14 anos da heróica resistência de Corumbiara

A- A A+

No dia 9 de agosto de 1995, na cidade de Corumbiara – RO, um bando composto por policiais militares pertencentes ao 3º Batalhão de Vilhena e ao Comando de Operações Especiais associados a pistoleiros, todos a soldo do latifúndio, preparavam-se para executar um massacre sobre as famílias camponesas que haviam tomado o latifúndio Santa Elina.
Mas, contrariando o propósito assassino do latifúndio, o que encontraram em Santa Elina foi uma feroz e heróica resistência camponesa.
Do contrário, um banho de sangue teria ocorrido.

http://www.anovademocracia.com.br/55/22a2.jpg
Santa Elina, 1995

Na madrugada de 9 de agosto de 1995, as 600 famílias acampadas na fazenda Santa Elina foram surpreendidas pela invasão policial e dos pistoleiros que cercaram o acampamento. A ação sanguinária comandada pelo latifúndio e com a total conivência do governo estadual, que à época tinha como gerente Valdir Raupp (PMDB).

O acampamento foi atacado com bombas de gás e armas de grosso calibre. Mulheres foram utilizadas por policiais e pistoleiros como escudos. Os acampados organizaram a retirada e internaram-se na mata.

Homens, mulheres, velhos e crianças foram presos e espancados. Várias pessoas foram friamente assassinadas, não permitindo que se pudesse saber exatamente quantos camponeses foram mortos. Relatos de camponeses contam que homens caídos feridos e sem condições de reagir foram executados por policiais e pistoleiros.

Um campo de futebol próximo ao acampamento foi transformado em centro de torturas, uma espécie de campo de concentração, onde policiais encapuzados seviciaram camponeses, assassinaram a sangue frio, realizaram barbaridades indescritíveis, como partir o crânio de um camponês e obrigar um outro a comer a massa cerebral espalhada no chão.

Os números da ação genocida contam 11 camponeses assassinados (esse é apenas o número oficial, os camponeses denunciam números muito superiores). Entre os mortos, a pequena Vanessa, 7 anos de idade, executada com um tiro pelas costas. Vanessa tornou-se um símbolo nacional da resistência de Santa Elina. Além da matança, foram contabilizados 7 desaparecidos, mais de 200 camponeses com graves sequelas físicas e psicológicas que perduram até os dias de hoje, muitos deles com balas alojadas no corpo. Outros faleceram com o passar do tempo em decorrência de doenças causadas pelos espancamentos e torturas.

Toda a ação dos policiais e pistoleiros, assim como a resistência dos camponeses, foi documentada pela imprensa e teve imediata repercussão nacional e internacional.

O número de mortes só não foi maior devido à heróica resistência das famílias de Santa Elina com paus, pedras e ferramentas de trabalho e suas velhas espingardas de caça.

Os responsáveis pelo ataque, torturas e assassinatos dos camponeses de Santa Elina, o latifundiário e coronel da reserva Antenor Duarte do Valle e os comandantes da PM José Hélio Cysneiro Pachá, Mauro Ronaldo Flores Correia e Vitório Regis Mena Mendes não foram punidos, sendo inclusive promovidos.

http://www.anovademocracia.com.br/55/22a1.jpg
Santa Elina, 1995

Apenas Vitório Regis Mena Mendes foi condenado, mas aguarda em liberdade a conclusão do processo em instâncias superiores. Valdir Raupp foi eleito senador pelo PMDB, partido da base aliada da gerência Luiz Inácio. O gerente de turno do velho Estado burguês-latifundiário, Luiz Inácio, que nos anos 90 posava de "oposição", visitou Santa Elina logo após a ação do latifúndio, prometeu justiça e "se fosse eleito...". O latifundiário Antenor sequer foi citado no processo.

Após a matança promovida pelos policiais e pistoleiros, a justiça do latifúndio cometeu o absurdo de condenar dois camponeses pela morte de policiais, sendo que o camponês Cícero permaneceu meses detido e até o ano passado cumpria pena em regime aberto.

Recentemente, a Corte Interamericana de Justiça da OEA – Organização dos Estados Americanos, decidiu que o governo brasileiro deve pagar as indenizações às famílias, reconhecendo que o massacre contra os camponeses foi uma operação de guerra em tempos de paz. Até hoje, nenhuma indenização foi paga.

Prestes a completarem-se 14 anos da resistência de Corumbiara, as famílias remanescentes daquela luta permanecem, organizadas pelo Comitê de Defesa das Vítimas de Santa Elina – CODEVISE, lutando pela punição dos assassinos e torturadores; pelo direito a indenização para as famílias de Santa Elina; pelas terras e pelo corte fazenda.

Retomada da histórica Santa Elina

A Liga dos Camponeses Pobres, organização classista e combativa dos camponeses pobres, fruto da resistência de Santa Elina, reatando o fio histórico que deu a sua própria origem, estabeleceu como questão de primeira ordem a luta pela indenização das vítimas de Corumbiara e pela retomada e corte da fazenda Santa Elina.

A decisão foi firmemente cumprida em maio do ano passado por dezenas de famílias camponesas, entre elas várias participantes da luta de 1995, que retomaram as terras da fazenda Santa Elina e vêm resistindo, lutando e produzindo. Apesar das investidas de bandos de pistoleiros na tentativa de expulsar as famílias, as mesmas permanecem em uma área daquelas mesmas terras onde se desenrolou a heróica resistência.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja