Obama, promotor da paz dos cemitérios

Em 1851, Karl Marx escreveu que a luta de classes criava condições para que personagens medíocres e grotescos posassem de heróis.

Marx falava de Napoleão, mas é a esse esforço de falsificação da história que hoje se dedica o Comitê Nobel, este coletivo de cinco velhos demagogos de carteirinha cuja atribuição primordial é escolher todos os anos a quem se destina a honraria mais hipócrita do planeta, em cujo rol de ganhadores estão muitos oportunistas, conciliadores, capitulacionistas, senhores da guerra, contra-revolucionários, cabeças do imperialismo e belicistas e sanguinários de toda sorte. Com o laureamento de Obama, o comitê reconhece o valor que a nova doutrina ianque de maquiar a ferocidade do imperialismo para as semicolônias, em vez de escancará-la, tem para os esforços reacionários de aplacamento da fúria dos povos oprimidos ao redor do mundo. Nada de novo no front.

Desde a entrega do primeiro prêmio Nobel da Paz, em 1901, quatro chefes ianques foram escolhidos para levar a distinção. Theodore Roosevelt foi lembrado em 1906, depois que inaugurou a doutrina do "Grande Porrete" para a América Latina e de acrescentar o Corolário Roosevelt à Doutrina Monroe, mediante o qual pretendia decretar que o USA era a única potência capitalista com direito de intervir na região. Em 1919, foi a vez de Woodrow Wilson ser escolhido após ordenar a invasão do Haiti e de impor à Nicarágua o Tratado Bryan-Chamorro, que previa a cessão de terras nicaraguenses ao USA para a construção de um canal que diminuiria a distância entre Nova Iorque e São Francisco e depois de arquitetar a Liga das Nações, instituição da velha ordem imperialista, predecessora da ONU.

Em 2002, foi a vez de Jimmy Carter ganhar o Nobel da Paz, 21 anos após ter deixado a chefia do imperialismo ianque, por seus esforços em prol da diplomacia de cavalheiros entre as potencias imperialistas e por promover como poucos a empulhação demagógica dos "direitos humanos" entre explorados e exploradores. Entre Wilson e Carter, houve espaço para Henry Kissinger, Secretário de Estado da administração Richard Nixon, ser premiado em 1973. Entre os serviços prestados por Kissinger que justificassem a premiação estão o assassinato do presidente Salvador Allende no mesmíssimo ano em que recebeu a honraria sueca e a subsequente sustentação do USA à ditadura do general Augusto Pinochet.

Quanto à Obama, o Comitê Nobel justificou sua escolha por "seu extraordinário esforço para fortalecer a diplomacia e a cooperação internacional".

Poucas semanas antes de ser laureado com o Nobel da Paz, Obama decidiu enviar mais 40 mil soldados para reforçar o contingente invasor no Afeganistão. Seu secretário de Defesa mantido da administração Bush, Robert Gates, anunciou que nos próximos três anos mais 22 mil militares a serviço do imperialismo deverão desembarcar na Ásia Central. A pedido de Obama, o Congresso ianque acaba de destinar mais 80 bilhões de dólares para financiar as ocupações criminosas e a sequência dos genocídios empreendidos pelo USA no Iraque e no Afeganistão. A secretária de Estado do "pacifista" Obama também acaba de anunciar ajuda militar à Geórgia, auxiliando a fazer rufar os tambores da guerra no Cáucaso no mesmo dia em que Moscou avisou que utilizará armas atômicas em conflitos regionais. Eis o tipo de paz que Obama vem promovendo no mundo: a silenciosa e imperturbável paz dos cemitérios.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro