2 milhões de trabalhadores paralisam a Grécia - Greve Geral contra medidas anti-povo

A- A A+

Crise política, econômica e social

A situação da Grécia não é diferente da enfrentada por outros países da Europa. A crise que desbordou e transborda acompanhada da torrente de protestos de massas é resultado da aguda crise geral que sacode de alto a baixo o imperialismo.

Recentemente, o governo Giorgos Papandreu anunciou um pacote anti-povo de “reformas” para recauchutamento da economia que em síntese determina:   

  • O aumento da idade para aposentadoria de 61 para 63 anos;
  • O congelamento dos salários do funcionalismo público, prevendo até mesmo redução dos salários em 20%;
  • O corte de 10% dos gastos públicos para o ano de 2010 (gastos com serviços básicos como educação, saúde, etc.), entre outras medidas.

Segundo o primeiro-ministro Giorgos Papandreu, tal pacote “salvador” tem como objetivo amenizar a dívida pública que já passa dos 300 bilhões de euros, o que corresponde a 110% do Produto Interno Bruto (PIB) daquele país. Sem meias palavras, o governo grego pretende que os trabalhadores gregos paguem com a própria carne pela crise do imperialismo.

Sindicatos e organizações classistas convocam

No dia 10 de fevereiro começaram as mobilizações. Há mais de dois anos aquele país é convulsionado por gigantescos protestos, greves e revoltas populares. Em meio às lutas, a classe operária, o movimento estudantil combativo e os diversos setores dos trabalhadores gregos têm adquirido grande têmpera, capacidade de mobilização e organização notáveis.

Já no dia 10 os serviços e a administração pública paralisaram o trabalho em várias regiões do país, sobretudo em Atenas. Segundo dados divulgados pela Confederação Geral dos trabalhadores da Grécia (GSEE) e Confederação dos Funcionários Públicos (ADEDY), esta paralisação mobilizou 500 mil trabalhadores afetando os centros de ensino público, os ministérios, as alfândegas e o setor da saúde (que manteve apenas os atendimentos de emergência).

Logo em seguida, controladores de vôo aderiram à greve provocando o fechamento completo do espaço aéreo do país naquele dia. No dia 11,   trinta mil taxistas aderiram aos protestos.

Com as mobilizações do dia 10 iniciou-se a preparação da gigantesca Greve Geral deflagrada no dia 24 de fevereiro último.

A Greve Geral

A Grécia amanheceu paralisada na manhã do dia 24 de fevereiro.

A Greve Geral convocada pela Confederação Geral de Trabalhadores da Grécia – GSEE e várias centrais sindicais contou com   a adesão de mais de 80% dos trabalhadores dos setores público e privado, totalizando mais de 2 milhões de trabalhadores.

A Greve atingiu os aeroportos, transportes marítimos, serviços ferroviários, táxis, estações de comboios, bancos, repartições públicas, hospitais, escolas, fábricas, até mesmo jornais e televisões. O Centro de Atenas foi tomado por milhares de trabalhadores que marcharam em protesto até a sede do parlamento exigindo o cancelamento das medidas anti-povo anunciadas pelo primeiro-ministro Giorgos Papandreu. Outras manifestações ocorreram por todo o país.   Centenas de manifestantes cercaram a bolsa de valores com cartazes e faixas.

A polícia tentou impedir os protestos agindo com truculência, atirando bombas de gás contra os manifestantes. A juventude rebelde grega, forjada nos últimos combates de rua contra o Estado reacionário responderam com pedras e coquetéis molotov. A Praça da Constituição, no centro de Atenas, se transformou em um palco de batalhas campais entre trabalhadores e a tropa de choque da polícia. Os grevistas resistiram com pedras e ergueram barricadas nas ruas.

A Greve Geral durou 24 horas e foi encerrada com o anúncio de novas mobilizações.

Novos protestos à vista

A próxima ação do movimento operário grego em sua luta contra as medidas antipovo de Giorgos Papandreu foi anunciada pela Confederação Geral de Trabalhadores da Grécia e Federação das Mulheres da Grécia: um grande protesto em celebração ao centésimo 8 de março desde a definição dessa data como Dia Internacional da Mulher Proletária.  

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja