de pólvora em suas mãos, descartando a possibilidade de haverem feito disparos.

O governo estadual iniciou uma campanha de desarmamento da população rural, dando a senha para as forças de repressão promoverem massacres de camponeses sem que eles possam reagir.

Pará

No estado do Pará, que é mantido sobre constante campanha de perseguição dos camponeses pobres em luta desde a deflagração da "Operação Paz no Campo" pelo governo Ana Júlia Carepa — PT, dezenas de camponeses e lideranças encontram-se detidos. Doze camponeses que participaram da tomada do latifúndio pertencente ao grupo do banqueiro Daniel Dantas foram presos, acusados de roubo na Rodovia PA-150 no município de Eldorado dos Carajás, no sudeste paraense, acusados de porte ilegal de armas.

O poder judiciário, carranca de proa do latifúndio na campanha de criminalização do movimento camponês, incrementa os ataques.  A promotora da Vara Agrária de Castanhal na região nordeste do Pará, Ana Maria Magalhães Carvalho, encaminhou no último 5 de março à Procuradoria Geral do Estado o pedido de execução de todas as liminares de reintegração de posse de todos os latifúndios tomados em 30 áreas da região que abrange a Rodovia Belém-Brasília.

O Tribunal de Justiça do Pará aceitou recurso da Agropecuária Santa Bárbara Xinguara e concedeu mandados de reintegração de posse para que o governo estadual desocupe as duas fazendas e tire de lá as famílias camponesas.

Recentemente, o governo do Pará constituiu uma força-tarefa composta por policiais militares, bombeiros e agentes de saúde pública que atua diretamente nas ações de repressão e reintegrações de posse. No mês de março, o governo de Ana Júlia Carepa divulgou o número de 111 ordens judiciais de reintegração de posse paralisadas e cobrou rapidez nos seus julgamentos. O jornalista Josias de Sousa, da Folha de São Paulo, divulgou em seu blog no dia 7 de março que o presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Gilmar Mendes, telefonou para a governadora Ana Júlia e para o governador de Pernambuco Eduardo Campos pedindo que não meçam esforços na mobilização do aparato policial do estado contra as ações violentas do MST.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja