Notas Internacionais

A- A A+

México

Levante contra extinção de empresa pública


Mais de 300 mil pessoas em protesto contra decreto do presidente no México

No domingo, dia 11 de outubro, a gerência mexicana colocou 44 mil trabalhadores no olho da rua com uma canetada só. Atendendo às demandas do capital privado, o presidente Felipe Calderón assinou um decreto extinguindo a empresa estatal de eletricidade Luz e Força Central (LyFC), que abastecia a capital do país, Cidade do México. Agentes do velho Estado mexicano ocuparam as instalações da companhia e três dias depois começaram as demissões.

Seguindo a velha cartilha   que orienta sobre como limpar o terreno para a chegada dos monopólios, Calderón acusa os trabalhadores da LyFC de tornar a empresa ineficaz operacional e administrativamente.

Na quinta-feira, dia 15 de outubro, dezenas de milhares de pessoas marcharam pelas ruas da Cidade do México em protesto contra o decreto da gerência estatal. Aos trabalhadores demitidos se somaram milhares de outros solidários. O Estado mexicano destacou mais de dois mil policiais e dois helicópteros para provocar a massa organizada. Rapidamente a solidariedade com os trabalhadores da   LyFC se espalhou por toda a América Latina, apesar das tentativas de instrumentalização do levante por políticos oportunistas que se auto-arvoram "de esquerda".


Os lucros que Israel extrai da opressão aos palestinos

O grupo israelense Mulheres pela Paz está levando a cabo uma pesquisa sobre como as transnacionais israelenses lucram com a ocupação sionista da Palestina. Apesar do caráter pacifista desta organização, que em nada atende às verdadeiras demandas dos palestinos, o trabalho traz à tona informações importantes sobre a exploração econômica e o controle da população de Gaza e da Cisjordânia, ainda que inexplicavelmente os lucros do complexo militar industrial estejam de fora do levantamento.

Além de os colonatos judaicos em expansão constituírem uma mina de ouro para a máfia sionista da construção civil, nas zonas industriais, encravadas nos territórios ocupados, transnacionais exportam para o mundo inteiro mercadorias fabricadas por palestinos, duramente explorados pelo capital sionista, com diretos e garantias "flexibilizadas", movimentos vigiados de perto, e cerceamento da atividade sindical.

O boicote israelense ao desenvolvimento da economia palestina é igualmente benéfico às companhias sionistas, criando uma relação de criminosa dependência. Segundo informações do Workers World Newspaper, os bombardeios a Gaza do final do ano passado e início deste ano destruíram granjas, depósitos de grãos e 230 pequenas fábricas. Na época, uma ativista estadunidense observou ainda que "os israelenses que bombardearam Gaza serão os primeiros a se beneficiar financeiramente da reconstrução de Gaza. A bombardearam e agora venderão os materiais de construção para reconstruir o que foi destruído. Tal e qual o USA fez no Iraque".

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja