Comitiva vende-pátria 'negociou' com imperialismo europeu

A- A A+

Os chefes políticos das semicolônias latino-americanas e os de Portugal e Espanha se reuniram entre os dias 29 de novembro e 1º de dezembro em Lisboa, capital portuguesa, para a realização da 19ª Cúpula Ibero-Americana. O objetivo oficial, aquele cacarejado pelos burocratas e reproduzido na TV e nos jornalões, era debater caminhos para Hugo R C Souza superar os efeitos da criseHugo R C Souza e Hugo R C Souza tornar a região mais competitivaHugo R C Souza , o que na prática significa estimular ainda mais a corrida dos monopólios na América Latina, desta feita com especial camaradagem dos gerentes de cá para com as transnacionais baseadas nas antigas metrópoles, especialmente aquelas sediadas na Espanha.

O anfitrião do encontro, o velho cabeça da direita de Portugal e atual chefe do velho Estado português, Cavaco Silva, foi o primeiro orador do encontro, o primeiro a recitar a cartilha da demagogia: "Estamos aqui como iguais para aprender uns com os outros e para que nossas reflexões permitam melhorar a qualidade de vida dos cidadãos".

A única coisa que está em pé de igualdade na relação entre todos esses países é o fato de que Portugal, cada vez mais e por obra e graça das classes dominantes vende-pátria lusitanas da qual Cavaco faz parte, assemelha-se à condição subalterna das semicolônias do sul, com o povo português padecendo no desemprego e na precariedade, com um amplo processo em curso de dilapidação das condições de vida dos trabalhadores em favor do grande capital europeu, que conta ainda com a conivência dos oportunistas reunidos no Partido Socialista local.

Fora isso, o que restou em mais esta Cúpula Ibero-Americana foi o que caracterizou também todas as edições passadas do convescote, que é também o que caracteriza toda e qualquer reunião entre lacaios das semicolônias e os patrões dos países capitalistas do norte: a velha relação entre explorados e exploradores, sem firulas, e muito menos com qualquer perspectiva de Hugo R C Souza melhorar a qualidade de vida dos cidadãosHugo R C Souza .

O rei e os vassalos na cúpula semifeudal

Desta feita, por exemplo, o foco esteve nas negociatas para ampliar ainda mais o parasitismo das transnacionais de matriz espanhola em suas antigas colônias de fato - feitas Hugo R C Souza modernasHugo R C Souza semicolônias pelas classes dominantes locais - mais o Brasil. O agravamento da rapinagem vem principalmente por meio daquelas transnacionais especializadas em reproduzir capital financeiro, como o banco Santander. Significativa foi a presença na 19ª Cúpula Ibero-Americana do rei espanhol, Juan Carlos , ao lado primeiro-ministro José Luis Zapatero, como que não deixando dúvidas de que a relação entre as nações ali representadas é semifeudal.

Como este jornal mostrou na edição do último mês de junho, nos últimos 20 anos as transnacionais espanholas vêm expandindo significativamente sua presença hostil no continente latinoamericano, graças à proximidade que as oligarquias podres de cá mantêm com as classes dominantes de lá. E apesar de a Espanha se inserir na atual corrida imperialista de forma subalterna, seus monopólios funcionam como elo entre o imperialismo europeu chefiado pela França, Alemanha e Grã-Bretanha e os gerentes da espoliação recrutados na América Latina.

Não por acaso, altos representantes da União Européia estiveram presentes no convescote lesa-povo de Lisboa. Também não por acaso, nos encontros paralelos aos discursos demagógicos das tribunas aconteceram acertos sobre vários processos ditos Hugo R C Souza comerciaisHugo R C Souza – para não dizer entreguistas – em andamento. No linguajar dos burocratas, trata-se de eliminar Hugo R C Souza dificuldades técnicasHugo R C Souza para avançar com tratados vantajosos apenas para o capital e para seus cupinchas que agenciam nações inteiras em troca das migalhas que lhes são atiradas pela burguesia internacional.

Não por acaso estes cupinchas, Luiz Inácio incluído, chegaram à cúpula de Lisboa após cruzarem o Atlântico dizendo que pretendiam acelerar um grande tratado de livre comércio com o imperialismo europeu, que estava engasgado nas tais Hugo R C Souza dificuldades técnicasHugo R C Souza , e para isso se reuniram a portas fechadas com quem não é nem ibero nem americano, mas manda nos dois pedaços. Poucos dias depois, na véspera dos encontro dos chefes do Mercosul em Montevidéu, no Uruguai, surgiu a notícia de que um Hugo R C Souza acordo de cooperação econômica e desenvolvimento sustentávelHugo R C Souza havia sido assinado entre o bloco e a UE. Aos olhos dos povos da região, é mais um conchavo chancelado pelos vende-pátrias frequentadores de reuniões pomposas d'aquém e d'além onde a gente da nossa terra é oferecida de bandeja à exploração e à rapina semicolonial.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja