Rechaçar o populismo financeiro

A- A A+

http://www.anovademocracia.com.br/58/4b.jpgNo USA, Obama nomeou um supervisor responsável por definir os bônus e salários dos gerentes de grandes empresas baseadas em solo ianque. Na Europa, as gerências políticas de França, Alemanha e Grã-Bretanha — ou seja, a nata da Europa do capital — pedem que os prêmios por serviços prestados pagos aos capatazes do capital financeiro tenham uma relação "apropriada" com seus salários fixos. Em toda parte os oportunistas e demagogos de toda espécie se uniram em uma cruzada contra as altas remunerações principalmente dos executivos das transnacionais dos setores bancário e de seguros, em um esforço desesperado para tentar esconder o fato de que o parasitismo é característica inseparável do capital financeiro, para o qual repassaram — e ainda estão repassando — enormes somas de recursos que pertencem à classe trabalhadora. São medidas cuja finalidade não é outra senão tentar aplacar o descontentamento das massas, arroubos pseudo-moralizadores que não mexem um milímetro sequer nos mecanismos de crimes contra os povos praticados pela oligarquia que controla o sistema financeiro internacional.

Uma outra nuance desta trapaça são as promessas de deitar por terra os paraísos fiscais. Em março deste ano, a Suíça aceitou seguir uma regra da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico que obriga seus bancos a revelarem informações sobre clientes quando as autoridades fiscais de outros países assim solicitarem, e mediante a apresentação de provas de irregularidades contábeis cometidas pelos correntistas transfronteiriços. Na verdade, o acordo teve endereço certo: Viaduktstrasse 33, Basileia. É a sede do UBS, o maior dos bancos suíços. A concertação entre os (pseudo) reguladores do sistema financeiro internacional e os banqueiros alpinos serviu não para enquadrar, mas sim para salvar esta instituição bancária cara à bandalheira capitalista. Sobre o UBS e o Credit Suisse — segundo maior banco do país — , o Banco Central suíço considerou expressamente em relatório recente que são "grandes demais para falir". O populismo financeiro envolvendo a algazarra em torno do tal código fiscal da OCDE se faz necessário para mascarar junto ao povo esta operação de socorro a um banco de fama não tão ilibável. Tanto que, às primeiras exigências de liberação de informações em inquéritos internacionais sobre sonegação de impostos, o UBS ofereceu pagar bilhões de dólares em troca do encerramento das investigações.

No dia 15 de setembro, exatamente um ano após a quebra do banco ianque Lehman Brothers, acontecimento que os financistas consideram o marco inicial da atual crise capitalista, apareceu e correu o mundo um relatório do britânico Instituto de Pesquisa de Políticas Públicas com a seguinte conclusão: "Os bancos não aprenderam a lição". A acusação é que, após receberem dinheiro público, bancos e seguradoras rapidamente retornaram à "cultura dos bônus". Aparentemente críticas à postura das instituições bancárias, manifestações como esta que pipocam aqui e ali, muitas vezes identificadas com a postura da esquerda — a falsa esquerda — não passam do complemento óbvio à própria farra do capital financeiro desregulamentado. Falando do supérfluo, escondem o fundamental, que é o fato de que as instituições que financiam os monopólios são por natureza contrárias aos interesses dos povos do mundo, não importa o quanto paguem aos seus gerentes.

Riquezas do povo repassadas aos bancos

Para levar a cabo este estratagema, uma das panacéias que vêm sendo reiteradamente propostas é a maior supervisão dos acionistas que controlam o capital bancário transnacional sobre o valor dos salários e bônus por produtividade dos seus executivos. Cinicamente, fingem ignorar que um dos princípios fundamentais da chamada "governança corporativa" é que se os gerentes forem recompensados de maneira semelhante aos acionistas, sua atuação à frente das empresas tende a gerar maiores vantagens para os próprios acionistas. Tudo isso em detrimento da população em geral. Não importa o quanto insistam: as massas conscientes jamais cairão na armadilha da identificação dos seus interesses com os dos grandes financistas, como se o povo oprimido pudesse estar do mesmo lado dos controladores das organizações financeiras que sustentam o capitalismo opressor.

Outra falácia esgoelada pelas gerências políticas para tentar aplacar a fúria do povo é que as operações financeiras de risco desmedido que serviram de estopim para o estouro da última bolha estavam com os dias contados. Esta foi a promessa que justificou o acerto costurado por Bush e Obama para financiar o salvamento dos monopólios financeiros do USA, o chamado Programa de Alívio de Ativos Problemáticos (Tarp), por meio do qual US$ 200 bilhões foram mobilizados para comprar toda a papelada podre que lhes comprometiam a liquidez. Mas, na verdade, os bancos jamais deixaram de farrear no mercado financeiro em busca dos lucros fáceis. Recapitalizados com recursos do povo estadunidense, os cinco maiores bancos do USA — Bank of America, Citigroup, Goldman Sachs, JPMorgan e Morgan Stanley — lucraram US$ 23,3 bilhões no primeiro semestre deste ano realizando operações especulativas com ações, títulos de dívida, câmbio, commodities e outros produtos financeiros que servem para nada mais do que alimentar a reprodução de capital em alta velocidade.

No USA, na zona do euro e no Reino Unido, os montantes alocados nos programas de socorro à banca envolveram ao todo o equivalente a 1/6 do seu PIB somado. Bancos e seguradoras de Wall Street e do City, centro financeiro de Londres, foram os principais beneficiários de umas das maiores e mais escandalosamente criminosas transferências de riquezas geradas pela classe trabalhadora para tentar sanar as combalidas finanças do capitalismo em convalescença.

Agora, os avalizadores desta afronta às massas de todo o mundo posam de severos, fingindo exigir que os bancos daqui para a frente garantam sua própria liquidez, tentando aplacar a revolta que fermenta entre as classes populares. Em seu afã para esconder seus crimes, e os crimes dos monopólios financeiros, sequer enxergam que as massas não se importam com a saúde financeira dos bancos; importam-se com sua emancipação, o que implica a derrota definitiva dos monopólios e do capital financeiro. A folha de pagamento de capatazes de banqueiros não figura na pauta revolucionária.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja