Delegação de haitianos denuncia exército brasileiro

A- A A+

No dia 01/06 deste ano, completou-se 5 anos da criminosa invasão colonial da "Missão das Nações Unidas para a Estabilização no Haiti" (Minustah), liderada pelo Brasil à serviço do USA.


Gonaives, Haiti. Fila para receber alimentos

Atualmente, a ONU gasta para manter a invasão criminosa, aproximadamente U$$ 600 milhões por ano. São cerca de 7 mil soldados, de países como: Argentina, Chile, Bolívia, Peru, Canadá, Paraguai, Uruguai, França, Portugal e outros. Só o Brasil possui 1300 militares no país caribenho como garantia de retorno certo para os mafiosos capitalistas.

Em novembro, a reportagem de AND esteve em Guararema-SP, junto com Lúcia Skromov, do Comitê Pró-Haiti, conversando com uma delegação de haitianos. Joseph Gaetan, Tanis Tertius, Elie Kamety, Questamène Cenor e Joseph Jacques Hebreux militam em organizações diferentes, mas unidos pela mesma causa: a libertação do Haiti.

Economia destroçada

O país vive uma situação de total caos econômico como consequência, entre outros fatos, da política de subjugação nacional imposta pelo gerente de turno René Préval.

Segundo Joseph Hebreux, a ocupação militar é, na verdade, uma garantia de ocupação econômica por parte das transnacionais que vêm invadindo o país e o transformando numa grande maquiladora.

Este plano imperialista tem como estratégia a implantação de uma grande quantidade de zonas francas em que as transnacionais produzam direto para o mercado ianque a custos baixíssimos, se aproveitando da situação de miséria do povo haitiano e dos seus baixos salários. Cerca de 80% da população é miserável, o salário mínimo é de U$$ 3,75 por dia, mais de 50% da população é analfabeta e a expectativa de vida é de apenas 51 anos, com uma renda per capita equivalente a um terço do mesmo índice medido na favela da Rocinha no Rio de Janeiro.

O Haiti é o país mais pobre das Américas e o país mais pobre do mundo fora do continente africano. Suas crianças, para sobreviver, tem que se sujeitar a uma alimentação composta por biscoito de barro pela escassez de alimento. Hebreux diz que 80% da alimentação é importada: "As terras que são produtivas, que poderiam produzir comida para o povo estão sendo ocupadas pelo capital das maquiladoras e sendo transformadas em zona franca. As zonas francas estão em terras férteis" (...), "Há o tal mercado livre que, para nós significa comprar tudo de fora para vender dentro"(...), "80% da comida e da roupa são importadas, diferente de 33 anos atrás quando plantávamos e vendíamos para o mercado interno. Portanto, hoje no Haiti não há soberania alimentar".

O desemprego no país é uma outra chaga que cresce a cada dia. Estima-se que 80% da população economicamente ativa esteja desempregada sem qualquer tipo de assistência social e 75% das crianças nunca foram vacinadas, grande parte dos bairros pobres não possui coletas de lixo e 75% das casas não tem água encanada.

Tropas Assassinas  

Após cinco anos de opressão, vendida ao mundo como estabilização,o que se vê é o contrário dessa falácia. Os soldados invasores são verdadeiros assassinos à serviço da exploração de um povo miserável. O objetivo principal das tropas é a repressão encarniçada as manifestações populares por melhores condições de vida e proteger as multinacionais que exploram o povo haitiano. "Quando os movimentos sociais se organizam para se manifestar, a ONU entra em cena e os soldados da Minustah agridem e reprimem as manifestações como se elas fossem guerra, não se pode manifestar no Haiti"(...), "O papel jogado pela ONU ali é a favor do capital e não do trabalhador e não do povo", diz Hebreux.

A prova disso foi a repressão desencadeada contra os trabalhadores que se manifestaram recentemente contra os deputados que derrubaram o reajuste do salário mínimo.

As tropas assassinas, assim como agem nas favelas brasileiras, estão promovendo um verdadeiro terror contra a população pobre do Haiti, o que estão cometendo é um verdadeiro genocídio. Sobre estes fatos   Hebreux afirma que "o apoio que os soldados estão dando no Haiti é o estupro de meninas, violência sexual, sequestro de pessoas para pedir resgate"(...), "Antes do exército chegar, não havia sequestro, foi com a chegada dos soldados que começaram os sequestros, temos noticias de que há soldados que estão sequestrando pessoas e exigindo resgate"(...), "Houve o sequestro de uma criança e pediram resgate. O dinheiro veio para o Brasil".

Segundo denúncia dos militantes haitianos, em Porto Príncipe (capital do país) os bairros mais pobres e as favelas estão vivendo situações de extrema gravidade pois os soldados invadem e atiram, "Há marcas de bala nas casas e o índice de mortes é maior nos bairros populares".

Quem sai lucrando?

As transnacionais vem se beneficiando principalmente dos acordos de livre-comércio com o USA, e do menor salário das Américas. Em 2006 por exemplo, o governo ianque criou uma lei de livre-comércio que garante vários tipos de isenção fiscal principalmente para os setores de eletro-eletrônicos, vestuário e automobilístico, que produzem no país com destino ao USA.

Em 2007 na visita de Bush ao Brasil, ele e Luiz Inácio declararam que pretendiam realizar investimentos na área de biocombustível no Haiti.

Em maio deste ano, a ONU nomeou o ex-gerente ianque Bill Clinton como enviado especial ao Haiti, cumprindo a função de atrair e tranquilizar os investidores privados no país. Em outubro ele declarou que "O país vive o momento de menor risco político de sua história", mostrando claramente sua condição de agente imperialista para promover o saque ao país.

Outros que também vem aproveitando muito bem o serviço prestado por Luiz Inácio, são as instituições parasitas do capital financeiro mundial BID, FMI e BIRD: estes são credores de nada menos que 80% da dívida externa do país . Entre os anos de 2004 a 2005, 22% do orçamento público foi destinado ao pagamento da dívida, de 2005 a 2006, a soma do pagamento dos juros mais amortizações chegaram a cifra de U$$ 69,2 bilhões, enquanto o destinado a saúde no período foi de U$$ 33,3 bilhões. Já de 2006 a 2007, foram gastos com esta verdadeira pilhagem U$$ 71 bilhões sacrificando toda a população em prol de meia dúzia de banqueiros imperialistas salteadores.

Nesta terra "fértil" onde os poderosos se saem bem, sobra também uma fatia deste bolo ao vice-gerente de turno brasileiro José Alencar, que vem instalando suas indústrias têxteis no país, como disse muito bem Hebreux, "O Haiti está parecendo um bolo em cima de uma mesa. Todos vão querer pegar uma parte para satisfazer sua ganância, sua fome econômica e o povo na miséria".

Com todo o silêncio cúmplice do monopólio de comunicação no Brasil, é necessário que os movimentos populares passem a divulgar a todo povo brasileiro a realidade do país caribenho. Só assim, com uma ampla frente de luta poderemos criar grandes manifestações pela retirada das tropas invasoras.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja