A História está viva

A- A A+

Em Defesa da História (Zahar, 216 páginas) também poderia se chamar "Anticapitalismo", posto que se estrutura a partir da crítica radical ao pensamento pós-moderno, que decretou o fim da luta de classes. E poderia também se chamar "Em Defesa do Socialismo", já que pavimenta o caminho para se entender as relações reais de poder, hoje profundamente embaçadas e distorcidas com a ajuda engajada do monopólio dos meios de comunicação de massa.

http://www.anovademocracia.com.br/57/21b.jpgO livro é composto por artigos e entrevistas, que totalizam quatorze textos divididos em quatro capítulos. Logo na introdução, a autora de Democracia contra o capitalismo, Ellen Meiksins Wood, coloca em análise a agenda pós-moderna. Sua crítica se volta à "esquerda" contaminada pelo discurso capitalista, que substitui a luta da classe operária pelo mote da "revolução cultural":

"A crítica ao capitalismo saiu de moda. (...) O triunfo da direita reflete-se na esquerda através de um radical encolhimento das aspirações socialistas. Os intelectuais da esquerda, se é que não estão realmente aceitando o capitalismo como o melhor dos mundos possíveis, pouca esperança têm de qualquer outra coisa além de um pouco mais de espaço entre os interstícios do capitalismo" (páginas 20 e 21).

O posfácio, que também poderia ser a introdução, esquadrinha as principais características do pensamento pós-moderno. Assim, John Bellamy Foster afirma que ele é composto por três negações fundamentais: 1 "contra a totalização"; 2 "contra a teleologia"; e 3 "contra o utopismo". Daí vem a rejeição da crítica marxista ao capitalismo, que dá lugar "à abordagem descentralizada, caótica mesmo, da sociedade, que é vista como inerentemente fragmentada".

Seria exatamente esse um dos principais pontos de interseção entre direita e "esquerda" pós-moderna. Uma decreta o fim da história, a outra consente. Está acabada a luta de classes; pois não, senhores. Consequentemente, o refúgio da esquerda zona sul: "ideologia? Quero uma pra viver".

O livro resgata conceitos importantes, como o "imperialismo capitalista", na entrevista de Aijaz Ahmad. O professor indiano explica que hoje a única civilização universal se chama capitalismo, que espalha seus domínios por todos os cantos do planeta com a especial ajuda das infovias — talvez o que pensadores pós-modernos acreditem ser a "revolução cultural", embora não exista nem mesmo sombra de democratização na produção e divulgação de conteúdos. Como registra o professor da UFF, Dênis de Moraes, em entrevista ao Fazendo Media: "Hoje em dia, 20 conglomerados transnacionais de mídia controlam cerca de 3/4 de toda produção simbólica no planeta, o que traz problemas gravíssimos para a diversidade informativa e para a pluralidade cultural".

Mas Aijaz não fica apenas na crítica. Ele oferece diretrizes para a resistência: "Ou construímos uma universalidade anticapitalista — o que quer dizer socialista — , ou aceitamos a universalidade capitalista". Se a repressão é global, pois então que a resistência também tenha o alcance planetário.

Em defesa da História não é um livro de fácil assimilação, sobretudo pela profundidade do conteúdo que apresenta. Mas nem por isso seus autores abrem mão da ironia, como se vê na segunda entrevista de Aijaz Ahmad: "Acho que os intelectuais das grandes metrópoles, tão entusiastas da globalização, deveriam organizar um movimento em prol da abolição de passaportes". Uma colocação óbvia, mas que apesar disso parece invisível: "ora, se o mundo de hoje, dizem, não tem fronteiras, o que estaria faltando?"

O escritor Kenan Malik, no artigo intitulado O espelho da raça, retoma a essência do livro: o combate às distorções do pensamento pós-moderno. Não, amigos, a História não terminou. A luta de classes está aí mesmo, basta sair às ruas e enxergar além das corporações de imprensa. Pra não ir muito longe, o que é o Choque de Ordem de Eduardo Paes, no Rio? Ou a destruição de uma ocupação de sem-teto em Salvador? O que é isso senão a ação do Estado a serviço da classe dominante, a burguesia, contra a classe trabalhadora?

Em vez de enxergar o óbvio, "o discurso pós-estruturalista reduz (ou desconstrói) a sociedade à interação acidental de indivíduos e elimina o sujeito da esfera social", deixando de fora a constatação de que as relações sociais são construções históricas, o que debilita a possibilidade das resistências populares, sobretudo no que diz respeito à sua capacidade de buscar alianças — se não existe totalidade, se cada luta é fragmentada, a união perde o sentido. É o que afirma Kenan na página 125:

"Um entendimento não-essencialista da sociedade é aparentemente aquele que nega quaisquer padrões ou processos unificadores entre os fragmentos diversificados e em constante mudança que constituem a sociedade". Justamente o oposto do chamado que ainda ecoa pelos quatro cantos do mundo, para o desespero dos capitalistas convictos e do esquerdismo pós-moderno: "Trabalhadores de todo o mundo, uni-vos!".

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja