Enxoval de camponês

A- A A+

http://www.anovademocracia.com.br/55/20a2.jpg

Gerolino cultivava a roça, lutava com seus companheiros.

Gerolino é um brasileiro, um camponês de Rondônia, da Amazônia Ocidental.

E como tantos camponeses, Gerolino se aproximou e empunhou uma bandeira.

A bandeira da Liga dos Camponeses Pobres de Rondônia.

Foi em um 9 de setembro, no ano de 2007, um bando de policiais e pistoleiros invadiu suas terras, a terra dos camponeses.

Presos e torturados, tratados como bandidos, seus companheiros foram levados para a masmorra semifeudal, o famigerado Presídio Urso Branco, em Porto Velho, capital de Rondônia.

Queriam saber quem era o líder, mas na Liga não há delator.

Os delatores são traidores, morrem mil vezes antes de morrer.

Com a saúde debilitada, Gerolino vai para o hospital.

Sete dias internado, acorrentado em uma cadeira, sob constante vigilância de policiais.

Disso tudo a justiça do latifúndio é capaz.

Pneumonia, hepatite, erisipela e anemia, todas elas enfrentou, sem poder ser visitado.

Depois também para o Urso Branco, uma sequência de crimes e desmandos.

Disseram que iam soltá-lo, mas transportaram para o Incra.

Novos interrogatórios. Queriam saber de armas.

Às perguntas respondia:

— "Quem tem armas são os pistoleiros, comigo só encontraram a foice, a enxada e o machado".

A Liga e apoiadores fizeram um reboliço, uma grande mobilização, o fato se espalhou.

http://www.anovademocracia.com.br/55/20a1.jpgDepois de muita injustiça, luta e resistência, libertaram Gerolino.

Livre das algemas e novamente junto aos seus, Gerolino foi tratar da saúde, se restabelecer para a luta.

Contou sua história em congressos, reuniões e seminários.

Contou do seu calvário, da tortura e da cadeia, da resistência dos camponeses.

Contou de sua roça, destruída por seis vezes.

Relatou que na sua prisão tomaram suas ferramentas, ameaçaram de morte.

Afirmava convicto:

— "Somente morto mesmo, para sair de minha terra".

Assim passaram-se os dias, as semanas e os meses.

Ficou acolhido pelos operários, que tanto apóiam os camponeses.

Seu tratamento encerrou, a saúde recuperada.

Aprontou-se para a viagem, de volta pra terra amada.

Mas antes de se despedir, pensou: "Como voltar para a luta?".

Numa reunião de operários, decidiu pedir um apoio para voltar à labuta.

Explicou suas necessidades, nada de mais, apenas o necessário para recomeçar a vida.

Um companheiro pediu: "Podemos ajudar, faça uma lista".

Lona para barraco, foice, enxada e um machado.

Rede para dormir e uma cesta básica.

Vasilhames para cozinha e sementes de verduras.

Tudo o que um camponês precisa, para lutar, plantar e colher.

Pois lá ele tem a Liga, e o básico para viver.

Tem aos operários, os seus aliados, e tantos outros amigos.

Companheiros de luta, com quem não teme perigos.

Que pensaria uma madame, um latifundiário ou um burguês?

Se tudo perdesse na vida e se visse sem nada de vez?

Eis uma lição de um homem do povo, simples e sem mesquinhez.

A lição de uma nova moral.

Um enxoval de camponês.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja