Até que a revolução as separe

A- A A+
Arbens na Guatemala, Morsadegle no Irã, Goulart no Brasil, Allende no Chile, Lumumba no Congo, Sukharno na Indonésia, etc. Governos legais e democraticamente constituídos foram violentamente derrubados. Como em todos os momentos em que o Terceiro Mundo tenta se separar do USA, novamente, as forças imperialistas intervêm para "corrigir" os ideais democráticos das massas. 

Quando os oprimidos se revoltam — como o fizeram os povos nesses últimos 50 anos, na Coréia e os vietnamitas que saíram vitoriosos, os de Angola e Moçambique, os da República Dominicana, de Granada etc., e, hoje, os peruanos, nepaleses, turcos, filipinos e tantos outros que começam a libertar parte seus territórios nacionais — simultâneos os massacres contra eles perpetrados, a censura que desaba sobre a humanidade, marca aqueles combatentes com a alcunha ultrajante de terroristas. Tal como faziam os nazistas contra os membros da resistência, em que país fosse. Segundo o Wall Street Journal, periódico das altas finanças americanas, "uma possível guerra contra o Iraque e, dentro das guerras seguintes planejadas pelos EUA", foi discutida pela cúpula da OTAN, em Praga, nos dias 20 e 21 de novembro. Procurava-se vencer as últimas resistências européias à participação no ataque contra vários países. Porém, o Iraque está na ordem do dia.

Diz, ainda, o jornal que membros da OTAN advertiram o Iraque sobre as graves conseqüências pelo não cumprimento da resolução 1441da ONU, que atrairia represálias, denominadas de medidas eficazes. Evidentemente, "as graves conseqüências" significam a guerra, e as "medidas eficazes" os preparativos para o massacre.

Algumas potências européias, recentemente, foram demovidas de sua neutralidade e, agora, ameçadoramente afirmam que a guerra pode ser evitada, "desde que o Iraque permita as inspeções de eventuais armas de destruição massiva". A mudança de atitude, todavia, surpreende apenas pelo fato de haver despojos distribuídos antes de iniciada a agressão.

Os alemães, por exemplo, estão colocando seus mísseis antiaéreos Patriot à disposição do EUA que, por sua vez, deverá transferi-los para a Turquia e Israel, a pretexto do eventual risco de serem atacados pelos mísseis Scud, da guerra de 1991. O governo alemão aceitou transportar, dentro de seu território, as tropas ianques, já acantonadas naquele país, e aviões americanos e britânicos poderão sobrevoar, sem restrições, o espaço aéreo alemão. Os tanques alemães antiarmas ABQ (atômico, bacteriológico e químico) encontram-se no Kuwait. Trabalharão sob as ordens do exército ianque. As tropas especiais alemãs, desde o Afeganistão, terão seu efetivo aumentado de 1.200 para 2.000 homens. Deverão ocupar-se da região de Kabul, ao lado das tropas holandesas, para permitir que forças ianques alcancem o Golfo sem qualquer atropelo. A marinha alemã navegará em torno do chifre da África em operações de patrulha na região repleta de militantes árabes.

O direito de destruir as nações

Em fins de outubro de 2002, a burguesia européia evitava envolver-se na guerra do Oriente Médio, uma vez que a agressão militar ianque vinha estimulando a resistência contra todos os imperialistas, inclusive, os da Europa.

A intervenção contra o Iraque aumentará consideravelmente os sentimentos antiianques no mundo árabe, e se voltarão contra toda sorte de colonialismo e feudalismo em seus países de origem, acelerando a revolução. É o que pressentiam as grandes burguesias da França, Bélgica e Alemanha, opondo-se à estratégia de guerra preventiva do USA, movida contra os que ensaiam separar-se do império ianque. "E existem 4 milhões de árabes na França", advertia o governo francês, no que era respaldado pelo ministro alemão de assuntos estrangeiros: "Uma guerra no Iraque conduzirá a uma radicalização na região."

Até há pouco, o ex-ministro francês Védrine dizia: "Somos contra a aproximação simplista e absoluta da luta contra o terrorismo". Já Fischer, seu colega alemão, preferiu afirmar: "O eixo do mal não é nossa maneira de fazer política. A UE (União Européia) prefere o diálogo diplomático, as relações comerciais e a luta contra a pobreza para eliminar o potencial de desespero e os riscos de segurança no mundo".

Se tais palavras confortam as colônias e semicolônias e fazem crer que as feras já caminham em direções opostas, cabe lembrar que assim falam os que não vêem nenhum problema em bombardear a Iugoslávia e esquartejá-la, promover o genocídio em Ruanda etc. e etc. São os que consideram o embargo genocida contra o Iraque "meio diplomático" e "lavam as mãos" diante do extermínio dos palestinos.

Além disso, o hegemônico USA, pela própria natureza do imperialismo, foi obrigado a estabelecer uma nova estratégia se arrogando no direito de destruir a capacidade militar de qualquer adversário potencial —antes que ele se desenvolva. Isto é dirigido, em primeiro lugar, aos movimentos antiimperialistas e socialistas do Terceiro Mundo, mas — em termos —, também, à Rússia, China e potências da Europa. É uma estratégia que não tem retorno e impulsiona todas as potências à pilhagem, o quanto antes, acelerando a necessidade de acumulação de forças para embates maiores entre si, no futuro.

Nem todas as negociações sobre a partilha do mundo são do conhecimento público. Às vezes, sequer seus efeitos – caso da África, saqueada e vazia de gente. Hoje, as potências fazem exibições de armamento, deslocam tropas, ainda que sob veementes protestos dos povos, e são, abertamente, cúmplices dos USA no massacre. Primeiro contra o Iraque. Os outros virão depois, até que a luta de libertação das nações faça dobrar suas vontades.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja