Greves acabam com as "festas" do patronato

A- A A+

Em dezembro, professores, médicos, comerciários e operários cruzaram os braços pelo Brasil e o mundo cobrando dignas condições de trabalho e denunciando este criminoso regime de superexploração imposto pelas classes dominantes à imensa maioria da população mundial.


Canadá, piquete em frente a Gerdau

Em Portugal, comerciários se rebelaram contra a árdua rotina de fim de ano fixada pelos patrões do setor em todo o mundo. No dia 16 de dezembro os trabalhadores aprovaram em assembléia uma greve a nível nacional. Segundo eles, alguns comerciários chegam a trabalhar 60 horas semanais, sem ganhar hora extra. No primeiro dia de paralisação muitos hipermercados amanheceram de portas fechadas. O sindicato que representa a categoria questiona o rótulo "socialista" do atual gerenciamento de turno e promete que lojas de grifes e grandes marcas também vão parar de funcionar.

Mas como é possível afirmar que um partido que se diz socialista está no governo, com uma situação de exploração como essa? E o povo nem se apercebe, de tão baralhado que anda. Nem devem ter tempo para pensarem, com tantas horas de trabalho. Vamos parar as redes de lojas que representam diretamente o monopólio internacional — avisou o presidente do Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal.

No Canadá, após sete meses de braços cruzados, operários da indústria siderúrgica Gerdau, de Cambridge, em Ontário, venceram a luta contra os patrões e conquistaram um novo acordo coletivo, como reivindicavam em maio, quando a greve começou.


Trabalhadores da Justiça votam pela manutenção da greve

Na Grécia, dia 16 de dezembro, professores de todas as redes de ensino, públicas e privadas, em todos os níveis, entraram em greve iniciando um amplo movimento, envolvendo várias categorias, que promete parar o país. A mobilização dos trabalhadores é contra as medidas anunciadas pelo primeiro-ministro, representante do oportunismo, Giorgos Papandreu, que prevêem o corte de 10% do orçamento social, acompanhado da criação de um imposto especial para a "bonificação" de banqueiros.

No Brasil, mais greves

Em Sorocaba, trabalhadores rodoviários da empresa Breda — uma das maiores da região — entraram em greve no dia 15 de dezembro exigindo o tíquete refeição, que deveria ter sido pago no 5° dia útil do mês e o pagamento dos salários de novembro, dezembro e 13°.

— Além disso, a manutenção dos ônibus está prejudicada. Não têm peças para reposição. Inclusive o abastecimento dos carros é feito com muita dificuldade. A situação geral é calamitosa e coloca em perigo os trabalhadores e a população — protestou o presidente do Sindicato dos Rodoviários de Sorocaba e região, Paulo João Estausia.

No Mato Grosso, 95% dos 5 mil trabalhadores da Justiça no estado estão de braços cruzados há um mês por melhorias salariais e obtiveram sua primeira vitória no dia 15. Na ocasião, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), condenou o tribunal do estado do Mato Grosso a pagar os salários dos trabalhadores em um prazo de 60 dias. Mas segundo o sindicato que representa a categoria, a greve continua.

— A greve não vai acabar, pois os itens constantes desse PCA 1415 são apenas parte das reivindicações dos honrados Servidores do Poder Judiciário de Mato Grosso — afirmou o presidente do Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário de Mato Grosso, Rosenwal Rodrigues dos Santos.


Rio Grande do Sul, professores em assembléia

Em Rondonópolis, médicos dos Pronto-Atendimentos Municipais, entraram em greve no dia 16 exigindo pagamento das verbas trabalhistas aos médicos, enfermeiros e demais funcionários que trabalham como contratados nos PAs, já que não lhes é garantido 13º salário — previsto na Lei Municipal 5.826/09 —, férias e demais direitos trabalhistas; cursos de capacitação para todos os funcionários dos PAs; ampliação e reforma dos PAs e criação de novos postos de atendimento, entre outras reivindicações. Em nota, o sindicato que representa a categoria demonstrou toda a sua indignação.

"A falta de vontade por parte da administração é tamanha que já foram feitos dois requerimentos, sendo um em 25 de agosto de 2009 e outro em 20 de novembro, para que fosse viabilizado pelo menos o pagamento do 13º salário aos médicos e enfermeiros dos PAs, mas sem qualquer resposta (...) Para que a saúde tenha realmente a melhoria esperada pela população, é necessário que haja greve, se o poder público continuar surdo aos apelos dos médicos e enfermeiros que dedicam sua vida à luta diária para cuidar de todos aqueles, que nos momentos de sofrimento buscam socorro nos PAs ".

Professores do Rio Grande do Sul também entraram em greve no dia 15 de dezembro exigindo do gerenciamento corrupto de Yeda Crusius a adoção do piso nacional de 950 reais para os profissionais da rede pública. A gerente chegou a entrar com uma ação direta de inconstitucionalidade no STF tentando derrubar o piso nacional.

A responsabilidade pelo ano letivo é do governo, que é intransigente e enviou um projeto que é contra o piso nacional, sem discutir com ninguém — disse Rejane Oliveira, presidente do sindicato que representa os professores.

Na Praça da Matriz, em frente a Assembléia Legislativa do estado, vários movimentos de trabalhadores e estudantes decidiram ficar acampados até o dia 20 para prestar apoio aos professores. Dentre eles estavam os sindicatos dos Comerciários, Vigilantes, Funcionários Municipais, a União dos Estudantes Santa-cruzenses (Uesc) e a Assembléia Nacional dos Estudantes Livre (ANEL).

— Somos parte deste processo e uma possível derrota dos professores repercute na comunidade escolar inteira. Apenas unidos é que conseguiremos avanços — afirmou o representante dos comerciários, Afonso Schwengber.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja