Jornaleiros denunciam ataque de Kassab às bancas

A- A A+
Pin It

Existe nos bastidores da gerência Kassab um projeto macabro anti-povo encomendado pelas classes reacionárias. O plano da prefeitura é eliminar de imediato 1500 bancas de jornal da região central de São Paulo sob a absurda alegação de "fortalecimento da segurança pública". Com a argumentação esfarrapada de eliminação de "pontos cegos" nas ruas, a prefeitura de São Paulo culpa as bancas de jornal de obstrução da visão e ação dos policiais no patrulhamento (leia-se repressão às massas) nas ruas do Centro da capital.


Protesto dos jornaleiros no centro de São Paulo

Um abaixo-assinado promovido pelos jornaleiros do Centro de São Paulo pode ser visto em várias bancas e já conta com inúmeras subscrições contra mais esta medida antipovo da gerência Kassab (DEM).

No dia 23 de fevereiro os jornaleiros organizaram um combativo ato público que partiu da Câmara Municipal e se dirigiu até à sede da Prefeitura contando com a presença de aproximadamente 1000 pessoas entre jornaleiros e outros trabalhadores que prestaram seu apoio a categoria. A manifestação foi acompanhada de perto pela população que atentamente ouvia as reivindicações dos jornaleiros.

As bancas de jornal do Centro de São Paulo fazem parte da tradição do povo daquela cidade. Nelas os moradores têm seus pontos de referência, encontram informação, debatem a realidade do país disputando espaço para ler as manchetes do dia. Comerciantes e pedestres não têm do que se queixar da companhia das inúmeras bancas de jornal, pelo contrário, as tem como velhas companheiras há décadas.

Durante o protesto dos jornaleiros, vários trabalhadores alertaram que o projeto anti-povo da prefeitura visa atingir não somente as bancas do centro da cidade.

— Todas as bancas de São Paulo serão afetadas por esse projeto, eles começarão pelo Centro, onde existe uma maior concentração das bancas, e certamente também onde encontrarão maior resistência. Eles sabem que se vencerem nossa resistência , expandirão sua ação para todas as bancas da cidade – alertou um jornaleiro através do carro de som.

Outros gritavam: Banca não é ponto cego. Cego é quem não vê os reais problemas da cidade.

Os jornaleiros ainda denunciam o lobby de multinacionais ligadas aos setores de publicidade e distribuição do monopólio da imprensa para que controlem ainda mais a venda de seus produtos. De acordo com os jornaleiros, a prefeitura alega que quer criar um "novo conceito" do profissional que trabalha nas bancas, fala de "um novo tipo de concessão pública para o funcionamento das bancas" que trabalhariam como quiosques administrados por empresas privadas, que na prática seriam as grandes beneficiadas desse novo tipo de operação.

Segundo alguns trabalhadores entrevistados durante o ato essa medida significa "o fim da categoria, desemprego e a impossibilidade de sustentar suas famílias".

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja