Luiz Inácio ajuda a reforçar FMI

A- A A+

Na quinta-feira dia 2 de abril as bolsas de valores de todo o mundo fecharam seus pregões em forte alta. O motivo foi que financistas, investidores e especuladores de toda sorte ficaram eufóricos com o resultado da cúpula do G20, realizada em Londres naquela mesma data, e que reforçou o papel que cabe ao Fundo Monetário Internacional enquanto braço financeiro do imperialismo, o de capataz do capital monopolista transnacional e carrasco do mundo do trabalho.

http://www.anovademocracia.com.br/53/16a-FMI.jpg

Em tempos de capital agonizante, o tamanho do incremento explica o entusiasmo que tomou conta dos mercados de ações. Os membros do G20 acertaram a quadruplicação da dotação orçamentária do FMI. Trata-se de US$ 1 trilhão de reforço de caixa, arrecadado a título de urgência para ajudar os países pobres a tirar o pé da lama. Só que a grana já tem destino certo: vai para a banca. Os diferentes Estados dominados pela burguesia estão tomando dinheiro emprestado junto ao fundo para que as grandes empresas financeiras, credoras umas das outras, possam saldar suas dívidas recíprocas.

Esta é a verdadeira razão da ascensão do G20 em aparente detrimento do G7. Não estamos assistindo à emergência de uma nova ordem mundial, como a mídia burguesa tenta fazer crer. O que ocorre é que os países imperialistas vêm determinando aos seus entrepostos em nações como Brasil e Índia que coloquem a riqueza produzida por seus trabalhadores à disposição do que for decidido pelos gerentes do grande capital internacional. É o prejuízo dos ricos sendo dividido com os pobres, tudo sob o jogo de cena do compartilhamento de poder.

O reforço do FMI com dinheiro brasileiro, por exemplo, é o desenlace óbvio desta artimanha. Uma trapaça avalizada por Luiz Inácio, que saiu comemorando como se o fato de sua gerência colocar o equivalente a US$ 4,5 bilhões de dinheiro do Brasil sob as ordens do fundo fosse uma grande ironia da história, motivo de orgulho para a nação.

Além de socializar o ônus da banca, a injeção trilionária feita no FMI tem ainda o objetivo de garantir que a solução temporária da crise se dê sobre as bases que interessam ao imperialismo, visando controlar as economias de modo irreversível. Querem que o sistema financeiro internacional não apenas volte a ser o que era antes, mas que fique ainda mais fortalecido e onipresente.

Busca-se desesperadamente a superação da crise, mas também se aproveitam dela para dar a largada em mais uma rodada de precarização do trabalho, de austeridade e desregulamentações nos países ora com as finanças em frangalhos, a fim de limpar o caminho para que os especuladores e os monopólios façam a festa. Algo nos moldes do que foi feito em toda a América Latina a partir da década de 1980.

México, Colômbia, Hungria, Sérvia e Tanzânia já aderiram à linha de empréstimos do FMI criada no âmbito da gestão da crise econômica, o chamado Crédito Flexível, que de flexível nada tem. Segundo a ladainha do fundo, os bilhões estão lá, à disposição de quem estiver com a corda no pescoço, sem condições, sem exigências, sem contrapartidas. Mentira. A gerência da Letônia também implicou o país na tal flexibilidade alardeada pelo fundo, e logo depois decretou um drástico corte no orçamento do país e reduziu os salários dos funcionários públicos em 10%.

Instrumento de rapina

O acerto entre o FMI e o governo do México é o maior da história do fundo, envolvendo US$ 47 bilhões. Tudo leva a crer que o padecimento dos trabalhadores mexicanos será proporcional à quantia astronômica que será usada para socorrer o capital bancário agonizandte, seja o nacional, seja o estrangeiro que opera no país. A gerência de direita que dá as cartas na Polônia já anunciou que também vai aderir ao Crédito Flexível. E assim as elites oportunistas locais vão penhorando os povos dos quatro cantos do mundo para salvar a riqueza dos capitalistas.

Comandado pelo imperialismo ianque, o FMI continua impondo a cartilha do racionamento, apesar de o USA gastar à vontade e acumular um dívida US$ 4 trilhões que jamais irão pagar. A previsão do próprio fundo é que os países ricos do G20 estarão endividados em 100% do seu PIB somado em 2010. É o desespero dos poderosos, que tentam resolver a crise da dívida com mais dívida. Enquanto isso, os pobres do mundo só podem ficar devendo a um único credor: o Fundo Monetário Internacional, que existe fundamentalmente para garantir que todas as outras dívidas do mundo, mesmo as de natureza fraudulenta, serão pagas com o maior rigor.

Enquanto isso, as outras instituições internacionais do capital financeiro vão sendo acionadas, uma a uma, para também desempenharem seus papéis na estratégia por trás da articulação em torno do G20. No final de abril, o Banco Mundial defendeu a concessão de US$ 20 bilhões aos países africanos mais afetados pela crise. A intenção declarada é evitar que 700 mil crianças morram antes de alcançarem um ano de idade. A intenção verdadeira é salvar os negócios que grandes instituições financeiras ianques e européias têm na África.

Por seu turno, a Organização Mundial do Comércio anunciou que está comprometida a ressuscitar a Rodada de Doha, em busca de maior liberalização das transações comerciais a nível global. O objetivo, claro, é acabar com o que resta de proteção aduaneira à sanha predatória das transnacionais nas semicolônias, tendo em vista que os países ricos da OCDE cada vez mais se fecham com muros protecionistas.

No fim das contas, o papel do FMI, do Banco Mundial e da OMC continua o mesmo, ainda que reforçado em razão da crise capitalista. Eles estão encarregados de manter e aprofundar as condições para que as relações econômicas continuem a ser utilizadas pelo imperialismo como instrumento de rapina, comprometendo a autonomia decisória dos povos pela via do direito comercial burguês, e reforçando o poder do dólar e a dependência do mundo frente a moeda do USA.

Os demagogos e o monopólio internacional dos meios de comunicação se encarregam de manter as pessoas ignorantes a respeito da natureza antidemocrática de toda esta dinâmica financeira. É preciso desmenti-los, e deixar claro para que vai servir o dinheiro que Luiz Inácio entregou de bandeja para os algozes dos povos do mundo.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja