"Choque de ordem" segue atacando o povo


Barraqueiro é roubado em Copacabana

Nas últimas semanas de 2009, o choque de ordem de Eduardo Paes não deu trégua aos trabalhadores pobres. Muitos deles aproveitam o fim de ano para garantir seu espaço no comércio ambulante, muitas vezes a única opção para o povo nas festas consumistas de natal e réveillon.

No dia 14 de novembro, mais de 12 toneladas de mercadorias foram roubadas dos camelôs que trabalhavam na quadra B do tradicional pólo comercial da rua Uruguaiana, no centro da cidade. Lucas do Carmo Pereira, de 35 anos, foi uma das vítimas das tropas de Paes e Bethlem e contou à redação de AND o sentimento de ser criminosamente atacado pelo Estado.


Choque de ordem durante jogo no Maracanã

— Essa mercadoria não era roubada, e o dinheiro que eu ia fazer com ela não era para fumar, nem para beber, nem para cheirar. Muito menos para comprar presente para alguém. Com esse dinheiro eu ia pagar o material da escola da minha filha e colocar comida dentro de casa no final de ano. Mas agora fiquei com uma mão na frente e outra atrás. Não roubo porque não tenho coragem. Então só me resta passar dificuldade. Se o governo não ajuda a gente, quem vai ajudar? — pergunta o trabalhador.

No mês de novembro, somente nas regiões da Barra da Tijuca e Jacarepaguá, na Zona Oeste, 10.284 itens foram roubados de comerciantes, entre roupas, acessórios, mesas, cadeiras, churrasqueiras, óculos, relógios e mídias digitais.

Dia 22 de novembro foi a vez dos trabalhadores de Copacabana provarem um pouco da sanha reacionária do Estado contra o povo pobre. Na ocasião, PMs e guardas municipais foram à feira livre da praça Serzedelo Correa e destruíram 142 barracas utilizadas pelos camelôs para comercializarem seus produtos. Dois dias antes, o "choque de ordem" já havia roubado 700 quilos de frutas e vegetais de comerciantes da praça Nossa Senhora da Paz, também em Copacabana.


UPP e "choque de ordem" atacam no Pavão Pavãozinho

No dia 29, guardas municipais reprimiam camelôs no entorno do Maracanã durante partida do campeonato brasileiro, quando torcedores tentaram defender os trabalhadores entrando em confronto com os cães de guarda da prefeitura. Ao fim do enfrentamento os comerciantes conseguiram recuperar a mercadoria apreendida e um dos GMs foi gravemente ferido por uma pedrada. Quem procura, acha.

Na última rodada do campeonato, dia 6 de dezembro, no mesmo local, trabalhadores não tiveram a mesma sorte. Na ocasião, 1,5 mil latas de cerveja e refrigerante, isopores, cadeiras, faixas, camisas, bonés e diversos outros produtos foram roubados pelos agentes da prefeitura.

Dois dias antes, uma matéria publicada no Jornal do Brasil mostrava a estrutura do depósito em Bonsucesso, onde são armazenadas as mercadorias roubadas dos camelôs pela guarda municipal. De acordo com o texto, no local percebiam-se "aparelhos de televisão jogados sobre livros didáticos, carroças ainda com pipoca dentro, garrafas de bebidas espalhadas em meio a milhares de CDs (...) Na cozinha dos funcionários, fungos e mofo. Pelo pátio, ratos e baratas circulam livremente. Todas as mercadorias estão armazenadas sobre poças d'água formadas por infiltrações no teto do lugar, que está quebrado". Esse material, que serviria aos trabalhadores para garantir sua sobrevivência, não passa de um monte de lixo para este Estado reacionário.

No dia 8 de dezembro, mais de mil itens, entre cadeiras, isopores, guarda-sóis e bebidas foram levados para lá depois de serem roubados por GMs dos trabalhadores ambulantes nas praias do Leblon e do Arpoador.

Quatro dias antes, foi deflagrada, na Ladeira Saint-Roman, acesso ao morro Pavão-Pavãozinho, uma ação do "choque de ordem" que demonstra a afinação entre os gerenciamentos de Cabral e Eduardo Paes contra os trabalhadores pobres do Rio de Janeiro. Na ocasião, 13 barracas de comerciantes e um ponto de moto-taxi foram retirados da favela ao mesmo tempo em que o Batalhão de Operações Especiais da PM — o BOPE — derramava o sangue dos moradores, abrindo caminho para a instalação de mais uma Unidade de Polícia Pacificadora.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin