"O choque de ordem é só para os pobres"

A- A A+

Como AND vem noticiando desde o princípio do gerenciamento fascista de Eduardo Paes na prefeitura do Rio de Janeiro, em novembro o "choque de ordem" seguiu sua trajetória de agressão a camelôs, moradores de rua e de bairros pobres ameaçados pela especulação imobiliária das milionárias construtoras que patrocinaram a campanha deste legítimo inimigo do povo.


Na Tijuca, choque de ordem derruba lava-jato que funcionava há 18 anos

Antes mesmo de começar o mês de novembro, no dia 30 de outubro, guardas da prefeitura rodaram o centro da cidade e prenderam 20 flanelinhas, acusando-os de extorsão e exercício ilegal da profissão.

Na manhã do dia 8, guardas da prefeitura, acompanhados do secretário de ordem pública, Rodrigo Bethlem, foram até a encosta do morro do Vidigal e destruíram três pequenos depósitos, onde ambulantes que trabalham nas praias do Leblon e São Conrado, guardavam cadeiras, caixas de isopor e guarda-sóis.

— O choque de ordem é só para pobres. Aqui na zona Sul, eles só vêm pra tirar quem está dormindo ou trabalhando na rua, porque incomoda a alta classe que mora aqui. Agora quando é para demolir, eles batem na porta do pobre e mandam sair, senão derrubam com você dentro. Trabalho para ter dignidade, coisa que o Eduardo Paes está me roubando — disse o ambulante Sebastião Rocha, de 36 anos, morador do morro do Vidigal.

O mesmo aconteceu na Vila do João dois dias depois, quando cerca de 100 brutamontes do "choque de ordem" demoliram 26 barracas usadas por camelôs e rebocaram uma Kombi, utilizada por um trabalhador para comercializar caldo de cana. Toda mercadoria que estava exposta foi roubada pelos guardas deixando dezenas de comerciantes com uma mão na frente e outra atrás.

Perceba que o foco das demolições deflagradas pela prefeitura, concentra-se nos bairros pobres, enquanto que a repressão a camelôs e moradores de rua é comum nos bairros nobres da capital fluminense, revelando o caráter de classe da repressão: limpar a pobreza das ruas dos bairros "nobres" e demolir as casas da população empobrecida dos bairros populares.

No dia 11, a tropa de Eduardo Paes foi a Tijuca, onde reduziu a pó um antigo lava-jato que completaria em dezembro 18 anos de serviços prestados à população local.

Dia 13, as operações aconteceram por toda a orla da capital, onde camelôs foram presos, mercadorias foram roubadas e carros foram rebocados — entre eles uma Kombi estacionada regularmente, que era usada como depósito pelos trabalhadores. No total foram tomados dos comerciantes 316 latas de cerveja, 230 kg de fruta, 7 kg de balas, 73 pacotes de biscoito e 232 panos.

No dia seguinte, ambulantes vendiam cerveja para torcedores na entrada do Maracanã, em dia de jogo pelo campeonato brasileiro de futebol, quando foram abordados a tapas e socos por guardas municipais. Revoltados, torcedores tentaram impedir as agressões dos guardas e acabaram apanhando também.

No dia 15, os cães de guarda da prefeitura foram à zona Sul da cidade e impediram 84 adultos e 32 crianças de dormir na rua. Eles foram obrigados a seguir para a Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente e para as fundações municipais de assistência da prefeitura, que nada mais são do que buracos imundos, onde os "acolhidos" são tratados como presos e, por isso, acabam voltando para a rua.


Trabalhadores resistem bravamente


Recreio dos Bandeirantes, moradores retornam com móveis para suas casas

No Recreio dos Bandeirantes, moradores dos prédios próximos à favela do Terreirão, ameaçados pelos tratores da prefeitura, obtiveram vitória na tarde do dia 12 de novembro, após a suspensão liminar das demolições previstas pela secretaria de ordem pública na região. A decisão foi tomada pela juíza substituta da 8ª Vara de Fazenda Pública, Camila Novaes, no momento em que dois prédios na Rua Gilka Machado já estavam recebendo as primeiras marretadas dos agentes da Comlurb. Móveis e outros pertences dos moradores haviam acabado de ser retirados do interior dos edifícios e tiveram que ser colocados de volta.

Essa é a segunda vitória dos trabalhadores da região, desde julho desse ano, quando a prefeitura ficou impedida, até outubro, de realizar qualquer ação de despejo e destruição no Recreio dos Bandeirantes, área cobiçada das mais sórdidas maneiras pelo milionário monopólio da construção civil.

Camelôs protestam em São Gonçalo


Em São Gonçalo camelôs enfrentam opressão da prefeitura com brava resistência

E não é só no Rio que camelôs encontram-se encurralados pela ira reacionária dos gerenciamentos de turno. Em São Gonçalo, uma operação da Subsecretaria de Posturas atacou vendedores ambulantes que trabalhavam na Estrada Raul Veiga, onde a prefeita Aparecida Panisset, proibiu os trabalhadores de ganharem seu sustento honestamente.

Porém, o que a opressão encontrou foi uma brava resistência dos camelôs, que fecharam a via expressa e bloquearam-na com caixas e pneus em chamas. Com a chegada da polícia, mais confrontos aconteceram. Paus e pedras foram utilizados pela resistência dos trabalhadores, enfurecidos com mais essa agressão do Estado corrupto e falido. O movimento recebeu amplo apoio do povo de São Gonçalo, incluindo os motoristas de vans e kombis, que fazem o transporte alternativo à máfia da Federação de Transportes do Estado do Rio. Os profissionais estão sendo atacados desde outubro, quando, pela primeira vez em um único município, o serviço foi proibido pela prefeita.

— Onde já se viu isso? Em menos de um mês impedir mais de 5 mil pessoas de trabalhar honestamente. Depois dizem que a gente é vagabundo. A verdade é que nós estamos na luta, enquanto nossos filhos estão em casa passando fome. Se a gente não fosse honesto estaríamos roubando, não lutando. Vagabundo é quem enche o bolso de dinheiro do povo e se envolve com um monte de máfia para impedir a gente de trabalhar, enquanto tinha que defender nosso direito — protesta o motorista Tino Ferreira da Silva, de 36 anos.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja