Rechaçando o ardil da reação

A- A A+

Os trechos publicados a seguir foram extraídos de uma nota da Liga dos Camponeses Pobres do Nordeste, datada de julho de 2009.

No dia 08 de julho último, a Liga dos Camponeses Pobres — Nordeste recebeu, pelos Correios, ofício do Ministério do Desenvolvimento Agrário assinado pelo Ouvidor Agrário Nacional, Gercino José da Silva Filho, datado de 30 de abril de 2009. (...) Donde se destaca: "Será excluído do Programa de Reforma Agrária do Governo Federal quem (...) for efetivamente identificado como participante direto ou indireto em conflito fundiário que se caracterize por invasão ou esbulho de imóvel rural (...)".

(...) O motivo do ofício da Ouvidoria Agrária Nacional é o "loteamento realizado pela LCP" na fazenda Riachão de Dentro (PE). Em sua carta, Gercino reclama: "Foram distribuídos panfletos no mencionado município convidando a população para a ‘Festa do Corte Popular’ e ato de entrega das parcelas". A referida festa, cujos convites parecem ter chegado até Brasília, ocorrera no dia 26 de abril. Quatro dias depois Gercino nos enviava sua "carta". No entanto, a agilidade da Ouvidoria Agrária Nacional em condenar o Corte Popular não é vista quando se trata do assassinato de camponeses e de lideranças como ocorreu recentemente com a brutal e covarde morte do dirigente nacional da LCP, o companheiro Luis Lopes, no sul do Pará.

Para sermos justos: a atitude de Gercino não é única entre os mandatários do governo Lula. A política é sempre a mesma: dois pesos e duas medidas. O próprio gerente Lula se apressou a chamar de assassinos os camponeses de São Joaquim do Monte que, em legítima defesa, justiçaram os pistoleiros na fazenda Jabuticaba. Agora, quando cinco camponeses foram chacinados enquanto construíam suas casas em um assentamento em Brejo da Madre de Deus, nenhuma voz de Brasília foi ouvida para "comentar o fato".

O que incomoda o Ouvidor Agrário Nacional é que os camponeses estão resolvendo de maneira muito mais eficiente do que o "Estado democrático de direito" a questão da democratização da terra em nosso país.

(...) No entanto, o mais absurdo no ofício da Ouvidoria Agrária Nacional é a estapafúrdia acusação de que: "... trabalhadores rurais integrantes da LCP expulsaram as famílias ligadas ao MST que se encontravam acampadas na fazenda Riachão de Dentro, localizada no município de Lagoa dos Gatos, aguardando a finalização das negociações do Incra com o proprietário, e ocuparam o imóvel em seu lugar...". Acusação falsa, desprovida de quaisquer fundamentos ou mesmo de informações elementares como a data na qual teria ocorrido este conflito. Lançar esta vil mentira contra a LCP, quando na verdade se quer atacar o Corte Popular, é a tentativa torpe de levantar falsas imoralidades contra aqueles que tomam atitudes justas e honestas.

(...) Nenhuma família acampada na fazenda Riachão de Dentro foi expulsa pela Liga dos Camponeses Pobres! A bandeira da LCP foi levantada unanimemente pelas famílias de Riachão, logo após a libertação do companheiro José Ricardo Rodrigues em abril de 2008. (...) Quem nunca mais apareceu por lá foram as lideranças repudiadas do MST. Se alguém duvida da satisfação daquelas massas com a justa direção da LCP, basta que pergunte a qualquer camponês de Riachão.

(...) Nós sabemos quem soprou a denúncia falsa no ouvido da Ouvidora Agrária Estadual, que prontamente transmitiu o recado ao Dr. Gercino. Outro não foi que Jaime Amorim, dirigente nacional do MST, que esteve em Lagoa dos Gatos dias antes da já famosa Festa do Corte Popular tentando inutilmente convencer alguns camponeses a não plantarem em suas parcelas. Mais uma vez dois pesos e duas medidas... A mesma Ouvidoria que tão prontamente acatou a falsa denúncia contra a LCP, não agiu com tanta velocidade quando as famílias do Acampamento Riachão denunciaram o roubo de 150 cestas básicas pela antiga dirigente do MST em junho do ano passado. Afinal, até hoje nada foi feito.

A atitude da direção do MST de dedurar ao Incra e à Ouvidoria Agrária os camponeses de Riachão que realizaram a iniciativa avançada do Corte Popular — coisa que, aliás, eles nunca conseguiram fazer — não surpreende quem vem acompanhando, durante os últimos anos, a trajetória do referido movimento. Na verdade, apesar de, internacionalmente, posar de radical, desde a eleição de Lula em 2002, o MST não mobiliza massas para as ocupações de latifúndios. Controlando praticamente toda a burocracia do Incra, o MST tenta, através de perseguições, ameaças, extorsões e expulsões daqueles que se opõem a sua direção, controlar bases camponesas que cada dia mais se revoltam contra seus desmandos.

(...) A denúncia do MST de que a LCP teria expulsado famílias supostamente ligadas ao movimento na fazenda Riachão tem um objetivo claro. Tentam assim criar um conflito virtual que justifique a invasão real do MST na área para "defender famílias injustiçadas". E o fariam acobertados pela carta da Ouvidoria Agrária Nacional e as ameaças do Dr. Gercino. Na verdade, quando a Ouvidoria acusa a LCP de ter retirado as antigas famílias que ocupavam a fazenda Riachão, na prática está colaborando com o plano do MST para, de fato, expulsar estas famílias que há um ano ergueram a bandeira da Liga. Em Lagoa dos Gatos é corrente o boato de que o MST trará pessoas de outras cidades para invadir a área, mas para isto a Ouvidoria tem ouvidos mocos.

(...) Quem necessita de "prudência", portanto, não é a LCP e sim a Ouvidoria Agrária Nacional e Estadual, que na pressa de beneficiar seus aliados políticos acabam cometendo injustiças e afirmando mentiras. E principalmente, acabam prejudicando as famílias a quem por direito, por luta e trabalho, pertence aquela fazenda. Famílias que cresceram e se criaram ali, que desde gerações viviam exploradas pelo famigerado Coronel Cordeirinho, que tanto humilhou os camponeses de Cafundó, Riachão de Fora e de Dentro, Lagoa de Souza, Lagoa dos Patos, Xicá e outros vilarejos, que hoje fazem justiça com sua força e organização. O que estas famílias querem hoje é produzir. Se aos governantes de plantão faltou a presteza para atender as justas reivindicações destes brasileiros honestos e trabalhadores, que ao menos deixem que vivam em paz!

Liga dos Camponeses Pobres - Coordenação Nordeste
Julho de 2009

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja