Governo iraquiano distribui armas ao povo

A- A A+
Voluntárias iraquianas desfilam em Bagdá com fuzis AK-47 durante parada na província de Diala

Bagdá — A guerra contra o Iraque é inevitável? Nem mesmo Hitler, jamais, teve o apetite de conquista que o USA têm hoje. Primeiro, Afeganistão, agora Ira-que, depois a Coréia do Norte. E depois, quem?

É a resistência palestina que tem adiado os assaltos do USA contra o Iraque. E é um dos fatores que mais anima a corrente atual revolucionária no mundo árabe. Comenta-se que está nos planos do terceirizado Sharon aplicar uma política de deportação à população palestina, dos territórios sob ocupação de Israel, para a Jordânia e o Iraque.

O regime iraquiano convidou observadores do mundo árabe e das organizações revolucionárias palestinas, consciente que, seja qual for a divergência de opiniões a propósito do regime, existe uma unidade total para apresentar uma frente sem falha contra a agressão ianque. Os imensos estragos causados pela bárbara e covarde agressão de 1991 e os embar gos contundentes do USA ocasionaram tremendo ódio e forjaram uma consciência antiimperialista incontrolável.

Um dirigente da Frente Popular de Libertação da Palestina contou que um iraquiano, durante 15 anos oponente do governo de Saddam, decidiu voltar ao Iraque: "Vou defender meu país contra os ianques e não creio, jamais, que Hussein me impedirá". O regime iraquiano relaxou a prisão de todos os prisioneiros, exceto os autores de crime de sangue e distribuiu centenas de milhares de armas à população para se defender — coisa que os magnatas extrativistas de alguns territórios árabes ainda relutam fazer. No momento, o povo iraquiano não se incomoda com o que diz o inimigo. O USA quer trocar Saddam por uma marionete como Karzai no Afeganistão, ou mesmo, segundo determinadas circunstâncias, por um centurião ianque semelhante a McCarthur no Japão, em 1945.

Todos dizem que se soldados do USA puserem o pé sobre solo iraquiano, serão repatriados dentro de um saco plástico. Mesmo que o Iraque não seja capaz de deter diretamente a invasão, a verdadeira guerra começará lá e a resistência árabe será mais encarniçada que no Afeganistão.

População e exército estão prontos para defender os bairros populares

O exército e a população civil encontram-se unidos na organização da defesa nas cidades iraquianas, escreveu o Instituto Internacional de Estudos Estratégicos — HEE. A inteligência militar, que trabalhou para a Casa Branca, concluiu que muitos soldados iraquianos defenderão seus bairros como trincheiras, tornando inevitáveis os intensos combates de rua.

Inúmeras advertências que partem de diversos países, todavia, não detêm a decisão desesperada do USA, que diz precisar do petróleo do Golfo e destituir Saddam. Além do mais, já está decidido que as tropas da Entente imperialista deverão ocupar o Iraque por longo tempo, controlar a produção petrolífera, "depurar a elite militar iraquiana e supervisionar a população civil".

A estabilidade dos regimes pró-ianques na Jordânia e no Egito está, desde já, fortemente ameaçada. Os ataques aos escritórios e empresas ligadas ao USA serão multiplicados, transformando o Oriente Médio numa fornalha de resistência que, prontamente, deverá superar o controle das autoridades teocráticas muçulmanas. Potências européias até há pouco, manifestavam o desejo de desembaraçar-se de Saddam, visando manter a baixo custo, e de forma ilimitada, as reservas petrolíferas do Iraque. Porém, preferiam métodos que evitassem o uso de tropas estrangeiras. Provisoriamente, a Europa não pode desvencilhar-se do USA e de sua estratégia insana, capaz de irradiar-se pelo mundo inteiro, e levantar resistências divorciadas das instituições colaboracionistas sustentadas pela social democracia européia e pela CIA. Além do mais, os despojos que o USA propõem distribuir, possibilitam o prosseguimento do projeto da União Européia — razão pela qual as potências européias inscreveram-se como colaboradoras do grande massacre que se avizinha, explica o IIEE.

Guerra, mesmo que a ONU não encontre armas

A administração Bush trabalhou forte a fim de impor ao Conselho de Segurança da ONU uma resolução belicosa sobre as inspeções a serem feitas, para "provar" que o Iraque estaria produzindo armas de extermínio em massa. O USA pode tê-las, o Iraque não. Entre estes "trabalhos fortes" estava o afastamento do diplomata brasileiro Bustani, cuja presença na ONU impedia a realização dessas inspeções por achá-las desnecessárias. Porque ele e a ONU sabiam, e sabem, que menos importa o fato dessas armas existirem, mas que a guerra seja evitada. Que moral terá a ONU depois disso e da evidente submissão aos interesses de Israel e do USA?

Enfim, tudo o que foi dito e feito em Washington indica que a intenção de Bush é provocar a guerra.

Os inspetores especialistas em desarmamento retornaram ao Iraque e preparam suas equipes. O governo ianque os pressiona para que modifiquem os pontos fundamentais de sua organização, dobrem o número de inspetores, a fim de infiltrar maior quantidade de agentes da CIA e aceitar a "generosa oferta" do USA em equipamento e transporte. Hans Blix, chefe dos inspetores tem alguns problemas com Washington. Ele tentará manter a credibilidade da ONU. Deve-se lembrar que a credibilidade da equipe de inspetores precedente foi denunciada, insofismavelmente, pela divulgação de estreitas ligações da equipe com a CIA, com o MI-6 britânico e com o Mossad israelense – aos quais forneceu as informações úteis. Vê-se que a inspeção não quer encontrar armas químicas ou biológicas, já que a agressão é inevitável, mas, identificar e mapear as defesas e áreas estratégicas iraquianas, facilitando uma eventual vitória, numa espionagem em larga escala à vista do povo iraquiano.

E se os inspetores não encontrarem armas de destruição massiva, não haverá guerra? Falso, diz o ministro de Defesa do USA, Donald Rumsfeld: "Isso só provará que os iraquianos conseguiram enganar o processo de inspeção" (?!).

O ridículo Collin Powell convidou o chefe de inspetores Hans Blix e o chefe da Agência Internacional de Energia Atômica, Mohamed El Baradei, para uma "entrevista" em Washington. A maior parte dos oficiais de Washington pensa, com efeito, que Blix fará o que deve ser feito: dar ao USA uma desculpa para desencadear a guerra.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja