Um crime de Estado: o assassinato de João Goulart

A- A A+

As revelações de Jair Krischke - II

AND entrevista, em Porto Alegre, Jair Krischke, do Movimento de Justiça e Direitos Humanos (MJDH), e Christopher Goulart, advogado e neto de Jango. Documentos obtidos no Uruguai revelam que o regime de 64 temia o retorno do presidente deposto ao Brasil.

http://www.anovademocracia.com.br/52/6a1.jpg
João Goulart com o elenco da Ópera de Pequim, em 17 de agosto de 1961

O presidente João Goulart, deposto em 1964, foi assassinado no âmbito da Operação Condor. Essa é a firme convicção de sua família, expressa, em conversa com a reportagem de AND, pelo advogado Christopher Goulart, seu neto, que impulsiona, entre a família, os esforços pelo esclarecimento das circunstâncias de sua morte e pelo resgate de seu legado e de sua memória.

A certeza de Christopher tem respaldo em documentos que Jair Krischke obteve em Montevidéu, Uruguai. Atuando junto aos familiares de Jango na investigação de sua morte, Krischke teve acesso à vasta documentação sobre ele existente nos arquivos dos ministérios do Interior, da Defesa e das Relações Exteriores daquele país.

Faltam ainda, é verdade, uma prova cabal e o esclarecimento de alguns detalhes do crime. Mas todos os resultados da investigação empreendida pelo MJDH e pela família apontam nessa direção.

Tétricas "coincidências"

A causa e as razões da morte de João Goulart são objeto de uma suspeita antiga, baseada numa "coincidência" temporal interessante apontada por Jair Krischke. No mesmo ano em que ela ocorreu (1976), foram comprovadamente assassinados Zelmar Michelini e Héctor Gutiérrez Ruiz (uruguaios, ex-presidentes do senado e da câmara de seu país), Juan José Torres (general e presidente deposto da Bolívia), Carlos Prats (chileno, ex-comandante do Exército) e Orlando Letelier (chileno, ex-ministro das Relações Exteriores). Em circunstâncias mal explicadas, morreu o ex-presidente brasileiro Juscelino Kubitschek. Wilson Ferreira Aldunate (uruguaio, presidente eleito em 1971) e Andrés Pascal Allende (chileno, dirigente do Movimento de Esquerda Revolucionária) só não engrossam a lista porque escaparam por milagre de atentados contra suas vidas, tal como ocorrera no segundo semestre de 1975 (ano inicial da Operação Condor), com Bernardo Leighton (chileno, ex-vice-presidente da República). Todos eram opositores do terrorismo de Estado que adonou-se da América do Sul nos anos 70.

"1976" — lembra Krischke — "é o ano em que foi eleito o Carter nos Estados Unidos, dizendo que não ia sustentar mais essas ditaduras. Então, eles resolveram limpar o terreno e eliminar todas as personalidades que pudessem ameaçá-los, como passo prévio à abertura. É triste dizer isso, mas esses processos de redemocratização foram todos teledirigidos".

À "coincidência" no tempo, haver-se-ia que acrescentar, talvez, a coincidência no espaço: à exceção dos atentados contra Letelier (que aconteceu nos USA), Pascal Allende (na Costa Rica) e Leighton (na Itália) e da morte misteriosa de Kubitschek (em Resende, RJ), todos os crimes mencionados anteriormente aconteceram na Argentina — país onde morreu Jango.

Juntando peças

Até aí, ter-se-ia matéria-prima apenas para suspeitas — por mais fortes e fundadas que pudessem ser. O caso Jango começa a descortinar-se de maneira mais clara em 2002, a partir de revelações feitas pelo uruguaio Mario Neira Barreiro.

Preso no Rio Grande do Sul, onde cumpre pena por tráfico de armas, Barreiro procurou a imprensa e o próprio Krischke apresentando-se como ex-agente do serviço secreto uruguaio (o que o dirigente do MJDH diz não ser verdade) e dizendo ter informações sobre a morte do presidente.

Krischke é enfático ao expor suas reservas a tudo que venha dele. Ainda assim, reconhece como valiosas muitas de suas informações. "Várias das informações dele conferem. Números de telefone que ele diz que eram do Jango e que ele teria grampeado eram do Jango mesmo. Houve uma festa de aniversário do João Vicente (N do A: filho do presidente e pai de Christopher) em Maldonado na qual ele diz que estavam presentes algumas pessoas, e essas pessoas estavam realmente lá; a família confirma".

E o mais importante: "o sujeito que ele diz que teria preparado o composto químico que desencadeou o ataque cardíaco que matou o Jango, um médico forense uruguaio chamado Carlos Milles Golugoss, realmente existiu e era, de fato, médico forense (Krischke mostra ao repórter de AND o ato de nomeação de Golugoss para o cargo). E morreu em circunstâncias misteriosas: estava construindo ou reformando uma casa, resolveu subir no telhado para conferir um aspecto qualquer da obra e 'por acaso' caiu".

Fleury no Uruguai

Barreiro — conta Krischke — era radiotécnico da polícia de Montevidéu, condição na qual tinha acesso às informações que percorriam os transistores de suas viaturas e centrais. E era também membro de um grupo paramilitar de ultra-direita denominado Juventud Uruguaya de Pie (JUP), atuante no período imediatamente anterior ao golpe de Estado de 1973.

Nessa condição, esteve presente quando da montagem de outro grupo paramilitar dedicado à eliminação de militantes políticos e sindicais de esquerda, atuante entre 1971 e 1973 e vinculado à JUP, com a qual tinha integrantes em comum: o Esquadrão da Morte (EM).

O nome soa familiar ao leitor brasileiro? Pois as "coincidências" vão além. Conforme conta Krischke, o organizador do Esquadrão da Morte uruguaio foi ninguém menos que o delegado paulista Sérgio Paranhos Fleury, "estrela" da organização brasileira homônima e figura-chave na repressão à resistência armada ao regime de 64.

O envio ao Uruguai de uma figura com a importância que tinha Fleury para aquele regime evidencia o interesse do governo brasileiro pelo que se passava do outro lado da fronteira. O maior foco desse interesse era precisamente João Goulart.

Monitoramento permanente

A documentação obtida por Krischke mostra que, desde antes de sua chegada ao Uruguai até sua morte, Jango foi monitorado permanentemente pelos serviços secretos de quatro países: USA (CIA), Brasil (SNI), Uruguai e, a partir de um determinado momento (1973 ou 74), Argentina, que tinham sobre ele vastos expedientes e intercambiavam informações entre si.

O dirigente do MJDH mostra ao repórter de A Nova Democracia um cabograma da CIA (reproduzido nesta página), datado de 2 de abril de 1964, emitido em Porto Alegre, relatando a partida do presidente deposto da capital gaúcha para Montevidéu.

"Naquela época" — acrescenta Krischke — "integrava a equipe de trabalho da CIA no Uruguai o então agente Phillip Agee (N do A: Agee rompeu depois com a organização e denunciou várias de suas malfeitorias; morreu em Cuba em janeiro do ano passado) –, que conta em seu diário que, logo após o golpe, pediu — e obteve — ajuda para seguir os passos de Jango".

O cerco se fecha

A partir do golpe de Estado de 24 de março de 1976, a Argentina — país que, como conta Krischke, Jango, a partir de 1973, passara a frequentar regularmente em razão do retorno de seu amigo Perón ao poder e do golpe de Estado no Uruguai — deixa de ser um local seguro. Em agosto, seu escritório em Buenos Aires é invadido pela repressão.

João Goulart torna-se alvo de uma vigilância cada vez mais cerrada: os documentos obtidos pelo MJDH relatam mínimos detalhes de sua vida particular. A principal fonte dessas informações era uma agente infiltrada desde 1973 pelos serviços de inteligência uruguaios dentro da casa do presidente como empregada doméstica e referida nos documentos pelo codinome Margarita Suárez.

A partir das detalhadas informações fornecidas por ela, os serviços secretos que vigiavam Jango sabiam, por exemplo, que remédios ele tomava. Segundo Christopher, a hipótese mais provável é a de que seu assassinato tenha-se dado mediante a troca desses remédios pelo composto químico produzido por Golugoss, que teria induzido o ataque cardíaco que vitimou o presidente. O responsável pela adulteração, segundo Barreiro, teria sido Héctor Rodríguez, um agente argentino.

Krischke acrescenta, ainda, outro dado: a fazenda onde Goulart morreu situa-se na província argentina de Corrientes, que faz fronteira com o Brasil. Em 2007, com o testemunho do dirigente do MJDH, foram condenados à prisão na Argentina o general Cristino Nicolaides — figura-chave da usina de assassinatos e torturas posta em marcha pela ditadura de 76 — e sete de seus colaboradores. Durante o processo, um deles relatou a existência de bases binacionais do terrorismo de Estado, operadas conjuntamente por brasileiros e argentinos. Uma dessas bases — à qual estavam vinculados Suárez e Rodríguez — situava-se na cidade de Paso de los Libres, Corrientes, fronteira com o Brasil.

Profícuo exílio

http://www.anovademocracia.com.br/52/6a2.jpg
Jango em visita ao líder chinês Chu en Lai

Das muitas informações que os documentos obtidos por Krischke contêm sobre Jango, as mais interessantes não se referem a sua morte, mas ao que ele fez enquanto viveu.

"O inimigo" - escreve Alejandra Rojas em sua biografia de Salvador Allende, Una Época en Blanco y Negro — "tem uma estranha vocação para a homenagem". Graças à infame espionagem de que foi alvo o exilado João Goulart, os brasileiros podem vê-lo hoje em sua real dimensão: a de um político progressista que exerceu sua opção nacionalista-democrática de forma muito mais radical do que poderiam sugerir sua única atuação pública (a Frente Ampla, efêmera aliança sem substância ideológica que envolvia até o arquirreacionário Carlos Lacerda) e sua fotografia mais conhecida (na qual brinca com o filho e uma ovelha na estância de Corrientes como se estivesse de férias).

Os relatórios reservados sobre Goulart mostram, ao contrário disso, um homem que cultivava relações políticas e comerciais com regimes e lideranças progressistas de três continentes, usava seu prestígio em prol de revolucionários em desgraça e desenvolvia uma firme atuação antiimperialista.

Os documentos do Serviço de Inteligência do Ministério da Defesa uruguaio relatam, por exemplo, a compra por Jango, em 1965, de dois hotéis que ele destinou a abrigar exilados brasileiros que chegavam ao Uruguai. No mesmo ano, ofereceu uma substancial ajuda financeira ao Fidel (Frente Izquierda de Liberación), coalizão uruguaia de esquerda. Em 1966, teria se reunido com militantes uruguaios de esquerda para organizar um ato contra a presença, naquele país, do então secretário-assistente do Departamento de Estado do USA para a América Latina, Lincoln Gordon — que, como embaixador no Brasil, organizara o golpe de 1964.

O uso do verbo no futuro do pretérito na última frase deve-se às reticências de Krischke quanto à veracidade dessa e de algumas outras informações, que atribui à tentativa dos serviços brasileiros de prejudicar Jango diante do Estado uruguaio. Sua intensa atuação política (clandestina, já que proibida aos asilados), porém, é fato acima de qualquer controvérsia.

O presidente não hesitou nem mesmo em manter como seu piloto particular, quando o Uruguai já se encontrava sob regime de exceção, um tupamaro (Ruben Rivero). Quando Rivero foi preso, em 1972, Goulart passou a ajudar financeiramente sua família, o que fez até morrer.

Quando do retorno de Perón ao poder na Argentina, em 1973, intensifica suas atividades. Um documento da Direção Nacional de Informação e Inteligência da Polícia de Montevidéu, datado de outubro daquele ano, relata a intervenção de Goulart junto ao governo argentino em favor de um grupo de brasileiros que chegara a Buenos Aires vindo do Chile e suas reuniões com Michelini, Torres e o ex-senador uruguaio Enrique Erro.

Durante o breve terceiro governo de Perón (1973-74), Jango atua como intermediário comercial entre a Argentina e vários países da África e Ásia. Destes, os documentos destacam os que mais temor infundiam, na época, ao imperialismo estadunidense: a Líbia de Khadafi, a Argélia da FLN e a China revolucionária dirigida por Mao Tsetung. Ainda em 1974, um documento do serviço reservado do Exército uruguaio menciona-o como "comprometido com a subversão no Brasil".

"Você já imaginou o que acontece se o João Goulart volta ao Brasil? Ele seria eleito presidente. E aí? Quais seriam as consequências disso?" — indaga Jair Krischke. Fossem quais fossem, o regime de 64 as temia: Krischke mostra ao repórter relatórios diários do SNI, datados de fins de 1976, sobre os planos de retorno do presidente deposto ao país.

É na vida de João Goulart — naquilo que tem de mais elogiável — que encontra-se a explicação de sua morte. Jango era muito mais temido pelo regime de 64 e por suas forças de sustentação interna e externa do que a falsa imagem de passividade que recai sobre sua figura (e que, a bem da verdade, ele próprio ajudou a construir ao não opor resistência ao golpe) poderia dar a entender. Para que o país descesse ainda mais à condição semicolonial que é hoje foi que o depuseram, e para isso foi também que o mataram doze anos depois.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja