USP: lições dos 57 dias de greve

A- A A+

No dia 30 de junho, após 57 dias de greve, funcionários e professores da Universidade de São Paulo decidiram voltar ao trabalho. Os estudantes, no entanto, mantiveram sua paralisação, mesmo com a capitulação da direção do DCE.

http://www.anovademocracia.com.br/55/10a1.jpgA greve da USP foi deflagrada pelo Sindicato dos Trabalhadores da USP — Sintusp no dia 05 de maio e se estendeu por todos os setores com adesão de milhares de pessoas, entre ativistas e apoiadores. Suas ações estenderam-se desde atividades de propaganda e agitação com colagem de cartazes até assembléias com mais de mil alunos.

As reivindicações dos três setores (funcionários, professores e estudantes) tinham como principal ponto de unidade a exigência do fim da ocupação militar no campus. As demais bandeiras eram a readmissão de Claudionor Brandão — funcionário demitido por sua postura combativa e intensa atuação política na mobilização e organização dos trabalhadores da Universidade —; 16% de reajuste salarial para funcionários e professores — além da incorporação de R$ 200 ao salário —; contra a implementação da Univesp (Universidade Virtual do Estado de São Paulo) — que representa uma das principais medidas do Reuni (implementado pela gerência Luiz Inácio) —; e a democratização da Universidade, incluindo a formulação de um novo estatuto e a saída da atual reitora Suely Vilela de seu cargo.

Números e fatos marcantes

Os números dessa última greve são a comprovação do amadurecimento da organização e mobilização dos professores, funcionários e estudantes na maior universidade pública do Brasil e o aprofundamento das contradições nas instituições de ensino superior públicas, revelando mais claramente como a gerência de turno tentará aplicar a ferro e fogo as medidas anti-povo na universidade semicolonial, com intervenções militares e valendo-se de prepostos reacionários nas reitorias.

  • Durante todos os dias, foram organizados piquetes em diversas unidades, ampliando ainda mais a participação na greve que chegou a atingir 80% dos funcionários segundo o Sintusp — Sindicato dos trabalhadores da USP. Mesmo com as ameaças e a repressão policial, as manifestações se multiplicaram, demonstrando grande disposição dos funcionários em levar até o fim suas reivindicações.
  • Na tentativa de esvaziar e intimidar o movimento, a reitora Suely Vilela fez um pedido de reintegração de posse em 27 de maio, alegando que os piquetes impediam o funcionamento e o acesso aos prédios. A PM invadiu e ocupou o campus durante vários dias.
  • Houve um confronto entre a força tática e os manifestantes no dia 09 de junho. A PM usou bombas de efeito moral e disparos de balas de borracha, o que ao invés de esfriar os ânimos, revoltou toda a sociedade e ampliou a pauta de reivindicações exigindo democracia na USP.
  • O movimento não se restringiu ao campus do Butantã. A greve influenciou outros movimentos no estado de São Paulo e repercutiu em todo o país. UNICAMP e dois campi da Unesp também deflagraram greves levantando as mesmas reivindicações da USP. A paralisação dos funcionários atingiu 9 campi das universidades estaduais paulistas. Além da UNICAMP, os estudantes fizeram greves nos campi da Unesp de Marília, Assis e Rio Claro.
  • O monopólio dos meios de comunicação não poupou editoriais, artigos de opinião e matérias tentando diminuir, descaracterizar ou criminalizar o movimento para impedir a sua disseminação. Foram várias as ocasiões em que esses veículos de imprensa da burguesia foram escorraçados de assembléias de estudantes, onde foram proibidos de fazer filmagens.
  • Apesar do oportunismo, que tentou frear o movimento durante todo o processo, a greve atingiu quase a totalidade dos funcionários e boa parcela dos estudantes e professores, unidos sob uma mesma bandeira: a democratização da universidade. Foram realizados diversos atos e manifestações, inclusive fora do campus.
  • A radicalização do movimento, resultado da intransigência da reitoria, foi a resposta à repressão desencadeada pela PM. Mesmo com a cobertura deturpada do monopólio da imprensa, as imagens publicadas falaram mais que mil palavras das páginas reacionárias dos jornais da burguesia. Apesar dos pesares, todo o país pôde perceber que aquele movimento tratava-se de uma resistência amplamente organizada. Através de blogs na Internet, muitas pessoas puderam acompanhar dia a dia o desenrolar das ações e compreender a justeza da greve.
  • Após a histórica ocupação da reitoria da USP durante 51 dias em 2007, esta nova greve representou um salto para altos patamares de mobilização da comunidade acadêmica. Uma grande manifestação em frente à faculdade de direito no Largo de São Francisco no centro da capital contou com cerca de 5 mil pessoas e foi uma das maiores manifestações unificadas da história das universidades estaduais paulistas.
  • O vil papel do oportunismo

    http://www.anovademocracia.com.br/55/10a2.jpg

    — Com quase dois meses de luta, a continuidade da greve foi barrada pela capitulação da direção daqueles que compõe o Fórum das Seis (reunião das entidades representantes dos professores, funcionários e do conselho de reitores da USP, UNICAMP e UNESP) — asseverou Alessandro Santos, estudante da USP e militante do Movimento Estudantil Popular Revolucionário (MEPR).

    Acatando as orientações do Fórum das seis, o Sintusp e a Adusp — Associação dos docentes da USP — abandonaram a greve, mesmo não alcançando as principais reivindicações.

    O acordo para o fim da greve prevê 6,05% de reajuste (valor proposto pela reitoria desde o início das negociações), aumento de R$ 80,00 no vale-alimentação, suspensão do plano de carreira imposto pela reitoria e o projeto-lei que garante estabilidade aos mais de cinco mil funcionários cujas vagas eram questionadas pelo TCE. Além da garantia de não punição pela participação na greve e de que os dias parados não serão descontados mediante o cumprimento dos trabalhos em atraso.

    O Sintusp, em sua página na internet confirmou: "É verdade que a pauta salarial não ultrapassou os 6,05% iniciais propostos pela reitoria, que se manteve intransigente até o final das negociações. Também não conseguimos a reintegração de Brandão, ponto definido como 'prioridade zero' por ampla maioria dos trabalhadores desde o começo da mobilização e que se manteve até a votação final".

    Breques oportunistas

    http://www.anovademocracia.com.br/55/10a3.jpg
    Assembléias e protestos marcaram todo o período da greve

    — Quando os professores e estudantes deflagraram greve, já em 05 de julho, a greve dos funcionários completava um mês. A direção dos DCEs, particularmente na USP e UNICAMP, frearam a deflagração da greve estudantil até a proximidade das férias, o que dificultou a mobilização e massificação da luta com a maior presença estudantil — afirmou Alessandro.

    Ao defender o fim da greve com apenas alguns pontos secundários da pauta atendidos, a direção do Fórum das Seis e as direções dos DCEs omitiram propositalmente que fatos como a saída da polícia do campus só ocorreu porque os piquetes foram desativados; omitiram que na última etapa da greve 15 estudantes foram intimados para depor sobre a greve de 2007 e que, apesar de o ensino à distância agora estar em debate, a implementação da Univesp não foi barrada, mas apenas adiada.

    São indícios claros do oportunismo da direção dessas entidades. Ao contrário de avançar nos enfrentamentos, na mobilização e na resistência contra a aplicação das medidas anti-povo na universidade, as direções oportunistas conduziram a massa a dar um passo atrás, abandonar a mobilização e aceitar o desfecho imposto pela reitoria.

    http://www.anovademocracia.com.br/55/10.jpg
    Assembléias e protestos marcaram todo o período da greve

     — No final das contas, não foi com moções de repúdio e conversas com a reitora que estudantes, funcionários e professores historicamente conquistaram seus direitos. Os estudantes ainda prolongaram a sua greve, mobilizados em torno da exigência de renúncia da reitora Suely Vilela e da revogação da resolução do Conselho Universitário que permite a entrada da PM no campus. No entanto é difícil manter uma greve organizada, quando a direção do DCE, contrário à greve desde antes de seu início, usa todo tipo de artifício para frear o movimento — pontuou Alessandro Santos.

    Além dos fatos citados, há ainda o caso dos professores que, na esperança de barrar o plano de carreira (sua principal reivindicação) na justiça, somente iniciaram a greve após a ocupação militar.

     — A principal conclusão que tenho tirado das reuniões e balanços, seja nos meios estudantis ou entre professores e funcionários, é de que necessitamos, em todos os setores: funcionários, estudantes e professores, articular cada vez mais nossas bandeiras unificadas, construir um programa único de democratização da universidade e construir uma Greve Geral para pressionar e fazer frente aos reitores e às políticas do governo — disse o estudante.

    — Ao contrário de uma fábrica, onde a paralisação significa prejuízo para a patronal, com perda de produção, em uma universidade pública normalmente os "prejudicados" com a greve são os estudantes, com perdas de aulas e o governo não é atingido imediatamente. Por isso, sem ocupar as reitorias e impedir o funcionamento burocrático administrativo é praticamente impossível atingir os objetivos. A capitulação encabeçada pelas direções dos DCEs da USP e Unicamp dirigidos por PSTU e Psol, fez com que o movimento não levasse à frente a ocupação da reitoria ocorrida dia 25 de maio e foi preponderante para que a ampliação da greve geral fosse tardia. Uma greve sem ocupação não consegue pressionar a reitora e o governo de maneira suficiente para que eles atendam às nossas reivindicações — concluiu Alessandro Santos.

    Edição impressa

    Endereços

    Jornal A Nova Democracia
    Editora Aimberê

    Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
    São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
    Tel.: (21) 2256-6303
    E-mail: anovademocracia@gmail.com

    Comitê de apoio em Belo Horizonte
    Rua Tamoios nº 900 sala 7
    Tel.: (31) 3656-0850

    Comitê de Apoio em São Paulo
    Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
    Reuniões semanais de apoiadores
    toda segunda-feira, às 18:45

    Seja um apoiador você também!

    Expediente

    Diretor Geral 
    Fausto Arruda

    Editor-chefe 
    Mário Lúcio de Paula
    Jornalista Profissional
    14332/MG

    Conselho Editorial 
    Alípio de Freitas
    Fausto Arruda
    José Maria Oliveira
    José Ramos Tinhorão 
    José Ricardo Prieto
    Henrique Júdice
    Hugo RC Souza
    Mário Lúcio de Paula
    Matheus Magioli
    Montezuma Cruz
    Paulo Amaral 
    Rosana Bond

    Redação 
    Ellan Lustosa
    Mário Lúcio de Paula
    Patrick Granja