Pobre estância do abandono

A- A A+

O Rio Grande do Sul foi ponto de partida de muitas das lutas nacionais e populares travadas no Brasil no século XX. Da Coluna Prestes (1925) ao movimento armado pela posse do presidente João Goulart (1961); das primeiras tentativas de guerrilha contra o regime de 64 (1965-66) à retomada da luta pela terra (1978-85); da nacionalização da telefonia e eletricidade (1958-61) à resistência contra a reversão colonial da economia brasileira (1989-99), o país contou com a ação desassombrada dos melhores filhos do solo gaúcho.

Diante desse histórico, parece inacreditável que o estado farroupilha encontre-se, hoje, entregue aos desmandos de uma administração como a de Yeda Crusius — versão mais corrupta e truculenta da de Antonio Britto (1995-98), hoje transformado em cadáver político.

As gestões Britto e Yeda têm em comum a adesão sem peias à perspectiva da dissolução da economia e da formação social gaúchas num mercado global dominado por monopólios transnacionais. Enquanto Britto foi o responsável pelo desmanche da infra-estrutura econômica do estado, com a privatização e desnacionalização da empresa estadual de telefonia (CRT) e do serviço de eletricidade (entregue aos monopólios ianques AES e RGE em dois terços do estado), Yeda conduz o esfacelamento da superestrutura administrativa. Tradicionalmente os melhores do país, os serviços públicos gaúchos de educação, saúde, justiça, etc. encontram-se, hoje, em estado de penúria. Algumas escolas estaduais chegam ao cúmulo de, por medida de economia, ter turmas compostas por alunos de duas ou três séries diferentes — isso não obstante a irrisória remuneração dos docentes (um professor com licenciatura plena e regime de 20 horas não chega a ganhar R$ 600).

Truculência

O sucateamento da rede escolar estadual e a preocupação em conter gastos não impediram, contudo, que a administração estadual fechasse as escolas mantidas por camponeses em suas ocupações e assentamentos. Em conluio com um Ministério Público estadual majoritariamente fascista, a gerência estadual determinou a transferência dos alunos dessas escolas para as suas próprias.

A truculência no trato da questão agrário-camponesa, todavia, não se detém aí. Em agosto deste ano, o camponês Elton Brum foi assassinado pelas costas por um alto oficial da Brigada Militar após a desocupação de uma área reivindicada contra o latifúndio Southall, em São Gabriel, no sul do estado. Em maio de 2008, repercutiu em todo o país a repressão a integrantes do Movimento de Mulheres Camponesas e da Via Campesina que haviam atacado uma fazenda-laboratório da Aracruz, empresa monopolista do setor de papel e celulose.

Crise estrutural

A estrutura agrária do Rio Grande do Sul é a fonte tanto das diferenças que historicamente existiram — para melhor — entre o estado e o restante do país quanto da crise estrutural que ora acomete a economia gaúcha.

Desde o final do século XIX, a "policultura camponesa de subsistência" deu origem a uma "produção artesanal, manufatureira e industrial (...) endógena de pequenas e médias empresas" direcionada ao mercado interno, nas palavras do historiador Mário Maestri. Esses fatores impulsionaram o progresso econômico e social do Rio Grande do Sul.

A convivência entre a agricultura camponesa (base desse progresso) e o latifúndio exportador — tradicionalmente muito poderoso no estado — foi, contudo, sempre problemática. A partir dos anos 20, a saturação da metade norte do estado pela impossibilidade de divisão das pequenas propriedades entre os filhos dos camponeses levou à emigração em massa. Ao mesmo tempo, a metade sul do RS, ocupada pela pecuária extensiva, transformava-se em pasto vazio.

A sangria de braços e divisas poderia ter sido estancada pela solução óbvia que, a partir dos anos 50, foi defendida por todas as pessoas dotadas de alguma lucidez: a expropriação do latifúndio e o aproveitamento de suas áreas para assentar os filhos dos agricultores das zonas saturadas. Posta em marcha pelo governo de Leonel Brizola (1958-61), essa política foi, porém, interditada antes mesmo do golpe de 64.

Sangria desatada

Em lugar dela, o regime instaurado naquele ano apostou na perspectiva que a administração Yeda — após frustradas tentativas de reversão nos períodos Olívio Dutra (1999-2002) e, talvez, Germano Rigotto (2003-06) — aprofunda até o paroxismo: dissociação entre produção e consumo, desindustrialização nas áreas urbanas e submersão da economia camponesa na cadeia produtiva da agroindústria transnacional. Na região de Santa Cruz, a Souza Cruz e a Phillip Morris descobriram que pagar preços irrisórios aos produtores de fumo é mais barato que assalariá-los — mesmo porque evita qualquer responsabilização pelo uso de trabalho infantil e de agrotóxicos que levam à loucura e ao suicídio. Na metade sul, os latifundiários confirmam sua vocação rentista e parasitária ao arrendar suas terras vazias para transnacionais dedicadas à monocultura do eucalipto, como Aracruz e Stora Enso.

Sangradas pela conjugação entre essas práticas, os juros altos e a baixa capacidade de consumo interno, as áreas camponesas convertem-se em fornecedoras de braços para todo o país, exceto para o próprio estado — onde, no máximo, abastecem a reserva de mão-de-obra que grassa na região de Porto Alegre. A avassaladora desindustrialização sofrida pela capital na última década e meia, com a falência de toda sua indústria naval e a quase desativação do porto, transformou-a num bolsão de submoradia e subemprego. Embora cidades da região metropolitana — como Canoas, Cachoeirinha e São Leopoldo — contem ainda com uma expressiva indústria de pequeno porte, predominam hoje, em Porto Alegre, duas classes sociais: a pequena burguesia e o lúmpen. Com parte da primeira em acelerado processo de pauperização, a linha que as separa é cada vez mais tênue.

Mesmo prejudicada por esse sistema, a pequena e média burguesia teme a mudança estrutural e a mobilização popular, deixando-se seduzir por migalhas. Enquanto isso, o que resta dos extratos superiores do empresariado local aposta firmemente na compradorização. Grupos como Gerdau e RBS buscam um lugar ao sol como intermediários do capital monopolista estrangeiro. Têm tido relativo sucesso, ao contrário de muitos de seus pares: nos últimos 15 anos, empresas-símbolo da economia gaúcha (Ipiranga, Varig, SLC, Frangosul, Trevo) faliram ou tiveram seu controle transferido para mãos estrangeiras.

A oposição a esse descalabro parte, sobretudo, do campesinato organizado, com o apoio da parcela mais esclarecida de extratos médios, como servidores públicos e estudantes. Porém, a hegemonia do oportunismo na direção desses setores empurra suas ações para uma oposição eleitoreira. Além disso, a propaganda reacionária disseminada pelo monopólio RBS (entre outras atividades, é repetidora da rede Globo) tem impedido que a exasperação geral com a gerência Yeda desague na formação de uma frente capaz de contrapor-se eficazmente ao atual estado de coisas. Se isso não mudar, e usando novamente palavras de Maestri, "o Rio Grande do Sul de Yeda não será mais o Rio Grande do Sul".

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja