Revolta popular confronta o Estado policial

Mais uma série de revoltas contra instituições e forças de repressão do velho Estado revelam toda a podridão do poder da grande burguesia e do latifúndio.

Canavieiras - BA

A população revoltada destruiu a delegacia de Canavieiras, 559 km de Salvador, no dia 19 de junho.

A revolta popular foi motivada pelo assassinato de um motoboy conhecido como "Neguinho". Ao tomar conhecimento da prisão dos três homens que mataram o motoboy para roubar a sua moto, a massa revoltada se dirigiu à delegacia com bombas e rojões.

A delegacia teve todos os seus vidros e parte do telhado destruídos.

Serrano do Maranhão - MA

http://www.anovademocracia.com.br/55/11a4.jpg  http://www.anovademocracia.com.br/55/11a3.jpg
Delegacia foi destruída no Maranhão

Moradores de Serrano do Maranhão, a cerca de 500 quilômetros de São Luís, invadiram e incendiaram a delegacia da cidade na manhã do dia 18 de junho.

A revolta de Serrano do Maranhão ocorreu após a prisão de um homem que havia atirado contra um comerciante.

 A população da cidade ficou revoltada e cercou a casa do atirador para linchá-lo, o que só não ocorreu porque a polícia o retirou de casa pouco antes. Uma grande manifestação popular se dirigiu à delegacia, colocou fogo nos móveis e destruiu todo o prédio.

São Paulo

Rebelião em Heliópolis acua repressão policial

http://www.anovademocracia.com.br/55/11a2.jpg
Revolta em Heliópolis

No início da noite do dia 9 de julho, policiais do ROCAM — Rondas Ostensivas com Apoio de Motocicletas — do 46º Batalhão, perseguiam dois homens em uma moto pelas ruas da favela de Heliópolis, na zona sul de São Paulo, quando um dos tiros disparados pelos policiais acertou a menina Tainá de Costa Alves, de 8 anos. A bala entrou na axila direita de Tainá e saiu pelo peito.

Graças a vizinhos, a menina foi operada e sobreviveu, visto que, além de serem apontados como autores do disparo, os PMs também foram acusados por moradores de fugirem sem socorrer Tainá e ainda espancar um dos suspeitos que estava sendo perseguido.

— Logo depois que eles acertaram a menina, pegaram um dos moleques que estava na moto e começaram a espancar ele com socos, chutes e coronhadas, na frente de todo mundo — afirmou o líder comunitário José Geraldo.

— O rapaz que estava sendo perseguido dirigia a moto sem capacete, mas foi só. Agora infração de trânsito se combate com balas? É um absurdo. Semana passada, duas pessoas foram mortas numa quermesse da comunidade. Agora, mais baleados — completou.

Os policiais foram encurralados pela massa em fúria e pediram o reforço de homens da Força Tática da ROTA — Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar — além de um helicóptero. Bombas de gás lacrimogêneo, balas de borracha e spray de pimenta foram usados pela PM contra os manifestantes.

O povo revoltado tomou as chaves da motocicleta de um dos policiais, um capacete e um par de algemas.

José Geraldo de Paula, liderança popular local e membro da União de Núcleos, Associações e Sociedades dos Moradores de Heliópolis e São João Clímaco, negociou com o major da PM Wanderlei Rodrigues os termos para a devolução das chaves mediante a saída dos policiais.

Mais uma vez o povo cumpre sua palavra com honra e as chaves da moto foram entregues ao major, mas a PM não cumpriu sua palavra, sitiando Heliópolis. A polícia permaneceu cercando o morro, dando buscas.

— A polícia nem socorro prestou, ficou preocupada com a moto, com a chave da moto, falou que teríamos que dar conta da  chave da moto, porque senão ninguém iria dormir na favela a noite  — protestou Genivaldo Alves, Pai de Tainá.

Heliópolis é mais uma comprovação de que o povo não pode confiar uma vírgula, um pingo que seja, no velho Estado.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin