Oportunismo segue tentando minar fórum proletário

A- A A+
Pin It

XIV Conferência de Educação de Cascavel

Oportunismo segue tentando minar fórum proletário

Sebastião Rodrigues Gonçalves*

http://www.anovademocracia.com.br/56/03-b.jpg
Professor Fausto Arruda participou da XIV Conferência de Educação de Cascavel

Nos dias 24 e 25 de julho realizou-se na universidade particular UNIVEL, no município de Cascavel, estado do Paraná, a XIV Conferência de Educação, organizada pelo Sindicato dos Trabalhadores em Educação da Rede Pública do Estado do Paraná, Núcleo Regional de Cascavel, e marcada nas suas últimas edições pela conhecida conduta burocrática do oportunismo, visando minar a organização dos educadores e a emancipação do proletariado por via da discussão política e da inovação das práticas pedagógicas em um sentido revolucionário.

Nos anos que se passaram, desde a criação deste fórum em 1995, correntes conhecidas do mais lacaio revisionismo — como o PCdoB e o PSB — empenharam-se em distorcer as verdadeiras metas dos educadores, que se reuniram na Conferência de Educação visando unificar os profissionais da educação dos municípios, da universidade e os educadores da rede estadual para enfrentar os desafios que se apresentavam na época; aproximar os educadores dos demais trabalhadores inclusive os camponeses pobres, uma vez que havia — e ainda há preconceitos — da categoria em relação aos setores marginalizados da sociedade brasileira e parte significante dos educadores colocavam — e alguns ainda o fazem — sua inteligência para reforçar a discriminação contra esses setores.

Outra meta predefinida para a realização da primeira Conferência era uma metodologia que permitisse aos dirigentes e demais membros do Sindicato levar um conteúdo científico sobre a verdadeira história do proletariado mundial e como os trabalhadores da educação estão inseridos nessa luta de classe. Ao mesmo tempo, era preciso encontrar meios para a disseminação de uma nova concepção de educação, de sindicalismo e de sociedade.

E assim surgiu a proposta da I Conferência, distorcida pelo oportunismo que depois de insistentes intervenções no sentido de transformá-la em um fórum meramente sobre discussões acadêmicas, chegou ao ponto de defender a participação de representantes do MEC e da Secretaria Estadual de Educação para a Mesa da Conferência.

Mesmo assim, em algumas Conferências, como a 10ª, os trabalhadores conseguiram centralizar a linha do evento e retomar os objetivos originais com o tema "Escola Pública na Perspectiva dos Trabalhadores". Essa foi a Conferência com menor número de participantes — 115 educadores — mas com maior qualidade e decisões importantes nos rumos dessas atividades.

Em outras edições, como a 4ª, por mais que não conseguissem se esquivar do oportunismo, os trabalhadores tomavam as decisões finais, resgatando a origem da conferência e quais seriam os objetivos da mesma, entre eles, no plano interno, possibilitar meios para passar ao interior das escolas com conteúdos classistas; possibilitar espaço de formação permanente; ampliar os quadros dirigentes para não tornar o sindicalismo uma profissão, e no plano externo, construir a unidade entre os trabalhadores da educação para superar as contradições entre: educadores das séries iniciais, educadores do ensino fundamental e médio e os educadores do ensino superior e, por fim, buscar apoio e colaboração dos educadores do ensino superior que tem os mesmos objetivos dos trabalhadores do ensino médio.

A realização dessas conferências tem sido aprendizado constante para os educadores da região, inclusive para identificar profissionais que mantém seu compromisso com o projeto histórico de emancipação humana. Esses merecem ter registrado seus nomes nos anais do proletariado brasileiro, ao contrário daqueles que preferiram aliar-se aos governos e gerentes de plantão do Capital, do Banco Mundial, da OMC — Organização Mundial do Comércio, os quais terão seus nomes apagados pela história. Esse é um breve resumo da história das quatorze conferências que aconteceram na região de Cascavel, no oeste do Paraná.

_______________________
Sebastião Rodrigues Gonçalves
, professor de filosofia da UNIOESTE — Campus de Foz do Iguaçu, é membro do Conselho Editorial de A Nova Democracia.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja