Tratado de Lisboa é urgência para rebelião na Europa

A- A A+

Os reacionários da Europa conseguiram o seu estimado "sim" ao Tratado de Lisboa no referendo irlandês realizado no último dia 2 de outubro. Foi a segunda "consulta ao povo" realizada na Irlanda em pouco mais de um ano, tendo em vista que a burguesia imperialista européia não aceitou a recusa dos irlandeses ao documento expressada em junho de 2008.


População denunciou o tratado antipovo

A Ryanair, companhia aérea irlandesa de baixo custo que opera nos céus da Europa, investiu meio milhão de euros na campanha pela aprovação do tratado no referendo. A Ryanair é conhecida do povo europeu por sua sanha monopolista e pela especial afeição à prática de "dumping laboral", que consiste na aplicação em fronteiras alheias dos frouxos regimentos trabalhistas vigentes na Irlanda. Ao tomar parte nos esforços pelo "sim" ao Tratado de Lisboa, a Ryanair dá a sua valorosa contribuição para deixar ainda mais claro a quem interessa a aprovação do documento, evidenciando que seus beneficiários não são as classes trabalhadoras.

O chefe da companhia declarou a uma revista européia que havia decidido entrar de cabeça para defender o Tratado de Lisboa porque não confiava nos "políticos incompetentes" para garantirem a vitória do "sim", dizendo que não queria correr o risco de "perder mais uma vez". Uma semana antes, a transnacional ianque Intel também havia anunciado que decidira entrar na campanha para "salvar o tratado", a fim de garantir céu de brigadeiro para multiplicar seus lucros na Europa.

Quando, aliviado, apareceu em entrevista coletiva prestando contas aos seus superiores da Inglaterra, França e Alemanha, o primeiro-ministro irlandês, Brian Cowen, fez o arremate da farsa eleitoral já com as urnas fechadas e os votos contados: "Hoje o povo irlandês falou com uma voz clara e sonora".

Pois o "sim" irlandês foi tudo — ilegítimo, obscuro e empurrado goela abaixo dos povos da Europa — menos claro e sonoro, dado o modo pelo qual o resultado foi alcançado e o altíssimo índice de abstenções, tal e qual já havia acontecido recentemente nas eleições para o Parlamento Europeu, quando quase metade dos eleitores registrados em todo o continente se recusaram a participar do sufrágio, e no próprio referendo irlandês do ano passado, quando ganhou o "não". Antes mesmo de ganhar o "não" ou o "sim", o fato realmente significativo é o desprezo que o povo irlandês demonstrou nutrir pelas farsas eleitoreiras — e por outras farsas — organizadas pelas elites demagogas do seu país e pelo poder econômico transnacional.

Para incrementar sua campanha em favor do "sim", os publicitários do capital monopolista europeu criaram uma espécie de resumo do embuste, muito semelhante a promessas eleitoreiras de candidatos oportunistas quaisquer, que foi apresentado ao povo irlandês sob o título "O tratado em poucas palavras":

"Políticas que melhoram sua vida; a União Européia no mundo; maior justiça, liberdade e segurança; uma Europa mais democrática e transparente; uma Europa de direitos e valores; instituições eficientes e modernas".


"Mentiras", diz o adesivo colado sobre campanha do tratado

Mas a verdade por trás dessa demagogia é bem outra:

— Perda de soberania das nações menores do continente em favor das potências européias, com a centralização das decisões políticas e econômicas nas instituições supranacionais erigidas e controladas pela grande burguesia européia, nomeadamente o britânico, o alemão e o francês, o que confere aos monopólios maior poder e agilidade sobretudo para explorar as massas dos países mais pobres da Europa;

— Solapamento dos direitos e garantias historicamente conquistados com muita luta pelo bravo operariado europeu;

— "Maior justiça, liberdade, e segurança", sim, mas para o capital financeiro, que com o tratado se vê mais protegido — e mais livre — frente às eventuais inconveniências que as especificidades regulatórias de cada Estado poderiam interpor em sua rota predatória;

— Belicismo e reforço do imperialismo europeu nas semicolônias.

No sábado, dia 10 de outubro, a Polônia ratificou o tratado, só faltando agora a assinatura do presidente da República Tcheca, que anda chantageando os poderosos da Europa para conseguir algumas vantagens em troca da sua rubrica. A iminência da vigência do Tratado de Lisboa é uma urgência a mais para o levante dos povos europeus.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja