A revolução no país de um bilhão de habitantes

A- A A+

Povo adivasi responde com luta à campanha contra-revolucionária

Em 19 de novembro a imprensa indiana noticiou um contundente ataque atribuído aos combatentes do Exército Guerrilheiro Popular de Libertação – EGPL, dirigido pelo Partido Comunista da Índia (Maoísta), que descarrilou um trem em Orissa, estado localizado no golfo de Bengala. Uma explosão nos trilhos fez com que cinco vagões descarrilassem instantes após a sua partida da estação de Jaipur.

Essa ação do EGPL ocorreu apenas uma semana após uma greve geral deflagrada em resposta aos ataques do Estado reacionário indiano contra os adivasis (comunidades tribais) em Bengala Ocidental e o movimento naxalita encabeçado pelo PCI (Maoísta). Intelectuais e personalidades democráticas indianas denunciam campanha genocida perpetrada pelo velho Estado, denominada "caçada verde", que espalha o terror nas regiões de florestas e nas regiões agrárias da Índia.

Greve geral contra perseguição policial

Uma greve geral convocada pelo Comitê Popular Contra as Atrocidades Policiais paralisou diversas atividades no distrito de Jhargram, em Bengala Ocidental, região com predominante população adivasi e intenso trabalho dos naxalitas. O Bandh (como é chamada a greve geral pelos indianos) foi convocado em 11 de novembro, quando ativistas do Comitê foram atacados pelas forças policiais e os planos do governo central de enviar uma grande força paramilitar para as zonas de floresta.

Há exatamente um ano, uma grande mobilização adivasi se desdobrou em mais de um mês de enfrentamentos nessa mesma região que engloba os departamentos de Lalgarh, Jhargram, Belpahari, Binpur e zonas vizinhas do Midnapore Ocidental (ver AND 56)

A revolta das massas transbordou na forma de violentos protestos. O periódico indiano The Hindu e a agência BBC noticiaram paralisações armadas nos estados de Bihar, onde o movimento paralisou todos os mercados das zonas rurais; no Jharkhand, a circulação de caminhões e locomotivas, bem como a extração de carvão foram paradas; Chhattisgarh, Maharashtra, Andhra Pradesh e Bengala Ocidental foram fortemente atingidos pela mobilização.

Campanha contra-revolucionária

Após o início de uma campanha de difamação na imprensa, no dia 5 de outubro, a polícia do Bengala Ocidental prendeu, em Calcutá, Raja Sarkhel e Prasun Chatterjjee, conhecidos ativistas de Bengala Ocidental e importantes membros da Frente Democrática Revolucionária, acusando-os de "ligação com o PCI (Maoísta)".

A reação passou a praticar todo tipo de abuso abrigada pela "Lei de Prevenção de Atividades Ilícitas", de 2008, que autoriza a prisão arbitrária de pessoas por "associação", mesmo que não haja nenhuma acusação específica contra elas. Antes mesmo dessas prisões, em 26 de setembro, policiais que se apresentaram como jornalistas sequestraram Chhatradhar Mahato, conhecido líder do Comitê Popular Contra as Atrocidades Policiais em Lalgarh.

Vozes se levantam em defesa dos adivasis

Adivasis com arcos e flechas em apresentação cultural celebrando os 40 anos do levantamento de Naxalbari

Em meados de outubro, representantes da intelectualidade indiana e de outros países emitiram um "Comunicado contra a ofensiva militar do Governo da Índia nas regiões habitadas pelos adivasis" que foi encaminhado ao governo indiano.

Em seu comunicado, os intelectuais declaram estar "profundamente preocupados com os planos do governo indiano de lançar uma ofensiva militar sem precedentes do exército e das forças paramilitares nas regiões habitadas pelos adivasis nos estados do Andhra Pradesh, Chhattisgarh, Jharkhand, Maharashtra, Orissa e Bengala Ocidental."

O comunicado é assinado por destacados intelectuais indianos, entre eles a escritora e ativista dos direitos do povo Arundhati Roy, professores, artistas e defensores da luta dos adivasis e do povo indiano, bem como o conhecido professor Noam Chomsky, entre outros.

Esse conjunto de corajosos intelectuais encerrou seu comunicado declarando saberem que a ofensiva do Estado indiano é uma tentativa de esmagar a resistência popular de forma a facilitar a entrada e a operação de grandes grupos de empresas que visam exploração dos recursos naturais e dos habitantes dessas regiões.

"Caçada verde"

A "operação caçada verde" é uma campanha de contra-insurgência em escala sem precedentes na Índia que tenciona enviar um dispositivo de cem mil soldados e outras forças de repressão para as montanhas selváticas da Índia oriental e central para esmagar a rebelião dos adivasis e atacar as bases de apoio naxalitas.

Vários defensores do povo adivasi e personalidades indianas têm alertado para o desenrolar dos fatos, particularmente a escritora Arundhati Roy, que vem desenvolvendo uma intensa militância na defesa do povo indiano e denúncia das campanhas do velho Estado.

Ela ataca veementemente essa operação reacionária cujo fim é o que o governo chama de "solução Sri Lanka". Essa denominação, de acordo com Arundhati Roy, é inspirada na recente ofensiva do governo do Sri Lanka com ataques terrestres e aéreos deflagrados contra os Tigres Tamil. Essa ofensiva resultou no massacre de milhares de civis. Centenas de milhares de pessoas foram presas em campos de concentração, onde a maioria ainda encontra-se em condições degradantes. Após essa agressão, bases militares estão sendo construídas no coração Tâmil. Eis o modelo seguido pelo Estado indiano.

Surge a milícia popular

No dia 26 de outubro último, o jornal Times da Índia noticiou:

O Comitê Popular Contra as Atrocidades Policiais, fórum democrático de luta do povo indiano, se transformou em uma milícia popular, a Milícia Sidhu Kanu Gana .

O anúncio do assumimento dessa nova forma de organização veio após a tomada de 10 armas por militantes e a realização de ações armadas em Goaltore. A porta-voz do antigo Comitê Popular Contra as Atrocidades Policiais, Asit Mahato, explicou que a decisão para a substituição das formas de organização ocorreu após o enfrentamento de contínua tortura e ataques por parte do governo, daí partiu a decisão de pegar em armas para combater as forças do velho Estado.

Notícias da imprensa indiana relatam que aldeões realizam tomadas de armas de fogo em delegacias e as distribuem entre as massas. Desde a manhã do dia 26 de outubro as forças de repressão tem sido surpreendidas por ações da resistência nas aldeias como Teshkan, Makli e Hiraban-DH.

"Certamente venceremos o governo"

Traduzida do francês por Beatriz Torres

(Trechos da entrevista publicada pela revista Open, de 17 de outubro de 2009)

À primeira vista, Mupalla Laxman Rao, que em breve fará 60 anos, parece ser um professor, de fato, ele lecionava, no início de 1970, no distrito de Karimnagar, em Andrah Pradesh. Mas em 2009, este homem de voz suave, usando óculos, tornou-se o homem mais procurado por toda a polícia da Índia. Ele dirige uma das mais importantes guerras populares do mundo. É um homem comum chamado Ganapathi, segundo o dossiê do Ministério do Interior, um homem cujas ordens são cumpridas em 15 estados da União.

 

Lalgarh foi descrita como uma nova Naxalbari para o PCI(M). Por que esta sublevação teve tanta importância para você?

O levantamento das massas, em Lalgarh, sem dúvida alguma levou novas esperanças ao povo oprimido e a todo o campo revolucionário em Bengala Ocidental. Ele ocasionou um impacto grandiosamente positivo, não somente sobre as pessoas de Bengala Ocidental, como também sobre as pessoas do país inteiro. O levante revelou-se como um novo modelo para o movimento de massas no país. O povo de Lalgarh boicotou a recente eleição do legislativo, mostrando também sua ira e decepção contra todos os partidos reacionários. Em Lalgarh ocorreram outros fatos interessantes: uma grande participação das mulheres no movimento, um caráter autenticamente democrático e uma imensa mobilização dos Adivasis (membros de tribos, párias da sociedade indiana). Não há dúvida que é o ponto de união das forças revolucionárias democráticas de Bengala Ocidental.

 

Como os maoístas irão se unir a ele este movimento?

No que concerne ao papel do nosso Partido, temos trabalhado nos distritos de Paschim, Midnapur, Bankula e Perulia, região que depois dos anos de 1980 passou a ser chamada habitualmente de Jangalmahal. Nela temos combatido as forças feudais locais, a opressão e a exploração dos funcionários florestais, os usurpadores inescrupulosos, os capitalistas e os bandidos do Partido Comunista da Índia (Marxista) – no Poder do Estado de Bengala Ocidental – e os do Congresso Trinamool. Em particular, o PCI (Marxista) tornou-se o principal opressor e explorador dos Adivasis da região e tem utilizado seus bandidos de sinistra reputação, os Harmad Vahini, contra todos os que contrriam sua autoridade. Com o poder do Estado nas mãos e com a ajuda da polícia o PCI (Marxista) desenvolve um papel ainda mais nefasto que os feudais, os mais cruéis de todas outras regiões do país.

 

Qual é sua estratégia agora em Lalgarh depois da ofensiva massiva das forças do Estado?

Antes, gostaria que ficasse bem claro que nosso Partido vai contra-atacar e que se manterá firme ao lado do povo de Lalgarh, de toda a Jangalmahal e que terá uma estratégia conforme o mando e o interesse do povo. Nós iremos estender, por todas as partes, a luta contra o Estado e nos esforçaremos para levar toda a massa a abraçar a causa do povo. Combateremos a ofensiva do Estado mobilizando com mais empenho as massas contra a polícia, as milícias e os bandidos do PCI (Marxista).

 

Em sua opinião, seu partido tirou alguma lição em Lalgarh?

Sim. Sua revolta ultrapassou nossas expectativas. Realmente, foi a base do povo, com a ajuda dos elementos mais avançados, influenciada pelas idéias políticas revolucionárias, que desempenhou o papel determinante ao indicar as formas da luta. Ela constituiu sua própria organização, redigiu sua plataforma de reivindicações, inventou novas formas de luta e enfrentou a agressão da polícia e dos bandidos social-fascistas dos bandos da Harmad. Ao expandir a frente de combate ao máximo possível, adotando práticas adequadas, combinando o movimento militar/político de massa com a resistência popular armada e a ação do nosso Exército Guerrilheiro Popular de Libertação (EGPL) infligimos derrota na ofensiva massiva das forças do governo Central.

 

O Estado qualifica o PCI (Maoísta) uma organização terrorista. Quais são as consequências para seu Partido?

O governo da UPA (Aliança Progressiva Unida – que governa a Índia) iniciou seu último mandato anunciando que destruiria a "ameaça" maoísta e se propôs a despejar enormes somas de dinheiro nos estados com esta intenção. A causa imediata foi a pressão exercida pela burguesia compradora e burocrática e os imperialistas, em particular o imperialismo ianque, que querem saquear os recursos de nosso país sem qualquer entrave. Esses tubarões aspiram as abundantes riquezas naturais, minerais e florestais de uma vasta região que se estende desde Jangalmahal até o norte de Andrah Pradesh.

Uma outra razão importante da ofensiva atual das classes dirigentes é o medo do rápido crescimento do maoísmo e sua crescente influência sobre uma significativa parte da população da Índia. Os governos populares de Dandakaranya e os comitês populares revolucionários de Jharkand, em Orissa, e em setores de outros estados, tornaram-se modelos de desenvolvimento e de autênticas democracias.

 

Qual é o seu plano para resistir a essa grande ofensiva preparada pelo Estado indiano?

Os sucessivos governos centrais e de diferentes estados desenvolveram muitos planos neste sentido durante muitos anos. Mas eles não obtiveram nenhum sucesso importante apesar de seus atos de crueldade e morte de centenas de nossos quadros e de nossos dirigentes. Nosso Partido e nosso movimento continuam a se consolidar e a se estender geograficamente. Dos dois ou três estados iniciais agora estamos ativos em mais de 15, o que provoca pânico nas classes dirigentes. Sobretudo depois da fusão do antigo Centro Comunista Maoísta da Índia e do Partido Comunista da Índia (marxista-leninista) (Guerra Popular) em setembro de 2004 (a fusão da qual nasceu o PCI Maoísta), o governo da UPA deslanchou uma ofensiva geral e sem piedade contra o movimento maoísta. Mas nosso Partido continuou seu crescimento apesar de algumas perdas importantes. Particularmente, nestes três últimos anos nosso exército obteve muitas vitórias importantes.

Apoiado e com a participação das massas, nós nos confrontamos com sucessivos ataques do inimigo. Continuaremos a enfrentar a nova ofensiva do inimigo enaltecendo o nível desta resistência heróica e preparando a totalidade do Partido, o Exército de Libertação, os diversos partidos e organizações revolucionárias populares. Embora que o inimigo possa obter algum sucesso na fase inicial de sua ofensiva, certamente nós nos preveniremos e venceremos a ofensiva governamental graça à mobilização ativa das massas e a sustentação de todas as forças revolucionárias e democráticas de todo o país. Nenhum regime fascista ou qualquer ditador militar na História conseguiu suprimir com o uso da força bruta as lutas democráticas e justas do povo. Pelo contrário, na devida hora eles foram e sempre serão banidos pela maré montante da resistência popular. É o povo que faz a História, e ele se erguerá como um furacão, sob a direção de nosso Partido, para eliminar os vampiros reacionários sugadores de sangue, os dirigentes de nosso país.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja