Um artista do povo

A- A A+
 

Solano Trindade foi militante comunista, poeta, pintor, teatrólogo. Foi contra a injustiça social e racial e amante das artes. Sua história se confunde com a vocação artística da cidade de Embu das Artes. Sua filha, Raquel Trindade, continuadora de seus trabalhos nos conta sua trajetória, que se mistura com a sua própria. E vice-versa.

Nascido no Recife, em 1908 Solano aprendeu desde cedo com o pai, o sapateiro Manuel Abílio a dançar o Pastoril e Bumba-meu-boi. Com a mãe, Emerenciana, quituteira, iniciou-se na literatura de cordel e na poesia romântica. No entanto, diferente de seus pais, Solano foi revolucionário para sua época.

Ainda morando no Nordeste, participou de movimentos negro-culturais, como I e II Congressos Afro-Brasileiro ocorridos em 1934 e em 1937, organizados e propostos por Gilberto Freire, e em 1936 cria a Frente Negra Pernambucana com José Vicente Limas, o Barros Mulato e mais alguns companheiros da época. A Frente visava a luta anti-racista e a busca das raízes culturais africanas.

Depois de publicar alguns poemas, inicia sua peregrinação. Viaja para Minas Gerais e depois para o Rio Grande do Sul onde cria um Grupo de Arte Popular.

Mas Solano deixou mesmo a família no nordeste para tentar a vida o Rio de Janeiro. É Raquel, sua filha, que nos conta:

— Depois que ele se foi, mamãe achou que ele estava demorando demais, e nós viemos de navio atrás dele. Ela só sabia que ele se reunia no Vermelhinho [bar e café], que ficava em frente à Associação Brasileira de Imprensa, ela foi lá e o Grande Otelo falou: "ele vem todo dia aqui, à tarde". Ele nos recebeu como se ele mesmo tivesse nos mandado buscar. Os amigos fizeram uma ‘vaquinha' e ele alugou uma casa de cômodo na Rua do Livramento, no Rio de Janeiro, na Gamboa.

A militância política

O Vermelhinho era um local onde se reuniam jovens artistas, poetas, intelectuais e jornalistas de esquerda. Ali era amigo de pessoas como o Barão de Itararé e Santa Rosa, Aníbal Machado, a escritora Eneida ... Raquel lembra que discutiam sobre a Segunda Guerra, sobre a União Soviética, sobre Stálin, sobre Trotski.

Na década de 40, Solano Trindade ingressou no Partido Comunista. Pouco depois ele e a família mudam-se para a cidade de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Pertencia à célula Tiradentes, que funcionava em sua própria casa, onde se reuniam camponeses, intelectuais e operários. Sobre esse período da sua militância quem se lembra é Raquel:

— Ele tinha tarefas que o partido passava. Muita coisa a gente não podia saber. Tinha as festas do aniversário de Prestes. Tinha os comícios, teve a época do "O petróleo é nosso", eu até fui ajudar a colher assinatura, teve uma época depois contra a bomba atômica. Muita coisa eu não sabia, mas eu era mocinha e ainda não estava ligada.


Elenco do Teatro Popular S. T.

Solano foi preso duas vezes, uma em Niterói e outra durante a perseguição comunista do governo Dutra, quando morava em Duque de Caxias. Raquel conta que a polícia chegou, e seu irmão, Liberto, estava adoentado, com sarampo. Os policiais viraram o colchão com o menino e tudo para ver se tinha armas, Disseram que tinha uma denúncia.

— Levaram ele preso. Primeiro nós pensávamos que era por causa do poema (Tem gente com fome), mas agora com um levantamento no Dops que eu descobri que foi denúncia, de uma pessoa que convivia no vermelhinho conta Raquel. Mãe e filha percorreram todas as prisões para achar o pai na preocupação com as torturas. Acharam e ele não foi torturado.

Solano saiu do partido porque acreditava que o problema dos negros não era apenas econômico, era racial também. Acreditava que o povo pobre precisava também ter mais acesso à cultura e às artes para ter igualdade "Não faremos lutas de raças, porém ensinaremos aos irmãos negros que não há raça superior nem inferior e o que faz distinguir um dos outros é o desenvolvimento cultural. São anseios legítimos a que ninguém de boa fé poderá recusar cooperação" , disse Solano.

Solano morreu socialista, mas fora do partido.

Solano das artes

Também militante das artes, Solano, além de pintar e escrever seus poemas, lutou muito para que a arte popular e folclórica fosse amplamente divulgada e difundida.

Pouco depois de chegar ao Rio de Janeiro, em 45, cria juntamente com a mulher e Haroldo Costa o Teatro Folclórico Brasileiro. Nessa época, Solano já tem seus quadros vendidos internacionalmente, em exposição coletiva e um de seus livros publicados, o n Poemas d'uma vida simplesn . Do Teatro Folclórico saiu o grupo "Brasiliana", com a entrada do diretor polonês Askanasi, um grupo de dança que se tornou famoso por numerosas apresentações no exterior. Porém, com o diretor o grupo perde sua autenticidade, as tradições folclóricas são estilizadas e Solano decide sair do grupo e formar seu movimento mais importante e mais bem sucedida o Teatro Popular Brasileiro.

Apesar de não apresentar peças teatrais, chamava-se teatro porque "abrangia artes plásticas, literatura e dança e porque o que o povo faz é um teatro, é um teatro popular, por isso Teatro Popular Brasileiro", explica Raquel. Criado por Solano, Margarida Trindade e o sociólogo Édson Carneiro, o TPB, fazia leituras de danças como maracatu, lundu, bumba-meu-boi. Era formado por empregadas domésticas, operários, estudantes, professores. Ensaiavam na Rua da Constituição, no Rio, quando foi formado em 1950, mas logo se mudaram para Duque de Caxias.

Com o TPB, Solano foi ao leste Europeu em 1955. Passaram por Polônia e Tchecoslováquia em 21 cidades diferentes. Participou do Concurso Internacional de Danças Populares e apresentou-se para uma platéia de 5 mil espectadores.

Embu das artes

De volta ao Brasil em uma apresentação em São Paulo conheceu o escultor Assis que já vivia em Embu e que o convidou a ir para a cidade. Solano se apaixonou por Embu e levou todo o elenco para lá.

— Nós fazíamos festa de três dias, dançando pela rua, pintando, o que começou a atrair turista do mundo inteiro. E hoje o Embu é Embu das artes graças ao meu pai — Afirma Raquel.

Desde Duque de Caxias ele queria fazer uma cidade voltada para as artes e foi conseguir em Embu. A feira de artesanato veio depois. Os artistas de Embu haviam começado, junto com Solano, um movimento na praça da República, no ano de 1966 em São Paulo.

— Íamos de manhã expor e de tarde voltávamos para Embu — Relembra Raquel — Por isso, o Assis ficou preocupado que o movimento de lá atrapalhasse a vinda de turistas em Embu. Esse foi o início da feira de artesanato em Embu. Íamos de manhã para a República e voltávamos trazendo os rippies da década de 60 com seus artesanatos, aí estourou em 68, 69. O grupo de papai dançava pela rua, pintávamos...

O Teatro Popular Brasileiro continuava com suas apresentações em faculdades, na rua, em quase todos os teatros de São Paulo da época e muitos do país. Sempre com muito público, segundo Raquel Trindade. Quando Solano falece, em 74, em 1975 Raquel Trindade cria o Teatro Popular Solano Trindade para dar continuidade ao seu trabalho. Continuou a trajetória do conhecimento repassando de pai para filho as tradições culturais e folclóricas que hoje já se encontram até com netos de Raquel Trindade.

Para Raquel, a maior contribuição social de seu pai foi ajudar a preservar a cultura popular e todo o trabalho dele para a auto-estima do negro, para que fique mais firme, mais forte.

— Mas também não é fechado só para o negro, é para todas as etnias. Tinha uma frase dele que usamos até hoje: "Pesquisar na fonte de origem, devolver em forma de arte" — completa Raquel

Tem gente com fome  

Trem sujo da Leopoldina
correndo correndo
parece dizer
tem gente com fome
tem gente com fome
tem gente com fome
Piiiiii

Estação de Caxias
de novo a dizer
de novo a correr
tem gente com fome
tem gente com fome
tem gente com fome

Vigário Geral
Lucas
Cordovil
Brás de Pina
Penha Circular
Estação da Penha
Olaria
Ramos
Bonsucesso
Carlos Chagas
Triagem, Mauá

trem sujo da Leopoldina
correndo correndo
parece dizer
tem gente com fome
tem gente com fome
tem gente com fome

Tantas caras tristes
querendo chegar
em algum destino
em algum lugar  

Trem sujo da Leopoldina
correndo correndo
parece dizer
tem gente com fome
tem gente com fome
tem gente com fome

Só nas estações
quando vai parando
lentamente começa a dizer
se tem gente com fome

dá de comer
se tem gente com fome
dá de comer
se tem gente com fome
dá de comer

Mas o freio de ar
todo autoritário
manda o trem calar
Psiuuuuuuuuuuun

 

 

 

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja