Moradores de Heliópolis denunciam violência policial

A- A A+
Pin It

Depois de quase um mês do assassinato da jovem Ana Cristina Macedo, em Heliópolis, pela Guarda Civil Municipal de São Caetano do Sul, a reportagem de AND esteve no local conversando com moradores e pôde perceber a revolta e indignação da comunidade com relação ao Estado, seu braço armado e o monopólio de comunicação.

Segundo José João dos Santos, conhecido como Miltom, presidente da AOS — Associação Organizadora e Social Cidade do Sol de Heliópolis, o que foi veiculado pelo monopólio da comunicação foi, na maioria dos casos, um amontoado de inverdades que só serviram para criminalizar os moradores, relacionando-os ao tráfico de drogas e descaracterizando as justas rebeliões populares contra o Estado genocida e fascista.

De acordo com Miltom, a perícia realizada nas armas dos guardas da GCM constatou que o disparo que assassinou Ana Cristina foi mesmo do guarda civil Vicente Pereira Passos, que já havia sido expulso da PM de SP e, até o momento, nenhuma punição efetiva foi aplicada contra o assassino. Isso reforça ainda mais a convicção de que as forças de repressão tem salvo conduto para agredir e matar a população pobre das favelas e bairros periféricos sem que nada lhes aconteça.

Ainda circulou no monopólio da imprensa que teria ocorrido troca de tiros entre os guardas e "bandidos" que teriam roubado um carro em São Caetano e fugido para Heliópolis, fato refutado por Miltom, que mora próximo ao local do assassinato e contesta a versão policial, afirmando que os guardas chegaram atirando, mesmo com uma grande quantidade de moradores próximo ao local.

— Não houve troca de tiros na rua Cônego Xavier. Estão passando uma imagem falsa e isso causou a indignação do povo disse Miltom.

Outro fator que indignou os moradores foi a notícia de que havia um bilhete "produzido pelo tráfico" convocando os moradores a se manifestarem em troca de uma suposta cesta básica.

Isso jamais ocorreu. Eu não sei quem disse e nem de onde veio essa história de distribuição de cestas, ela não é verdadeira. Isso e inadmissível e uma inverdade — indignou.

Outros moradores que não quiseram se identificar afirmaram que já presenciaram vários casos de violência policial contra a comunidade.

Um deles já presenciou a polícia abordando jovens de forma truculenta, submetendo-os a afogamentos — relatou um dos moradores entrevistados que disse também ter visto, em outra situação, policiais da Forca Tática invadindo uma residência, calçando as luvas e em seguida ouviu disparos e logo policiais saindo com um corpo e colocando no camburão.

Durante a reportagem, os moradores de Heliópolis fizeram uma série de denúncias e protestaram veementemente contra a constante presença e violência policial. Todos disseram conviver diariamente com desmandos e represálias, não tolerando mais incursões assassinas como as que resultaram no assassinato de Ana Cristina. O povo de Heliópolis exige justiça, não confia no Estado e seus agentes, e provou que sabe se defender.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja