Criminalização dos usuários de drogas - Quais usuários?

A- A A+

Mais uma vez o Estado semifeudal e semicolonial e sua máquina de contrapropaganda acenam com uma panacéia a fim de camuflar sua política criminosa de terrorismo e aumento da violência contra o povo.

Após os recentes episódios de incidentes mais graves protagonizados pela polícia e por traficantes na cidade do Rio de Janeiro, voltam à carga com os gritos por criminalização dos usuários de drogas, em mais uma nuance da sanha sanguinária desencadeada pelas forças de repressão após a queda do helicóptero da polícia militar. Resta saber: quais usuários eles querem criminalizar e encarcerar? Em uma mesma semana, os fariseus do monopólio dos meios de comunicação responderam claramente a esta pergunta por meio de dois dos seus maiores expoentes: a Rede Globo e a revista Veja.

No dia 26 de outubro, uma segunda-feira, o Jornal Nacional da Globo levou ao ar em seu espaço "mais nobre", o primeiro bloco entre os intervalos, uma entrevista ao vivo com Ronaldo Laranjeira, renomado psiquiatra e professor da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), especialista em tratamento de viciados em drogas. Laranjeira foi levado à rede nacional pela Globo na sequência de uma outra entrevista, com o pai de um rapaz de classe média que denunciara à polícia o filho que, sob o efeito de drogas, havia dias antes estrangulado a namorada com as próprias mãos. O rapaz foi indiciado por homicídio e a pena pode chegar a 20 anos de prisão.

O pai, o poeta Luiz Fernando Prôa, lamentou o seu drama e se queixou das dificuldades que existem no Brasil para que uma família consiga internar uma pessoa viciada, ainda que ele mesmo diga que o filho assassino, Bruno, tenha passado por cinco internações e sofrido várias recaídas. A Globo, simulando comoção com o caso, num lampejo "quase-humano", algo de que é incapaz, passou, daí por diante, a convocar especialistas para tratar a questão como um drama familiar, ou melhor, um drama de classe: tamanha mobilização da máquina burguesa de propaganda para falar com alguma serenidade sobre a questão das drogas, que é acima de tudo uma questão de saúde pública, é um privilégio concedido apenas aos membros da "classe média" para cima.

Quando se trata de abordar o vício em crack ou cocaína entre moradores de rua ou entre os jovens das periferias das grandes cidades, convoca-se o delegado, o comandante da Polícia Militar, o especialista em segurança pública e profissionais que tais, todos eles mais ou menos ligados às engrenagens do aparelho repressivo do Estado.

A questão das drogas, abordada como problema psicológico quando afeta os assinantes do jornal O Globo e dos canais a cabo da Globosat, rapidamente se transforma pura e simplesmente em caso de polícia quando os viciados são gente pobre — e para isso nem precisa que essa gente estrangule quem quer que seja; basta ser flagrado pelas câmeras da Globo fumando uma pedra de crack, ou ser parado pela polícia na rua com drogas no bolso.

É simples: quando a Globo, por meio de seus jornalistas e comentaristas, pede a criminalização dos usuários de drogas, o companheiro trabalhador pode estar certo: eles não falam em meter em cana o famoso ator de novelas atormentado pelo vício em cocaína. Não. Este foi fazer tratamento de desintoxicação no exterior. O alvo mirado são os filhos das classes populares, a fim de incrementar a política de encarceramento em massa dos pobres, modelo criado no USA e exportado para as semicolônias como complemento à destruição dos direitos e garantias dos trabalhadores e à precarização generalizada das condições de vida imposta pelo imperialismo.

A revista Veja, que chegou às bancas no mesmo dia da entrevista ao vivo do psicanalista no Jornal Nacional, trouxe na capa a chamada: "Quem cheira mata, e outras 14 verdades incômodas sobre o crime no Rio de Janeiro". Em uma das tais "verdades" enumeradas, a Veja pregou a remoção das favelas, chamada de "terreno ideal para esconderijo de bandidos", em uma clara apologia ao higienismo social, e como se o terreno mais fértil para a proliferação de bandidos de toda ordem não fossem os corredores e salas de reuniões — e redações de jornais, revistas e emissoras de TV a serviço das classes reacionárias ou os órgãos da burocracia estatal, onde são arquitetadas as criminosas políticas antipovo.

O rufar dos tambores repressivos que nos chega pelas páginas e transmissões do monopólio da imprensa tem um único objetivo: incrementar a repressão às massas no momento em que o povo dá claras demonstrações de rebelião contra seus algozes. O Ministério da Justiça já tem planos para construção de mais presídios, uma penitenciária federal em cada região do país. Serão novos palcos para as velhas cenas de tortura, maus tratos e precárias condições de sobrevivência dentro das penitenciárias do Estado, às quais a Rede Globo, em sua ensandecida sanha antipovo, já chegou a se referir como "clube de lazer dos bandidos". Lá mesmo, onde agentes penitenciários costumam enfiar a cabeça dos detentos na privada imunda, e volta e meia são flagrados em pleno exercício do seu nefasto ofício de carrasco.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza