Opíniões - 52

A- A A+

Ruptura e aprendizado após a Greve Nacional de Petroleiros

A greve nacional dos petroleiros, deflagrada de 23 a 27 de Março de 2009, trouxe importantes lições aos trabalhadores frente à prática oportunista de sua direção sindical majoritária, governista, encabeçada pela Federação Única dos Petroleiros — FUP/CUT, que a todo custo tentou impedir a greve, além da truculência da Petrobrás, que também tentou sob diversas formas impedir que o movimento obtivesse sucesso.

Os petroleiros aprenderam com essa greve que precisam demarcar a linha entre as classes opostas no processo de produção. Aprenderam que não é possível conciliar com o discurso dos oportunistas de que "com o governo de um metalúrgico, ex-sindicalista, a Petrobras passa a ser então uma empresa democrática". Entenderam que o patrão é aquele que busca garantir seu lucro mediante a exploração de seus empregados e dessa forma usa de todos os meios para garanti-lo. E foi isso que a Petrobras fez, exercendo todo tipo de pressão: intimidou trabalhadores, mandou seus gerentes terem ataques de ira no meio de assembléias, distribuindo baixarias e ameaças de demissão, impôs cárcere privado a vários trabalhadores, inventou uma série de mentiras e impetrou diversos Interditos Proibitórios na justiça contra os trabalhadores e os sindicatos.

Os trabalhadores reivindicavam melhorias das condições de segurança, exigindo uma nova política da Petrobras de modo a dar fim às mortes no local de trabalho, pagamento dobrado dos dias de trabalho em feriados tal como estabelece a CLT e o pagamento da Participação nos Lucros e Resultados (PLR) num valor compatível com o lucro recorde de 36 bilhões de reais da companhia em 2008, bem como fim das demissões de trabalhadores terceirizados pelas "gatas", ocorridas sob alegação dos efeitos da crise econômica.

A luta, encampada combativamente pelos trabalhadores, em todos os momentos teve que atropelar a resistência dos pelegos, que não organizam comandos de greve, não promovem preparação para as mobilizações e quando elas acontecem, promovem um verdadeiro plano de desmobilização para que a greve acabe no tempo previamente estabelecido, mesmo que isso custe aceitar qualquer proposta e até mesmo não haver garantias de não-punições.

Nas diversas unidades de trabalho pelo país, os petroleiros espontaneamente têm organizado reuniões e plenárias de base, para fazer o balanço geral e local da greve, tomando com isso lições para movimentos futuros. Em todas elas foi afirmada a disposição de luta contra os desmandos da Petrobras e a crítica contundente da ação oportunista "despreparada" dos dirigentes das FUP, bem como contra o golpe orquestrado ao fim do movimento.

Grupo de Luta dos Petroleiros
Norte Fluminense



Camelô amigo


Fim do fim do mês, naqueles dias em que o mês continua e o salário termina. Nada de mais, no dia seguinte receberia. Pago então a passagem com uma nota de cinco reais e mais duas moedas de dez pra facilitar. Três reais então é o que coloco no bolso. Ao olhar para a moeda de um real, logo penso na balinha do camelô e reparo que se comprar, meu dinheiro não será suficiente para a passagem do dia seguinte. Peguei um livro na mochila e me pus a ler. O camelô entra no ônibus e eu nem quis olhá-lo, aquela resignação de perder minha corriqueira distração nas duas horas de viagem de Copacabana ao Méier no tal horário de pico. E mesmo por isso não pude guardar na memória com precisão as primeiras palavras do vendedor amigo. Mas de repente o discurso muda e ganha a atenção de todos. Talvez só faltasse a minha.

— Todos os dias o camelô vem trazendo doces, bombons e balas, mas hoje o camelô não esta aqui para trabalhar, pois o prefeito do Rio, recém eleito, instaurou um regime de terror que tem por nome Choque de Ordem e vem causando uma desordem na vida do povo pobre. Um grupo de criminosos organizados com o nome de guarda municipal roubou minhas balas penduradas nesse gancho — nesse momento reparo o gancho vazio — por isso o camelô hoje não vem trabalhar, vem pedir a ajuda e a colaboração de todos para que amanhã eu possa novamente vender aquelas balinhas que alegram a sua viagem, porque agora parece que roubar virou lei e trabalhar virou crime.

Tocado por aquelas palavras, saquei a nota de dois reais que estava no meu bolso e sem pensar entreguei ao amigo camelô.

Severino Almeida
Rio de Janeiro



Conquistar a terra


É glorioso ver nas páginas do jornal AND as notícias provenientes do campo, que desmascaram a "reforma agrária" de Luiz Inácio com a crescente luta camponesa. São milhares de homens, mulheres e crianças, famílias inteiras unidas, lutando pelo direito a terra para plantar, para morar e criar seus filhos. E como temos acompanhado através das edições anteriores, esta luta é muito difícil, mas está condenada a vitória por sua organização, decisão e principalmente pela produção. Viva a luta combativa dos camponeses pobres e que suas bandeiras vermelhas tremulem cada vez mais por todas as áreas de campo do nosso país!

Atenciosamente,

Letícia Cruciol
São Paulo

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja