Israel decreta expulsão de milhares de operários

A- A A+

Fazendo jus ao fascismo sionista que marcou sua fundação e que carateriza as políticas de ocupação e extermínio a partir de então colocadas em prática no Oriente Médio pelos artífices deste Estado ilegítimo e criminoso, Israel anunciou no final de janeiro que iniciará mais uma ofensiva contra os trabalhadores estrangeiros que vivem dentro das fronteiras coloniais estabelecidas pelos genocidas à base de sangue e sob a chancela da "comunidade internacional". E mais: a maioria dos que agora se quer expulsar são os mesmos que passaram anos a fio sob a exploração do latifúndio e do cartel sionista da construção civil, escravocratas que receberam dos senhores da guerra aquartelados em Jerusalém o rentável privilégio de levantar a infra-estrutura invasora à custa do mal pago suor não-judeu.

A meta inicial da gerência sionista, expressada ainda em agosto do ano passado pelo ministro israelense das Finanças, Yuval Steinitz, era de deportar 100 mil trabalhadores estrangeiros, mas o plano anunciado há pouco acabou estabelecendo diretrizes mais "modestas", por assim dizer. O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu disse que a intenção agora é escorraçar entre 30 e 50 mil trabalhadores "ilegais". Quem ele chama assim são os trabalhadores cujos vistos de permanência expiraram sem que houvesse as mínimas condições para ir embora, ou que foram vítimas de fraudes e enganações por parte dos empregadores useiros e vezeiros de práticas ainda mais draconianas do que aquelas que já estão legalizadas, verdadeiros traficantes de mão-de-obra que, a bem da verdade, apenas esticam ao limite a lógica capitalista da exploração do homem pelo homem. Em síntese, é um público-alvo já muito fragilizado por estar desprovido da documentação necessária para trabalhar legalmente, vítima preferencial da chantagem patronal e clientela da achacante e inclemente polícia israelense de imigração.

Como justificativa para a deportação em massa que se avizinha, a gerência sionista diz que a infâmia se inscreve na verdade em uma luta contra o desemprego. Espelhando-se no fascismo europeu — cuja perseguição aos judeus serviu como álibi para a perseguição e a expulsão dos palestinos de sua própria terra — Netanyahu já destilou o velho veneno xenófobo, fazendo repercutir pela via do monopólio da imprensa que "a entrada de trabalhadores estrangeiros em massa nos últimos anos causou problemas de segurança, drogas e em particular, erosão de salários". O ministro das Finanças, aquele que queria deportar 100 mil, cacarejou que o novo plano visa criar 30 mil postos de trabalho para cidadãos israelenses dentro de um ano, prometendo que o enxotamento de não-israelenses fará com que o índice do desemprego em Israel se reduza aos níveis anteriores à crise econômica mundial.

Mas os chefes sionistas não gostam tanto assim dos trabalhadores, mesmo dos que têm cidadania como a deles. Na verdade, mesmo este plano de deportação em massa não obedece eminentemente a um esforço para garantir trabalho a quem quer que seja, mas sim ao objetivo maior da perseguição aos árabes que vivem em território palestino ocupado. A exemplo do que aconteceu em 2003, quando o sionismo organizou a primeira grande ofensiva contra os "ilegais", a esta nova onda de xenofobia deve se seguir a chegada de uma nova grande leva de imigrantes com contratos de trabalho novinhos em folha — ou na clandestinidade mesmo.

O detalhe é que estes que chegam não são árabes, mas sim asiáticos (a gerência da Tailândia chega a ter um acordo com a Organização Internacional para a Migração visando a supervisão do recrutamento que Israel pratica em seu território, e os asiáticos já representam a maioria dos 250 mil trabalhadores migrantes que vivem em Israel). Além de eles serem mais baratos para as classes dominantes sionistas e não representarem para o patronato uma ameaça iminente e maior do que o inevitável antagonismo de classe, trata-se de uma política deliberada de precarização e marginalização dos palestinos, intencionalmente empurrados para padecer no desemprego. O plano de expulsão de não-israelenses é assim, mais uma medida tomada no âmbito econômico do grande projeto sionista de limpeza étnica da palestina invadida.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja