Pernambuco: mais lenha na fogueira da Revolução Agrária

Mais de 800 camponeses celebraram no último 26 de abril o corte do antigo latifúndio Riachão, no município de Lagoa dos Gatos – PE.

http://www.anovademocracia.com.br/53/10d.JPG
Camponeses celebram fim do latifúndio

Quem chegava à área passava pelo caminho marcado com dezenas de bandeiras vermelhas da Liga dos Camponeses Pobres que conduziam os convidados para a festa da Revolução Agrária. A conquista das terras do Riachão é fruto de seis anos de lutas. A entrega dos títulos de posse dos lotes foi feita durante a Assembléia do Poder Popular, sob uma saraivada de fogos de artifício. 67 famílias camponesas receberam suas parcelas de terra e outras três recebem a autorização da Assembléia do Poder Popular e do Comitê de Defesa da Revolução Agrária para cultivarem na área coletiva.

Os jovens do acampamento apresentam a peça de teatro: "A vida de Ricardo", em homenagem ao líder camponês José Ricardo Rodrigues, falecido em um acidente de motocicleta em agosto do ano passado. 

Camponeses estragam festa do latifúndio em Catende

No último mês de março o Ministério Público do Trabalho determinou que a Usina Catende pagasse os salários atrasados de seus 2.700 trabalhadores, que há mais de um ano vêm sendo vítimas de calotes e enrolações. A Vara do Trabalho de Catende estipulou uma multa de R$ 50 mil para cada dia de atraso nos pagamentos caso a determinação não fosse cumprida. Provas coletadas durante a inspeção do Ministério Público na usina indicaram que a "Cooperativa Harmonia" entregava uma cesta básica de R$ 105,35 (menos de ¼ do salário mínimo) aos trabalhadores a cada 15 dias.

http://www.anovademocracia.com.br/53/10c-catende.jpg
Bandeiras vermelhas marcavam o trajeto para a festa do corte

No dia 14 de abril, o Ministério Público compareceu novamente à Usina para cobrar o cumprimento da determinação que vinha sendo desrespeitada pela cooperativa. Oferecer cestas básicas ao invés do salário é apenas uma das várias irregularidades cometidas pela Usina Catende. Além desse desrespeito, os trabalhadores denunciam que a Usina "demite funcionários sem fazer o acerto, enquanto diretores da Cooperativa enriquecem de maneira ilícita, comprando fazendas, ônibus e carros de luxo", conforme anunciou nota da Liga dos Camponeses Pobres veiculada durante a incursão do Ministério Público em abril último.

Na ocasião da visita dos representantes do MP, a LCP organizou um protesto e denunciou os crimes da Usina contra os trabalhadores convocando o povo de Catende a lutar contra a exploração e a miséria. Durante o protesto, enquanto os camponeses agitavam suas bandeiras e palavras de ordem, eram respondidos pelos operários da Usina de punhos erguidos.

Enquanto operários e camponeses confraternizavam-se em aliança e luta, representantes do MST e da Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado de Pernambuco – FETAPE (organizações que dirigem a cooperativa capitalista Harmonia), com seus advogados à tiracolo tentavam explicar o calote no pagamento dos direitos dos trabalhadores. 

A LCP ainda denunciou que mais de 3 mil pessoas, beneficiários do Projeto de Assentamento Miguel Arraes, também foram lesados pela cooperativa, tendo sido obrigadas a assinar um projeto de investimento e fomento. Dessa forma eles se comprometeram a dar dinheiro do próprio bolso para a cooperativa Harmonia. No frigir dos ovos, as dívidas que a Usina Catende vinha acumulando ao longo dos anos passaram a figurar no nome dos trabalhadores e o dinheiro que a Usina amealhou dos "cooperados" (algo próximo dos R$ 60 milhões) foi para os bolsos dos gestores da cooperativa.

Assim a aliança operário-camponesa estragou os planos de calote da cooperativa capitalista.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza