Podre é todo o sistema e seus agentes

http://www.anovademocracia.com.br/55/03b.jpg

Aquilo que a imprensa dos monopólios chama de crise do Senado é tão somente mais um evento resultante das intermináveis rinhas intestinas de um sistema econômico-social, político e cultural anacrônico, viciado e putrefato até a medula. Para manter a exploração sobre as massas trabalhadoras e sobre a nação brasileira, as classes dominantes locais atadas e a serviço do imperialismo têm erigido um Estado burocrático-comprador. No gerenciamento deste velho Estado, os diversos grupos de poder das frações da grande burguesia (a fração burocrática e a compradora), ademais dos latifundiários, digladiam-se pelo controle do seu aparelho por decidir que frações e círculos hegemonizarão para beneficiar-se mais e quais se submeterão.

Quando o conflito atinge nível crítico, entra em jogo o fator da preservação do carcomido sistema político de governo (ou gerenciamento do Estado) e novos conluios são arreglados. Assim tem sido e assim seguirá até que as massas populares politicamente organizadas e de forma independente intervenham no cenário nacional, levando a crise política ao patamar mais elevado de situação revolucionária.

O discurso dos monopólios de comunicação

Numa tentativa de salvar o podre sistema de governo, cujo agravamento de sua crise pode, em determinadas condições, fazer perigar o velho Estado brasileiro, os monopólios de comunicação atuam de forma orquestrada, jogando papel decisivo. Na manipulação de informações, como guardiões da velha ordem que são, fazem um corte arbitrário e artificial, separando pessoas das instituições. Como se o funcionamento destas, sendo resultado de relações sociais, não tivessem na ação das pessoas – e essas como representantes de determinadas classes – a expressão da sua existência. Assim, há tempos fazem campanhas pela "ética na política" e pela "moralização" do Congresso, focando suas investigações em determinados personagens, num verdadeiro festival de sensacionalismo e hipocrisia, como se tivessem descoberto a pólvora. No caso da vez, centram em desmandos praticados pelos homens que ocuparam a presidência do Senado. Sucede sempre que todo o barulho sobre o escândalo do momento serve a esconder o anterior, ao tempo que a exposição e estigmatização de um ou outro punhado de elementos pegos em flagrante delito e mesmo uma eventual punição (o que é raro) serve a passar atestado de honestidade aos que, por razões da natureza do sistema, inevitavelmente seguem e seguirão impávidos em suas práticas nefandas bem encobertas.

O discurso corporativo

"Esta casa se encontra no ápice de uma crise e o Brasil inteiro olha para esta casa. E olha de uma maneira como ainda não tinha visto. A classe política é vista de uma maneira muito dura pelo povo. Mas nunca vi um olhar tão magoado, tão machucado, tão triste, quanto o povo brasileiro olha para esta casa". Foi este o discurso do Senador Pedro Simon na tribuna do Senado. Ele expressa a opinião dos que querem preservar o ninho das oligarquias e tem funcionado como sua consciência crítica em todos os episódios em que a Casa fica exposta em sua decrepitude. Nisto não faltam seguidores, inclusive no líder da oposição Artur Virgílio, que foi enfático em jogar a responsabilidade da crise para os funcionários: "Se Vossa Excelência não tiver como romper com essa camarilha perderá as condições de governar esta casa. Se romper com essa camarilha e tomar essas atitudes todas que levem a casa ao respeito da opinião pública outra vez, Vossa Excelência me terá ao seu lado", e complementou: "Quem tem de sobreviver é a instituição Senado Federal".

O discurso de Sarney

Como um dos quadros mais escolados do sistema burguês-latifundiário submisso ao imperialismo, Sarney não joga conversa fora e pontua a sua posição de classe que também faz parte da essência do parlamento semicolonial brasileiro.

"A crise é do Senado, não é minha. E é essa instituição que devemos preservar. Tanto quanto qualquer um aqui, ninguém tem mais interesse do que eu, até porque aceitei ser presidente da casa" – disse Sarney, que concluiu: "Isso é uma crise mundial. O que se fala aqui no Brasil do Congresso fala-se na Espanha, fala-se na Inglaterra, fala-se na Argentina, fala-se em todos os lugares". Justiça seja feita, é verdade o que diz o velho coronel. Só que é apenas parte da verdade. A outra parte, que o velho Estado burocrático semicolonial e semifeudal sobre o qual descansa o parlamento burguês brasileiro deve, a bem da libertação do povo e nação brasileiros, ser varrido e substituído por outro tipo de Estado e sistema político de verdadeira dominação do povo (democracia). Quanto a isto ele só pode tergiversar com os sofismas de seus apelos pela conjura da crise através das medidas cosméticas de sempre.

Diferentemente dos diagnósticos, terapias e apelos suscitados no Congresso e nos monopólios de imprensa, a atual crise do Senado, como crise de legitimidade, crise de credibilidade, é crise da falência histórica da democracia burguesa e seu sistema representativo e, como tal, é parte de uma situação revolucionária emdesenvolvimento desigual mundo afora. E mais, ela não tem solução nos marcos das medidas tomadas nem ao nível do G-20, menos ainda ao nível da direção do Senado brasileiro. Nesse caso, José Ribamar falta com a verdade quando se coloca fora da crise. Como veterano da politicagem oligarca, ele não tem como se demarcar da mesma. Ele é a expressão mais aguda da crise do velho Estado brasileiro.

O discurso do oportunismo

Submisso até a medula ao imperialismo e composto internamente com a escória das classes dominantes, Luiz Inácio não poderia ter outra consideração para com Sarney do que a que ele expressou aos jornalistas em uma viagem à Ásia declarando que Sarney "tem história no Brasil suficiente para que não seja tratado como se fosse uma pessoa comum". Pragmático, mas do bom, oportunista convicto e confesso, Luiz Inácio vê em Sarney, como vê em Renan, Collor, Jader, Dirceu et caterva, peças fundamentais para seu projeto continuísta com ou sem Dilma.

Mas há quem proponha o fim do senado. O presidente do PT, deputado Ricardo Berzoini (SP), defendeu a proposta em encontro de sua agremiação: "Muitos países têm sistema unicameral. É mais produtivo para a democracia, agiliza os processos e reproduz a vontade do povo", disse ele a jornalistas.

Cumprem os petistas, secundados por toda a tralha da chamada esquerda eleitoreira, o desígnio do oportunismo de tentar salvar o capitalismo moribundo a partir da salvação de um dos seus símbolos, o parlamento burguês.

A saída revolucionária

Toda essa procissão de "salvadores" não conseguirá com suas preces salvar a moléstia que como um câncer se nutre do suor, sofrimento e sangue do povo brasileiro. O carnegão desse tumor é o próprio sistema, portanto, ele só poderá ser extirpado quando as massas populares entrarem em cena. Sim, não há outra via que não a via revolucionária para sanar tal mal. Pois trata-se de abolir as relações semicoloniais e semifeudais a que está submetida a imensa maioria, as massas populares e a nação brasileira para o estabelecimento de uma Nova Democracia, através da revolução democrática ininterrupta ao socialismo.

A denúncia da podridão do sistema em seus vários episódios é apenas a base para, partindo da indignação das massas, mobilizá-las, politizá-las e organizá-las para sua emancipação política, econômica e social. Afinal, só através do poder expresso no Estado de Nova Democracia poderá executar-se as medidas de transformação da sociedade exigidas, há séculos, pela nação.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro