Greve Geral na USP - A maior universidade pública do país em luta

A- A A+
Pin It

Uma assembléia com mais de 1000 estudantes decidiu pela greve em 4 de junho para responder a ações da reitoria e exigir a retirada imediata da Polícia Militar do campus, contra a implementação da UNIVESP (Universidade Virtual do Estado de São Paulo) e quer a destituição da reitora Suely para a convocação de eleições diretas. Essas reivindicações somam-se às dos funcionários em greve desde o dia 5. Em um esforço conjunto, os professores também decretaram greve no dia 4.

http://www.anovademocracia.com.br/54/12a.jpgDesde abril os estudantes estão mobilizados contra o ensino a distância e uma campanha de repressão desencadeada pela reitoria a partir da histórica ocupação de 2007. A UNIVESP terá ingresso de alunos já no segundo semestre de 2009.

O movimento entre os estudantes cresceu a cada assembléia. No último dia 25 de maio, em função da intransigência do Conselho de Reitores das Estaduais Paulistas (CRUESP), estudantes e funcionários ocuparam o prédio da reitoria da universidade. A reitoria insistia em não aceitar a participação do dirigente sindical Claudionor Brandão e das entidades nacionais Andes (Sindicato Nacional dos Docentes) e Fasubra (Federação dos Sindicatos das Universidades Brasileiras) e limitar a participação da representação estudantil a apenas um membro por DCE na negociação.

As assembléias estudantis e de servidores consideraram legítima a ocupação diante da intransigência da reitora.

Oportunistas são contra a luta

Segundo Alessandro, estudante de Pedagogia, participante ativo das mobilizações e membro do MEPR (Movimento Estudantil Popular Revolucionário), "o DCE dirigido por PSTU e apoiado pelo PSOL apesar de não se posicionar frontalmente contra a greve, tentaram sabotá-la e freá-la."

— A todo o momento tentaram esfriar os ânimos do movimento e impedir a deflagração da greve — salientou Alessandro.

No dia 27 de maio, os servidores organizaram um piquete que paralisou novamente o funcionamento da reitoria, agora com a aprovação dos funcionários do setor que aderiram à greve.

Na manhã de 1º de junho, 200 oficiais da polícia da Força Tática (Choque), armados com cassetetes, armas de fogo de grosso calibre, escudos, bombas de efeito moral e sem identificação, bloquearam as entradas em 10 pontos no campus enquanto a reitoria afirmava demagogicamente que "sempre privilegiou o diálogo com as entidades de classe da Universidade".

Esse ato da reitora demonstra a falta de democracia que atinge não apenas a USP, como também as demais universidades e é reflexo da farsa de democracia no nosso país. Aqui na USP estudantes, funcionários e professores estão firmes em uma greve que avança não só exigindo o fim da ocupação militar como também para construir uma universidade democrática que sirva aos interesses de nosso povo — afirma veementemente Alessandro.

Estudantes de Pedagogia já haviam decidido pela paralisação de uma semana como preparação para a greve geral. A polícia no campus foi o detonador que faltava para esquentar os ânimos. Diante desse quadro, estudantes de História, na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas também decretaram greve, seguidos pela Geografia, o curso noturno de Letras e a Escola de Comunicação e Artes. Também já estavam em greve a UNESP da cidade de Marília, a Faculdade de Educação e o IFCH (Instituto de Filosofia e Ciências Humanas) da UNICAMP, já que as negociações desde o início da greve de funcionários são entre o Fórum das Seis (entidade que reúne representantes dos professores, funcionários e estudantes das universidades estaduais paulistas — USP, UNICAMP e UNESP) e o Conselho de Reitores dessas universidades.

Docentes da USP também declaram greve

Os professores realizaram uma assembléia extraordinária dia 4 de junho e decidiram entrar em greve por considerar que a adesão é fundamental para a defesa da universidade pública.

A pauta de reivindicações da greve é contra a presença da PM no campus, pela reabertura imediata das negociações com o Fórum das Seis, por uma efetiva política de permanência estudantil, contra as perseguições políticas na universidade e pela anulação da decisão do Conselho Universitário relativa à mudança da carreira docente. Reivindicam aumento salarial da inflação (6,1%) e reposição de 10% relativos às perdas históricas.

Greve de servidores completa um mês

http://www.anovademocracia.com.br/54/12b.JPGDesde o dia cinco de maio os funcionários da USP estão em greve. Durante toda a greve, não houve um dia sem assembléia, atos e atividades nas unidades. Segundo o SINTUSP (Sindicato dos trabalhadores da USP), a adesão é de 70%.

Foi em meio a esse quadro de piquetes e mobilizações que a reitoria colocou a Polícia Militar dentro do campus.

— A reitora atirou para acertar nos funcionários, mas acertou em todo mundo. A polícia não entra no campus desde a ditadura militar, e isso é um retrocesso brutal. Nenhum outro reitor havia feito isso. Existe aqui certo consenso democrático, de respeito às instituições, à USP enquanto centro de produção do conhecimento e isso tudo é atingido com a presença da PM e gera uma mobilização, indignação e revolta de todo mundo, inclusive de setores que não tem tradição de participar de luta — afirma Fernando, membro do comando de greve e funcionário da Faculdade de Educação.

O resultado foi a greve de estudantes e professores unificados no primeiro ponto de pauta: "Fora PM do campus!".

Outras reivindicações

As reivindicações antigas seguem vigentes, principalmente a da readmissão de Claudionor Brandão, funcionário há 21 anos, membro da diretoria do SINTUSP — Sindicato dos Trabalhadores da USP e eleito pelos funcionários para integrar o Conselho Universitário.

Brandão foi demitido por justa causa dia 9 de dezembro de 2008 acusado de colocar em risco o patrimônio da Universidade e desacatar o diretor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo — FAU. Essa é a conclusão de um processo da direção da Faculdade sobre um fato ocorrido em 2005.

— O diretor da FAU agia em clara coação para que os servidores não participassem da greve decidida pela categoria. Ele decidiu que ia manter a biblioteca aberta. Junto com diretores do Sindicato reunimos os funcionários da FAU que, por unanimidade, decidiram que a biblioteca devia ser fechada. Foi formada uma comissão, da qual eu fazia parte, e nos dirigimos à biblioteca, junto com algumas dezenas de funcionários para conversar com os poucos trabalhadores que ainda estavam lá sob coação do diretor. Todo o resto é pura provocação e invenção — conta Brandão.

Outros diretores do SINTUSP também estão sofrendo processos administrativos. A reitoria encaminhou processos de sindicância e inquérito policial contra funcionários e quarenta estudantes devido à ocupação de 2007 e estipulou uma multa ao sindicato e ao DCE no valor de R$ 346.000,00 atribuída a danos ao patrimônio público na greve de 2007. O SINTUSP exige a retirada de todos os processos como também da multa em suas reivindicações.

Hoje há 5.214 funcionários que trabalham sem ter feito concurso desde 1988. O Tribunal de Contas disse que houve irregularidades na contratação e o governo do estado anunciou 8.893 vagas para um futuro concurso. O SINTUSP quer a legalização de todos os contratos e que o concurso só seja válido para as novas contratações.

Os trabalhadores reivindicam ainda a incorporação de R$ 200,00 mais a reposição salarial de 42% referente às perdas acumuladas desde 1989 e o fim do sistema de carreira.

Praça de guerra*

Os estudantes e funcionários chegaram ao portão 1 e ficaram cara a cara com os policiais militares, na altura da Avenida Alvarenga. Estimo cerca de 1200 pessoas nesta manifestação.

Nesse momento iniciava a assembléia dos docentes da USP. No decorrer da assembléia, chegaram relatos que a tropa de choque havia agredido os estudantes e funcionários e que se iniciava um tumulto de grandes proporções. A assembléia foi suspensa e saímos para a avenida Luciano Gualberto para ver o que estava acontecendo.

Quando chegamos na altura do gramado, havia uma multidão de centenas de pessoas, a maioria estudantes correndo e a tropa de choque avançando e lançando bombas de concusão (falsamente chamadas de 'efeito moral' porque soltam estilhaços e machucam bastante) e de gás lacrimogêneo. A multidão subiu correndo até o prédio da História/ Geografia, onde a assembléia havia sido interrompida e começou a chover bombas no estacionamento e entrada do prédio.

Dezenas de nossos colegas começaram a passar mal devido aos efeitos do gás (...) todos com os olhos inchados e vermelhos e tontos pelo efeito do gás. A multidão de cerca de 400 ou 500 pessoas ficou acuada neste edifício cercada pela polícia e 4 helicópteros.

Durante cerca de uma hora, pelo menos, se ouviu a explosão de bombas e o cheiro de gás invadia o prédio. (...)

Depois (...) recebi notícia que meu colega Thomás Haddad havia descido até a reitoria para pedir bom senso ao chefe da tropa e foi recebido com gás de pimenta e passava muito mal.

(...) Vi vários estudantes que haviam sido espancados ou se machucado com as bombas de concusão (inclusive meu colega, professor Jorge Machado).

(...) A situação é gravíssima. Hoje me envergonho da nossa universidade ser dirigida por uma reitora que, alertada dos riscos (eu mesmo a alertei em reunião na última sexta-feira), autorizou que essa barbárie acontecesse num campus universitário.

*Trechos de um relato dramático do Professor Doutor Pablo Ortellado, da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da USP publicado na internet por celsolungaretti-orebate.blogspot.com sobre a ação truculenta da PM no dia 9 de junho.

A resistência

Enquanto chegavam ao professor Pablo os informes sobre a repressão e as baixas de estudantes e professores presos ou feridos, na frente de batalha, principalmente os estudantes organizaram a resistência contra a invasão da PM. Com palavras de ordem, faixas e cartazes, denunciaram enquanto puderam a presença da tropa na Universidade e, quando a PM passou à ofensiva com disparos de balas de borracha, spray de pimenta e bombas, os estudantes responderam com pedras.

As imagens da TV, na cobertura ao vivo do confronto, mostraram as barricadas de mesas e cadeiras construídas durante os enfrentamentos e o aparato de guerra da polícia com dezenas de motocicletas e viaturas.

Diante do truculento aparato policial, os manifestantes recuaram para o interior da universidade e organizaram a denúncia repercutindo as imagens e relatos da invasão da PM na Universidade de São Paulo, algo que não ocorria desde o gerenciamento militar fascista.

Diário da greve na USP

5 de maio
Os funcionários deflagram a greve reivindicando 16% de reajuste além da reposição da inflação dos últimos 12 meses mais 10% de reposição de perdas anteriores e a incorporação de R$ 200 ao salário.

http://www.anovademocracia.com.br/54/12c.jpg
Reitoria ocupada

25 de maio
Dezenas de alunos ocuparam o prédio da reitoria.
As contradições com a reitoria se avolumaram quando ela tentou restringir a participação de representantes de professores, funcionários e estudantes e vetou a presença do dirigente sindical Claudionor Brandão na reunião do CRUESP com representantes do "Fórum das Seis".

Durante todo o dia 27
São postas em ação atividades coordenadas da greve: assembléia, piquetes e fechamento da reitoria. A reitoria pede reintegração de posse e aciona a PM.

http://www.anovademocracia.com.br/54/12d.jpg
Estudantes fecham a rua

Na madrugada do dia 1º de junho
200 soldados do 16º Batalhão da Polícia Militar invadiram o campus da USP para reprimir as mobilizações e piquetes da greve.

Manhã do dia 1º de junho
Os funcionários da Universidade de São Paulo decidiram manter a greve. A decisão foi unânime.

http://www.anovademocracia.com.br/54/12e.jpg
Assembléia de funcionários decide greve

2 de junho
Os estudantes do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da UNICAMP — IFCH aprovaram greve contra a Univesp, pela contratação de professores, apoio à greve da Apeoesp e servidores de Campinas e entre outras bandeiras, a solidariedade aos estudantes, professores e funcionários, e repúdio à invasão policial na USP.

Na tarde do dia 4 de junho
Os estudantes realizaram um protesto que fechou a Rua Alvarenga, próxima à portaria 1 da Universidade, bloqueando o trânsito.

Ainda no dia 4
Os estudantes de vários cursos decidiram, em assembléia, deflagrar greve contra invasão da PM no campus e contra educação à distância (Univesp) e pela deposição da atual reitora, por eleições diretas já.

http://www.anovademocracia.com.br/54/12f.jpg
Claudionor Brandão: dirigente sindical

5 de junho
Docentes da USP iniciam greve por tempo indeterminado
A principal reivindicação dos professores é a saída da Polícia Militar da Universidade seguida da retomada dos debates sobre o reajuste e a anulação da decisão do Conselho Universitário relativa à mudança da carreira docente.

No dia 9 de junho
Confronto entre policiais e estudantes, funcionários
Os enfrentamentos se prolongaram durante todo o final da tarde e os estudantes se concentraram no interior da Universidade construindo barricadas com mesas e cadeiras.
Durante o confronto foram presos os manifestantes Celso Luciano Alves da Silva, José Ailton Dutra Junior e o dirigente sindical Claudionor Brandão.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja