Salve-se quem puder

A- A A+

De há muito temos advertido: manter a quase totalidade das reservas em títulos norte-americanos custará muito caro ao Brasil, sem falar na China e na Rússia, que acumularam ainda maior quantidade desses títulos.

http://www.anovademocracia.com.br/55/4a-.jpgPara o Brasil seria mais fácil liquidá-los enquanto não perdessem a maior parte do valor nominal. De fato, sendo, no caso, menor o volume que o daqueles países, as primeiras vendas não desencadeariam desvalorização tão grande dos títulos.

Há dificuldade crescente de o Tesouro dos EUA conseguir compradores para a maior parte dos títulos que precisa emitir a fim de:

1cobrir o crescente serviço da dívida federal;

2continuar investindo no poderio militar imperial;

3adquirir trilhões de dólares de títulos podres, como os derivativos, limpando os balanços de bancos que deveriam falir;

4comprar ações desses bancos e de empresas industriais, sem, incrivelmente, assumir o controle.

A dívida federal chegou a US$ 11,5 trilhões em 30 de junho, tendo-se elevado em US$ 2 trilhões nos últimos 12 meses. O déficit federal dos EUA aproxima-se de US$ 2 trilhões, e diante das perspectivas de insolvência e de inflação, tem subido a taxa de juros, especialmente nos títulos de médio e longo prazo, o que, por sua vez, eleva o déficit.

Assim, parte crescente dos rombos tem sido "fechada" com emissões de moeda pelo FED, o banco central dos EUA, de propriedade de grandes bancos privados, os causadores do colapso financeiro, com que, de resto, lucraram ao criar os títulos podres.

Forma-se a hiperinflação, que só não se manifestou ainda nos preços de bens e serviços devido ao declínio da procura por causa da depressão.

O déficit cresce também com a queda da arrecadação fiscal, devido ao declínio da atividade econômica e do emprego. Com 467 mil demissões em junho de 2009, acumulam-se quase 7 milhões de novos desempregados desde dezembro de 2007, sem incluir o setor agrícola. A taxa de desemprego chegou a 9,5%, tendo quase dobrado desde junho de 2007.

Tal como numa República bananeira, ou pior, o Secretário do Tesouro, Geithner, apela aos bancos socorridos com dinheiro público, para que ajudem o governo a cobrir o déficit, adquirindo seus títulos. Espera que o presidente faça alguns telefonemas neste sentido: "comprem nossos títulos, ou a música vai parar".

Ou seja:para dar dinheiro a bancos privados (cerca de U$ 12 trilhões até o presente), o Tesouro dos EUA emite títulos públicos1, pagando juros, e pede aos bancos que, com o dinheiro, comprem esses títulos, sobre os quais eles ganharão juros.

É algo semelhante ao que se faz, há muito tempo, no Brasil, sendo as diferenças:

1o nível absurdamente alto das taxas de juros no Brasil;

2 não ser aqui o Banco Central privado, embora esteja igualmente a serviço dos bancos. Nos EUA o FED é privado, desde dezembro de 1913.

Desenlace próximo

Ao contrário do que propalam os economistas "bem comportados" e a grande mídia, os apuros dos bancos, principalmente nos EUA e na Europa, tendem a ressurgir de modo ainda mais intenso do que nos dois primeiros anos do colapso financeiro. Assim, o FED emitirá moeda em quantidades ainda mais espantosas do que já tem feito, para cobrir os novos rombos.

A propósito, os grandes bancos — que mandam no governo — têm usado o dinheiro que escandalosamente receberam dele, para fomentar novas bolhas, especulando em ações e na securitização, i.e., na criação de títulos, em que são empacotadas dívidas de empréstimos, inclusive referentes a novas hipotecas, e de cartões de crédito.

Tudo isso leva à mesma conclusão: não haverá, dentro de pouco tempo, mais como conter o afundamento do dólar, que vinha sendo evitado com a ajuda de grandes detentores estrangeiros de títulos estadunidenses.

Golpe mundial

Esse é o pano de fundo, oculto nos grandes meios de comunicação, das manobras da oligarquia anglo-americana para estabelecer a moeda internacional única. Isso significa consolidar e tornar mais absoluto o governo mundial, que já vem sendo exercido de fato por aquela oligarquia em grande número de países de todos os continentes.

Por incrível que pareça, a oligarquia aumenta sua concentração de poder não só nas conjunturas de produção em alta, mas também — e mais ainda — nas crises. As dinastias do poder real têm historicamente suscitado os colapsos financeiros e as depressões, para intensificar a concentração e para fortalecer-se institucionalmente.

Com crise aguda em 1907, os senadores e representantes ligados à oligarquia obtiveram no Congresso dos EUA a criação de Comissão Monetária Nacional supostamente para disciplinar o sistema financeiro.

A partir daí o grupo de grandes banqueiros norte-americanos e britânicos fez aprovar, de modo turvo, pelo Congresso, na calada das vésperas do Natal, a criação do Federal Reserve Bureau (o FED), imediatamente sancionada em lei, de 23 de dezembro de 1913, pelo presidente Woodrow Wilson, entrosado com a conspiração.

Esse foi o golpe inconstitucional que fez usurpar do governo dos EUA o poder de controlar a moeda e o crédito, em favor de um cartel de banqueiros privados. Foi precedido de intensa campanha, com a "justificativa" de que era necessário controlar o sistema financeiro em face dos abusos ocorridos em várias depressões desde 1873.

E o que está acontecendo agora nos EUA? O presidente Obama propõe plano para conceder ao FED, que é privado e não presta contas a ninguém, poderes totais de fiscalização e controle sobre os bancos e sobre toda a economia norte-americana.

As regras propostas garantem ao FED autoridade para regulamentar qualquer companhia cuja atividade lhe pareça ameaçar a economia e os mercados. O analista Harry Schultz traduz: "qualquer empresa que ‘ameace’ os interesses monopolistas dos banqueiros".

Assinalam P. Joseph e S. Watson: "A reforma de regulamentação de Obama não passa de luz verde para que o cartel de bancos privados assuma por completo o controle dos EUA, usurpando os poderes das instituições de regulamentação existentes, as quais estão sendo recriminadas em face da crise financeira, a fim de transferir esses poderes para o todo poderoso FED".

"O governo deseja entregar tudo a uma corporação privada monolítica,a um bando de banqueiros que engoliram dinheiro dos contribuintes em quantia quase igual ao PIB e que estão dando uma banana à pergunta de para onde foi esse dinheiro".


* Adriano Benayon é Doutor em Economia. Autor de "Globalização versus Desenvolvimento", editora Escrituras. Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. 

1 Claro que a maior parte daquele dinheiro foi arranjado com a emissão de moeda, privilégio pertencente ao FED, junto com os ganhos dele decorrentes.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja