Um olhar sobre o Haiti

A- A A+

O Haiti tem um histórico de desastres naturais na sua vida de colônia e de nação independente e outro, tão bárbaro quanto, de desastres antinaturais: embargos econômicos, golpes de Estado, invasões, provocados pelos seus inimigos "naturais": os impérios econômicos que jamais aceitaram e continuam não aceitando o ímpeto libertador de um povo a quem a América deve, de fato, a sua libertação.


Homem morto pela polícia haitiana no dia 17 de janeiro

Terremoto e suas Conseqüências

Na última terça-feira, dia 12 de janeiro de 2010, às 19:38 (horário de Brasília), portanto 16:53 , no Haiti (considerando o horário de verão), este pequeno país sofreu seu maior abalo natural neste século.   Em meados do século XVIII , o Haiti havia já sofrido um terremoto de grandes proporções. Naquele período a população era menor, o país não era totalmente habitado e a grande maioria era feita de escravos, que pouco ou nada importavam. Hoje é diferente. Temos em uma área de 27.400 km², uma população de aproximadamente 9 milhões de pessoas e um terço dela foi atingida irremediavelmente, segundo cálculos atuais (que prometem alteração) e os haitianos estão no centro do olhar do mundo, seja pelas tragédias, seja pelas suas reações e manifestações contra a invasão do seu país por tropas estrangeiras, sob o pretexto de possível guerra civil, desorganização e por aí afora.

O terremoto atingiu principalmente as regiões oeste, sul e sudeste do país. A grande concentração, de fato, está na capital — Porto Príncipe — , como acontece em qualquer outra capital nas Américas, onde não houve reforma agrária. As pessoas não têm recebido comida e água suficientemente. As ajudas não estão coordenadas. O perigo de doença cresce a cada momento. Já não havia hospitais suficientes; agora, poucos são os que estão em pé.

Mas sabemos que o USA tomou conta do aeroporto e querem comandar o país a partir daí. Não falam em distribuição de provisões para a população faminta e sedenta. mas Hillary Clinton veio em um avião ao Haiti com 140t de alimentos e água para serem consumidos pela embaixada americana. Entraram os marines, que são tropa de choque e não de resgate. E não enviaram equipamentos modernos para ajudar na tarefa de busca de sobreviventes.

Em todo o país, o cálculo de desabrigados está por volta de 3,5 milhões de pessoas.   Se a capital está ao léu, que dizer das pequenas cidades atingidas!

Reconstrução

Fala-se em 560 milhões de dólares americanos para a reconstrução do país. Se os países, presentes no Haiti, através de suas organizações, já estão brigando entre si para a entrega de alimentos e água, imagine-se então quando se tratar de dinheiro. Quem não quer ser o controlador de tal quantia?

Mas podemos perguntar que reconstrução será essa, porque este país já nada tinha: não há ruas quase, calçadas menos ainda; energia elétrica que cai a cada momento em bairros de classe média alta; favela... nem pensar, além de não ter energia, também não há saneamento básico e daí afora. Ninguém está falando em reflorestamento, reforma agrária e reforma habitacional, crédito a pequenos agricultores...

O embaixador do Haiti no Brasil, Idalbert Pierre-Jean, já se encarregou de explicar que há três etapas, conforme o texto de Graziela Sirtoli que diz que, primeiro, é preciso retirar os mortos e os entulhos da cidade; depois, dar assistência aos vivos e reconstruir as casas; e, por último, um encontro que está previsto para março: a Conferência dos Líderes Mundiais, que decidirão o que fazer com o montante das doações em dinheiro.

Este é o momento de os grandes grupos entrarem no país para propor uma "reconstrução" à sua maneira - tal como fizeram na Cidade do México, na década de 80: sempre com o aval do Estado, compraram terrenos a preço de banana, construíram em outros e venderam minúsculos apartamentos a preço "razoáveis" para a classe média, que ainda devem estar pagando-os a perder de vista ou até que o próximo terremoto venha a revelar o que pagaram caro por essas construções frágeis. No Haiti, as grandes construtoras já devem estar negociando participação na aplicação desse dinheiro. E o povo haitiano pobre reconstruirá as suas favelas e continuará defecando no mato.

Repressão

Um povo já faminto, numa hora dessas reclama da lentidão dos que comandam a ajuda e busca a sua sobrevivência.

As organizações humanitárias brigam entre si para controlar as doações , mas não sabem nem o que fazer com os cadáveres, o que leva os parentes das vítimas — quando há um reconhecimento — a enterrá-los por conta própria. Há caso de pessoas que estão enterrando seus mortos no quintal da casa.   E dizem que gangues armadas estão roubando as pessoas que estão recebendo comida. Há 800 soldados do Brabatt (Comando do Batalhão Brasileiro) patrulhando as ruas para "controlar a violência" usando armas letais. A resposta sempre é a repressão armada, para esconder a desorganização dessas instituições que se nunca aprenderam lições de democracia e civilidade, quanto mais de humanidade!

Resultado: Nada nos autoriza pensar que do ponto de vista da natureza, do meio ambiente e mesmo do ponto de vista político, a situação pode mudar no curto prazo. O terremoto não é senão uma desgraça a mais para um povo que está entre a desaparição e a morte.

Proposta

O Comitê Pró-Haiti está propondo a criação de uma frente ampla com o objetivo de construir uma coordenação nacional para a retirada das tropas, disseminar esta idéia em outros países e trabalhar em frente ampla com as coordenações já existentes em países cujas tropas se encontram no Haiti. Além disto, entende este Comitê que é preciso abrir uma Conta Solidária, cujo sentido é ajudar a reconstrução dos movimentos sociais autônomos e centrais de trabalhadores, únicas opções sérias para o futuro deste país.

USA descarta intermediários e ocupa diretamente o Haiti

Tão logo ocorreu o terremoto que arrasou o Haiti os ianques tomaram a decisão de afastar os intermediários e assumir diretamente o controle da situação, começando pela tomada do aeroporto e do porto. Esta medida serviu para mostrar aos que estavam se achando os donos do circo, como Luiz Inácio, quem realmente manda.

A tomada do aeroporto estabelecia que a prioridade não era salvar os haitianos, e sim os seus concidadãos que lá estavam e precisavam ser resgatados. Em seguida tomar todas as medidas de segurança, para evitar uma corrente de refugiados para a Flórida, ocupando o porto e estendendo com barcos-patrulha um cordão de isolamento por mar para prender e mandar de volta qualquer barco de refugiados.

Aviões de vários países e da Cruz Vermelha, com alimentos e medicamentos, tiveram que retornar pois não receberam autorização para pouso, aumentando assim o sofrimento do povo sob os escombros. No dia 20 de janeiro já era de 13 mil soldados o efetivo despejado no Haiti, quase o dobro do mobilizado pela ONU.

Do Brasil, para dar prosseguimento ao seu papel de reprimir o povo haitiano, partiram aviões carregados de armamentos como bomba de gás, spray de pimenta, balas de borracha e cassetetes, além de mais homens para fazer o devido uso deste material.

Por mais que o monopólio de comunicação se esforce para passar a idéia de que o USA   vanguardeia as operações humanitárias, tanto o povo haitiano como o resto do mundo sabem que o complexo industrial-militar ianque não tem em seu dicionário o termo humanitário, muito pelo contrário, ele usará todo o seu potencial bélico para reivindicar para si a condução do chamado processo de reconstrução do Haiti, aproveitando-se da solidariedade do mundo inteiro que destinou doações ao país arrasado.

Obama recoloca Bush na cena política, entregando a ele e a Clinton a direção do Fundo para Reconstrução do Haiti. Essa é a demonstração inequívoca de que o imperialismo ianque sob qualquer administração, democrata ou republicana, não se desvia um só milímetro de sua vocação exploradora e genocida sempre justificada através de slogans humanitários.

A verdadeira solidariedade
No mundo inteiro estão sendo formados comitês de solidariedade ao povo haitiano cujo objetivo é prestar apoio direto às organizações populares, por fora dos governos e exigir a imediata desocupação militar do país com o respeito à sua soberania.

No Brasil, também foram formados comitês que de tão amplos correm o risco de não funcionarem devido a presença dos oportunistas que aparecem nestas oportunidades para tirar proveito eleitoreiro ou sabotar o movimento, como ocorreu em São Paulo quando um representante do MST propôs que doações fossem realizadas através da logística do gerenciamento brasileiro, o mesmo que manda homens e armas para reprimir o povo haitiano.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja