Dez mil contra Pancho Villa, a fracassada Expedição Punitiva Ianque

A- A A+
Pin It

De tempos em tempos aparecem no USA os inimigos públicos nº1, geralmente "malvados", portadores de "cultura bárbara e selvagem", irresponsáveis e sempre na eminência de atacar a população estadunidense.


Cartaz oferecendo recompensa pela captura de Villa

Atualmente a propaganda ianque esforça-se por nos convencer da existência de uma fictícia rede de terror, em que tudo que é antiimperalista se transforma em Al Qaeda e árabe (mesmo que no Irã vivam os persas, e não os árabes), dirigida de uma desolada caverna pelo atual inimigo público nº1, Osama Bin Laden.

Mas, o que queremos mesmo contar é a história da única invasão de um exército latino-americano em território ianque e a derrota de sua retaliação ao inimigo público nº1 do momento, entre 1916 e 1917, Pancho Villa

Segundo o historiador Friedrich Katz, o general revolucionário Francisco Villa construiu durante a Revolução Mexicana o maior exército revolucionário da América Latina. Embora suas façanhas militares durante a Revolução Mexicana sejam notáveis, sua maior ousadia foi invadir o território ianque, atacar uma cidade e depois, perseguido por mais de 10 mil homens (alguns dirão 20 mil) com aviões e artilharia, sair com sua saúde melhor do que antes da invasão.

Antes que se formasse uma expedição para capturar Villa, o USA já havia invadido o México pelo menos mais duas vezes. Primeiro entre 1846 e 1848, quando depois de inúmeras batalhas conseguiram entrar na Cidade do México, impondo um acordo onde o México perderia metade do seu território, os atuais estados do Texas, Califórnia, Nevada, Utah, Novo México, Arizona e partes do Colorado, Wyoming, Kansas e Oklahoma em troca de 15 milhões de dólares. A segunda invasão aconteceria durante o governo de Huerta, com a ocupação do porto de Veracruz.

As invasões ianques deixaram um profundo espírito anti-gringo na população mexicana, que seria capitalizado por Villa em 1916 e 1917.

O ataque de Villa a Columbus

Após a tomada da capital do México pelas tropas de Villa e Zapata em dezembro de 1914, é instaurado um governo provisório.

As forças revolucionárias se dividem entre constitucionalistas (Obregón, Carranza e Pablo González) e convencionalistas (Zapata e Villa, que aceitaram os termos da Convenção de Aguascalientes) Os constitucionalistas, contra todas as apostas, conseguem infringir importantes derrotas a Divisão Norte de Villa e os zapatistas são obrigados a retornar a Morelos.

Após uma sucessão de derrotas, traições e intrigas, Francisco Villa volta para o norte, é abandonado por alguns de seus generais e dissolve a Divisão Norte, continuando a luta revolucionária com a utilização de táticas de guerrilha.

Em outubro de 1916 o USA reconhece Carranza como governante do México e fecha a fronteira para a compra de armas por Pancho Villa. A Revolução Mexicana foi feita em um país que não produzia armas e munição, dependendo de um abastecimento frequente na fronteira ianque. Um comerciante lituano que vivia no USA havia trapaceado, recebido o dinheiro villista, mas não entregado o carregamento de armas. Outros, aproveitando das dificuldades no exército de Villa chegariam a vender munição defeituosa. Somando os problemas com a munição, o reconhecimento do governo de Carranza pelo USA, a possibilidade de tomar um banco e se vingar dos ianques pela ajuda dada aos carrancistas na Batalha de Água Prieta, Francisco Villa começa a arquitetar o plano de invasão e tomada da cidade gringa de Columbus. "Vamos bater os gringos em sua própria terra e, de quebra, pegar aquele que nos roubou a munição!"

Villa reuniria suas tropas, pouco mais de 500 homens, e iniciaria uma marcha sinuosa, complexa e que somente ele conheceria o destino. No dia 9 de março de 1916 os villistas atacam a cidade de Columbus, Novo México, pegam a guarnição militar de surpresa e enfrentam uma pequena resistência da população civil. Conseguem pegar algum dinheiro no Banco, armas, alguma munição e cavalos, mas não encontram o tal comerciante.


Charge mostrando Villa castigando a reação ianque

Nas palavras de Galeano: "Chove para cima. A galinha morde a raposa e a lebre fuzila o caçador. Pela primeira vez na história, soldados mexicanos invadem os EUA. Com a desconjuntada tropa que lhe resta, quinhentos homens dos milhares que tinha, Pancho Villa cruza a fronteira gritando Viva México! Assalta a tiros a cidade de Columbus"

A cidade de Columbus não era grande coisa, possuía menos de mil habitantes, mas entraria para a história como o destino da única invasão militar latino-americana ao USA, o que não é pouca coisa e demonstra uma tremenda ousadia de Villa.

A fracassada Expedição Punitiva

O governo ianque, que desde essa época já utilizava a artimanha de eleger um inimigo estrangeiro como bode-expiatório para suas ações militares, transforma Pancho Villa em inimigo público nº1, distribui avisos com uma recompensa pela sua cabeça e forma uma expedição militar para capturá-lo.

Alguns dirão que foi intencionalmente, outros dirão que não, mas o fato foi que a invasão das tropas ianques no México em busca de Villa causou um grande embaraço para o governo de Carranza, já que este pretendia capturar Villa. Por outro lado, a aceitação da presença de tropas do USA era sinal de traição nacional do governo, inadmissível para uma população que conhecia o imperialismo ianque desde que metade de seu território fora usurpado no século XIX. Muitos tinham avôs mortos nas batalhas contra os gringos e as histórias do heroísmo eram contadas e cantadas nos povoados nortenhos.

O então presidente do USA, Woodrow Wilson, ordena a formação de uma campanha militar, inicialmente de pouco mais de 5 mil soldados e oficiais, que cruzam a fronteira em busca de Villa. A expedição conhecida como "expedição punitiva", chegaria a mobilizar mais de 10 mil homens, entre os quais estariam os futuros generais da 2º guerra mundial, Patton e Eisenhower — este último seria também presidente.

Francisco Villa, não podendo enfrentar diretamente as tropas ianques, passou à atividade guerrilheira, acossando, despistando e confundindo os gringos; dividia e reagrupava suas tropas, enviava tropas de reconhecimento, provocava, marchava em outra direção. Sumia, aparecia, tomava povoados, expropriava banqueiros, recrutava novos combatentes e dispersava novamente.

Algumas histórias são famosas, como a emboscada de um avião que sobrevoava uma possível região onde estaria Villa. Ao ver uma bandeira do USA, pousou. Eram villistas que com esse artifício capturaram um avião e o utilizaram para localizar as posições inimigas.

Villa havia recebido um tiro na perna em combate contra os carrancistas, o que o deixou doente por um tempo. Crendo que morreria, por diversas vezes a imprensa do USA armaria um alvoroço em torno de sua morte, abririam possíveis covas de Villa, para logo depois descobrirem vacas e ossos de outros animais. O próprio Villa os enterrava para confundir o inimigo e colocava uma cruz com os dizeres: "Aqui jaz Francisco Villa".

Enquanto perseguiam Villa, enterravam-se em território cada vez mais hostil, chegavam a povoados e recebiam pedradas, marchavam pelo deserto, por montanhas que desconheciam e nenhum sinal de Villa. Contra homens que já lutavam naquele terreno a quase uma década, todo o equipamento ianque era inútil. Salinas Carranza ironizaria a velocidade da macha das tropas gringas: "nossas mulheres, a pé, percorriam essa distância".

Com um amplo sistema de informação, o apoio da população camponesa e um profundo conhecimento do terreno, Villa conseguiria não ser capturado, e inclusive evitaria as tropas carrancistas, ganhando mais apoio popular para um novo ressurgimento.

"Em todo lugar e em lugar nenhum"

Depois de avançarem até Parral, uns 800 km desde a fronteira, o Governo do USA decide retirar suas tropas, afirmando terem alcançado seu objetivo de esmagar as forças villistas, mas quanto ao objetivo real, capturar Pancho Villa, um informe a Carranza seria mais realista: "Francisco Villa está em todo lugar e em lugar nenhum" . Acabava assim a "Expedição Punitiva", que não conseguira punir ninguém, mobilizara uma força descomunal contra apenas um homem e se retirava do México sem ter nem arranhado Pancho Villa. As tropas ianques terminariam com pelo menos 300 baixas e algumas centenas de feridos. Decerto que Villa não era o único objetivo, e certamente o USA pretendia influenciar os rumos da política mexicana. Mas, frente à resistência popular, tampouco conseguira esse objetivo oculto.

Pershing, o comandante da expedição, comandaria depois as tropas ianques na 1ª Guerra Mundial, onde teria mais êxito.

Após a retirada dos gringos, Pancho Villa recompõe novamente parte de seu exército, reagrupa guerrilheiros, reencontra o general Felipe Ángeles e novamente alcança vitórias sobre os carrancistas. Em 1919 morreria Zapata, em 1920, Carranza. Com as eleições e a vitória de Obregón, uma nova ordem parecia se firmar no país. Com algumas reformas e promessas de medidas que garantissem melhorias para os camponeses e pobres do México, Villa aceita os termos de uma rendição ao novo governo.

Entre os termos do acordo está a saída de Villa da vida pública, a anistia e a incorporação dos soldados villistas no exército; a distribuição de terras aos órfãos e viúvas dos combatentes e a entrega de uma fazenda em Canutillo para que ele e alguns membros de seu exército pudessem trabalhar e retirar o seu sustento. Mesmo dissolvendo seu exército Villa permaneceu com uma escolta de cerca de 50 homens.

Durante pouco menos de 3 anos, Villa, com algum apoio do governo, construiu uma escola, reformou o povoado de Canutillo e conseguiu produzir nas terras da colônia.

Francisco Villa não era socialista, nem mesmo havia participado de partidos ou organizações anti-imperialistas. Suas opções políticas foram se construindo a partir de sua revolta contra a opressão, entre combates e batalhas, pelas opções que a situação real apresentava diante de si.

Columbus cresceria, e como muita coisa no USA se transforma em Disneylandia. Foi criado um parque em homenagem ao homem que protagonizou a invasão ao seu território, o Pancho Villa State Park .

Villa declarou algumas propostas curiosas, como a de construir uma vala entre o USA e o México, e também uma distinta perspectiva para a sociedade pós-revolucionária, esboçada em uma entrevista ao jornalista John Reed, que em parte era o projeto da Fazenda Canutillo:

"Quando se estabelecer a Nova República, não haverá mais exércitos no México. Os exércitos são o maior apoio à tirania. Não pode haver ditador sem exército. Poremos o exército a trabalhar. Serão estabelecidas em toda república colônias militares, formadas por veteranos da Revolução. O Estado lhes dará posse das terras agrícolas e criará grandes empresas industriais para dar-lhes trabalho. Trabalharão três dias na semana e trabalharão duro, porque o trabalho honrado é mais importante do que lutar, e só um trabalho assim produz bons cidadãos. Nos outros dias receberão instrução militar, e por sua vez, instruirão todo o povo, para ensiná-lo a lutar. Então, se a Pátria for invadida, tomando-se apenas o telefone do Palácio Nacional na Cidade do México, em meio dia se levantará todo povo mexicano em seus campos e fábricas, bem armado, equipado e organizado para defender seus filhos e seus lares. Minha ambição é viver minha vida numa dessas colônias militares cercado se meus queridos companheiros, que sofreram tanto e tão profundamente ao meu lado. Creio que desejaria que o governo estabelecesse uma fábrica de curtume, onde pudéssemos fazer boas selas e freios, pois sei como fazê-los; o resto do tempo, desejaria trabalhar na minha granjazinha criando gado e semeando milho. Seria magnífico, creio, ajudar a fazer do México um lugar feliz."

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja