Cuíra por teatro no Pará

A- A A+

O Cuíra é o que se costuma chamar de teatro alternativo: aquele que está fora da grande mídia, e assim sobrevive. Sua sede, em Belém, é palco para ensaios e apresentações de seus espetáculos e de grupos convidados, e abriga oficinas cênicas e de outras atividades, como confecção de bijuterias e até ateliê de moda, transformando-se em mercadinho de roupas, bijuterias, e tudo mais que é fabricado pelos participantes dos projetos do grupo.


O Cuíra encenando Toda minha vida por ti.

— Cuíra é uma expressão bem daqui do norte do país, e quer dizer 'muita vontade de fazer algo'. É comum se ouvir pelas ruas da cidade: 'estou cuíra para fazer isso'. Com essa vontade toda, estamos em atividade há mais 25 anos — explica Edyr Augusto Proença, autor teatral e diretor do grupo.

O grupo nasceu do Experiência, que foi muito importante e conhecido em Belém, na década de 1970. Alguns dos antigos componentes formaram o Cuíra, que ao longo dos anos vem apresentando espetáculos diversificados em sua maioria de autores paraenses, sempre falando de algo relacionado ao universo, o ambiente e o palavreado do povo, envolvendo aspectos da cultura e da história.

— Não costumamos falar exatamente do folclore e sim do cotidiano, da vida da nossa gente. Na verdade, meu primeiro espetáculo Foi Boto Sinhá uma ópera de Carimbó, a respeito da lenda, mas depois disso não cheguei a usar mais especificamente a questão do folclore, e sim qualquer coisa que se volta para a cidade — diz Edyr, acrescentando que é autor de aproximadamente quinze peças do grupo.

O grupo tem espetáculos de vários tipos, como comédias e musicais, para todas as idades.

— Procuramos sempre experimentar novas linguagens, submetendo-nos à forma de trabalhar de diversos diretores convidados, para que possamos realmente, através do teatro, mudar o mundo para melhor, sem demagogia, e sim com muito trabalho e esforço — fala.

— Nossa idéia é fazer com que as pessoas se reencontrem, se vendo em um espelho. Usamos o teatro como um elemento transformador, de pensamento, reflexão, ajudando o povo a construir uma sociedade melhor para si — continua.

— Atualmente o grupo conta com 5 componentes fixos, mas sempre chamamos pessoas de outros grupos, daqui e de outras cidades, e também das oficinas que fazemos para participar das nossas montagens, e assim podermos trocar idéias — acrescenta.

Há três anos o grupo conseguiu alugar uma casa, construída em 1905, no centro da cidade, transformando-a em um teatro com 100 lugares. As poltronas foram compradas de um grande cinema da cidade que fechou suas portas.

— Além de ensaiar e apresentar nossas peças, também oferecemos o local para qualquer outro grupo que queira se apresentar, por no mínimo um mês. Isso porque os teatros daqui, a maioria do governo, sofrem de falta de pauta e acabam oferecendo apenas um final de semana para apresentarmos uma peça que ensaiamos por até seis meses. Algo muito pouco proveitoso — comenta Edyr.

Teatro e transformação

Além de fazer teatro, o Cuíra considera importante uma atitude social junto à comunidade vizinha.

— O local onde estamos é onde funcionou a zona de meretrício da cidade, no passado frequentada por políticos e empresários, e hoje uma área abandonada, onde ainda há algum tipo de prostituição muito barata. Inclusive, quando chegamos, a primeira pessoa 'curiosa' que veio perguntar o que seria feito aqui, foi uma prostituta — conta Edyr.


O Cuíra em A voz que fala e canta para a planície

— Por fatos assim, o primeiro espetáculo que realizamos na sede foi 'Laquê', falando sobre o período áureo dessa zona do meretrício, com metade do elenco formado por prostitutas da área. A partir daí, passamos a fazer oficinas diversas, com todo tipo de pessoa, não somente com vistas a formar profissionais de teatro, como também demonstrar para essas pessoas outras possibilidades de vida — constata.

Desenvolvemos oficinas cênicas, que as proporcionaram atuar na peça, e de ocupações como: oficinas de bio-jóias e moda. Chegamos inclusive a realizar um desfile de moda com o que elas produziram durante uma semana. Inclusive algumas delas mudaram de vida por terem uma chance de trabalho. Isso nos trouxe muita motivação — afirma.

Os componentes do Cuíra não fazem teatro para ficar ricos ou famosos, e sim por uma questão de ideologia e amor pela arte cênica.

— São inúmeras as dificuldades que temos para nos manter em atividade, já que não temos ajuda do município, estado ou federal, e nem de empresas privadas. O que conseguimos recentemente foi a indicação para Ponto de Cultura, que junto com as verbas de mais dois prêmios que ganhamos, irá nos ajudar bastante — expõe.

— Mas isso só veio agora, normalmente estamos é na rua mesmo tentando patrocínio para as nossas produções, e para bancarmos aluguel, água, luz e tudo mais, além da sobrevivência das pessoas do grupo, já que eu exerço outra profissão paralelamente, mas outros vivem da nossa arte — fala, acrescentando que as peças do grupo sempre são à preços populares.

— Evidentemente que as pessoas que estão no eixo Rio/São Paulo podem vir a achar que a produção daqui tem menos nível, técnica ou luxo, mas isso não é verdade: fazemos teatro de qualidade. E não desanimamos porque acreditamos que se não fizermos a nossa parte não melhorará esse quadro. Por isso estamos sempre realizando oficinas e botando gente nova no palco — conclui Edyr.

No momento o grupo está em cartaz com a peça Abraço, que trata da solidão nas cidades grandes, levando a uma reflexão a respeito do comportamento das pessoas e do individualismo. Paralelo está trabalhando na remontagem do infantil A cidade do circo, e no projeto Cuíra por memória, que contará fatos importantes do passado de Belém.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja